Capa da Publicação

Robin: Como Jason Todd morreu na emblemática HQ do Batman?

Por Junno Sena

Referenciada em Batman v Superman e até mesmo adaptada para a série Titãs, a morte de Jason Todd é lembrada até hoje como um evento marcante na trajetória do Batman. Mesmo que outros Robins tenham enfrentado o mesmo desafio de morrer e voltar a vida, o quadrinho Morte em Família e seu fim sangrento é o que permaneceu na mente dos fãs e leitores dos quadrinhos.

Introduzido pela primeira vez em 1983, na edição Batman #357, a história de origem de Jason não era muito diferente a de Dick Grayson. Assim como o Robin anterior, um acrobata de circo que perdeu os pais para o crime. Eventualmente, foi adotado por Bruce Wayne e, com a benção de Dick, se tornou o novo ajudante do Homem-Morcego.

Mas, com a Crise das Infinitas Terras, a DC Comics encontrou uma oportunidade de modificar o personagem e silenciar as críticas dele ser um “clone mais novo do Dick Grayson”. Jason então ganhou uma nova história, em que ele era um garoto rebelde e problemático, que vivia nas ruas e encontrou o Batman enquanto tentava roubar os pneus do Batmóvel.

A origem recontada de Jason Todd

Esse encontro pode ter parecido icônico para o Batman, mas ainda assim foi visto com maus olhos pelo público. Foi então que, com o lançamento de Morte em Família, utilizaram uma tecnologia experimental para que os fãs pudessem decidir o destino do novo Robin.

“Nós sabíamos que a tecnologia para sondar nossos leitores por telefone estava disponível, então decidimos usar. Seria como ir além de ouvir as cartas de nossos leitores ou conversar com eles com convenções. Se usássemos esse método, seria a primeira vez e não podíamos desperdiçar isso com a cor das botas de Nuclear. Cada voto custaria cinquenta centavos. Então tinha que ser algo importante. Vida ou morte”, explicou o editor da época, Denny O’Neil.

Batman: Morte em Família

A violenta morte de Jason Todd

Nesse novo arco, Jason Todd descobre que Catherine Todd, a falecida mulher que o criou, não era sua mãe biológica. Assim, o garoto se coloca numa aventura em busca de descobrir quem é sua mãe e se a mesma ainda está viva.

Bruce simpatiza com a situação por entender como é crescer sem uma mãe. Por isso, o herói coloca todas as suas críticas e preocupações de lado e ajuda o Robin. Entre investigações, acabam encontrando o Coringa e um curioso plano envolvendo tráfico de armas.

Eventualmente, Batman e Robin encontram a mãe de Jason: Sheila Haywood. O que era um momento feliz para mãe e filho se tornou um problema, pois o Coringa estava chantageando Sheila. Isso revoltou Jason e, desobedecendo as ordens do Batman, decidiu enfrentar o vilão por si mesmo.

O que não esperava era que a mãe não precisava ser salva, uma vez que ela estava entregando Robin para o Coringa. A traição de Sheila, provavelmente, doeu mais para Jason do que estava por vir: uma cena impactante do Coringa batendo no Robin com um pé de cabra.

Coringa, que também não é alguém para se confiar, deixou os dois em um armazém com uma bomba prestes a explodir. A edição termina com Batman chegando no local, o lugar indo pelos ares e um gancho para a próxima edição: “Robin irá morrer por que o Coringa quer vingança, mas você pode impedir isso com uma ligação”.

O destino de Jason Todd

O destino de Jason Todd em uma enquete

Foi dado aos leitores dois números para ligar. Em um, eles decidiriam que Jason sobrevivesse a explosão, no outro, ele morreria. A janela de votação durou 36 horas e a DC estava preparada para ambas as decisões do público.

“Eu tinha duas versões de Batman #428 na gaveta, esperando o veredito”, explicou O’Neil em 1988.

A versão escolhida, como já sabemos, foi pela morte de Jason. Foram 10.614 votos no total: 5.343 decidiram pela morte do herói, enquanto 5.271 optaram para sua sobrevivência. Com uma diferença de apenas 72 votos, o mundo de Batman tomou um caminho sombrio.

Com Robin nos braços e um semblante triste, essa imagem do Homem-Morcego ganharia o mundo e se tornaria icônica para o personagem. Todd retornaria anos mais tarde em Batman Annual #35, sob o nome de Capuz Vermelho, dando muito trabalho para o herói e se tornando um vigilante anti-heroico.

Final alternativo de Morte em Família publicado em Batman Annual #35

Nesta mesma edição, vimos a página descartada em que Batman encontrava o rapaz vivo nos escombros do armazém. Entre as explicações que poderiam ser usadas para seu retorno estava os estilhaços da realidade do Superboy-Prime ou o Poço de Lázarus.

De um jeito ou de outra, essa complexa história fez do Robin de Jason Todd um personagem raso para uma das participações mais marcantes na vida de Bruce Wayne.

Imagem de perfil
sobre o autor Junno Sena

Pós graduando em Antropologia com o raio problematizador ligado no 120. Assiste filme trash para relaxar e dorme cantarolando a trilha sonora de A Hora do Pesadelo. Blaxploitation na veia e cinema coreano no coração. Atualmente mora em Petrópolis, RJ.