Capa da Publicação

Avatar 2 terá o mesmo sucesso de bilheteria do primeiro filme? 

Por Jaqueline Sousa

Após um pouco mais de uma década do lançamento do primeiro filme, Avatar vai retornar aos cinemas em dezembro deste ano. Intitulado O Caminho da Água, a sequência já vem sendo preparada há alguns anos pelo diretor James Cameron, que ainda planeja a produção de mais quatro longas da franquia para o futuro.

Independente da divergência de opiniões a respeito do filme de 2009, não dá para deixar de lado o grande impacto que o projeto teve na indústria cinematográfica. Considerado por muitos como revolucionário, Avatar transformou a maneira como o 3D era encarado pelos profissionais da área, tornando-se a maior bilheteria do cinema mundial justamente por ter despertado o interesse do público com uma inovação dessa tecnologia. 

Entretanto, alguns anos se passaram e o 3D já não tem mais aquela força de antes e, hoje em dia, virou apenas um recurso para aumentar o lucro da bilheteria. Então, como fica Avatar 2 diante desse cenário? Para pensarmos sobre isso, hoje vamos analisar o que está a favor e o que está contra o sucesso do novo filme da franquia!

Por que Avatar 2 pode ser um sucesso?

A direção de James Cameron

James Cameron sorrindo.

A direção de James Cameron pode colaborar para o sucesso de Avatar 2.

Quando o assunto é produção grandiosa, James Cameron é um especialista. Afinal, muito antes de finalmente se aventurar por Avatar, o diretor já tinha impressionado a indústria e o público com o lançamento do clássico Titanic, filme que se mantém firme e forte no top 3 de maiores bilheterias do mundo desde 1997

Além disso, vale destacar que o cineasta também é conhecido por sua versatilidade. Basta dar uma olhadinha na filmografia de Cameron para perceber que ele não tem medo de ousar e arriscar no mercado de blockbusters, seja com escolhas felizes ou não. 

Em vista disso, mesmo que você ainda esteja com um pé atrás sobre Avatar 2, não dá para subestimar a importância e a qualidade cinematográfica que James Cameron é capaz de entregar. E é exatamente isso que ele vem prometendo com o lançamento do novo filme da franquia.

A curiosidade fala mais alto

A sequência de Avatar promete ser grandiosa.

Desde o lançamento de Avatar, muita coisa mudou na indústria de Hollywood, principalmente com os blockbusters. A ascensão do Marvel Studios e o retorno de outras franquias como Star Wars acabaram fazendo com que o filme de James Cameron fosse se “apagando” ao longo dos anos. Ainda assim, ele ainda é relembrado como um dos maiores fenômenos da contemporaneidade.

Independente da sua opinião a respeito do filme, é consenso que Avatar 2 não é somente um dos filmes mais aguardados de 2022, mas também da última década. Por maior que seja o desinteresse de alguém, é possível admitir que existe aquela pulga atrás da orelha para saber o porquê a sequência está dando o que falar na indústria. 

Assim, não dá para descartar a ideia de que o filme realmente seja um grande sucesso. A curiosidade para entender o que essa sequência tem de tão especial pode sim falar mais alto e, claro, isso contribuirá para os números das bilheterias. 

O uso de novas tecnologias

Uma nova tecnologia de captura de movimentos foi criada para filmagens embaixo d’água.

Se o primeiro filme conseguiu causar um grande alvoroço na indústria cinematográfica lá em meados de 2009, o que será que Avatar 2 vai conseguir fazer em pleno 2022? Apesar de ser algo impossível de prever, se levarmos em consideração que o primeiro longa introduziu novas ferramentas de produção e técnicas virtuais inovadoras, é possível imaginar o que os avanços tecnológicos serão capazes de realizar nessa sequência.

Para o filme deste ano, Cameron apostou em aparelhos de última geração para aprimorar a captura de movimentos dos atores que, desta vez, também foi feita debaixo d’água. A tecnologia foi desenvolvida especialmente para Avatar 2, pois, segundo o diretor, a ideia de colocar os profissionais suspensos em cabos para imitar o fundo do mar “não iria funcionar” (via Entertainment Weekly).

O próprio Cameron já declarou que eles “irão ultrapassar os limites do que o cinema pode fazer” (via THR). A expectativa é de que o filme chegue aos cinemas mundiais com uma variedade de formatos e qualidades absurdas de áudio e imagem. Definitivamente, deve ser o tipo de produção que merece ser vista em uma tela grande. 

Ausência de hype não indica fracasso

Apesar de não estar entre os favoritos de muita gente, Avatar 2 ainda assim é um dos filmes mais aguardados do ano.

Se tem uma coisa que Avatar provou em 2009 é que um grande hype de pré-lançamentos não significa que o filme em questão vai ser um fenômeno de bilheteria. Em vias de comparação, quando Avatar chegou aos cinemas, os números arrecadados na bilheteria do primeiro final de semana foram de US$ 77 milhões. Já Vingadores: Ultimato abriu com US$ 257 milhões (via Screen Rant).

Enquanto Ultimato contou com uma vasta campanha de marketing e toda a antecipação gerada antes do lançamento do filme, Avatar foi algo mais orgânico. Isso aponta que a ausência de hype não é indicativo de fracasso, e Avatar 2 pode repetir, caso o filme seja bem-sucedido em sua execução, a dose de sucesso nas bilheterias. Pode ser que Cameron não ultrapasse o próprio recorde, mas isso já é outra história.

Por que Avatar 2 pode ser um fracasso?

O cenário pós-pandemia

Muitos cinemas fecharam após o início da pandemia de Covid-19.

Embora ainda não tenha chegado ao fim, é aos poucos que o mundo vai se recuperando da intensa crise de Covid-19. Mesmo assim, os impactos da pandemia na indústria cinematográfica ainda são sentidos: o comportamento da sociedade já não é mais o mesmo e a forma como produções audiovisuais são feitas e recebidas também não. 

Projetos adiados ou cancelados, cinemas fechados e a insegurança a respeito da convivência física são apenas algumas das consequências que a área teve que enfrentar nos últimos anos. Com isso, muitas produções passaram a estrear diretamente em serviços de streaming, por exemplo, concomitante com os lançamentos nos cinemas. Isso por si só já atrapalha os números das bilheterias, pois muitas pessoas preferem ficar em casa do que gastar dinheiro com ingressos.

A junção de todos esses fatores pode colaborar para que Avatar 2 não repita o sucesso do primeiro filme. Talvez não seja exatamente um fracasso, mas não podemos deixar de considerar os novos formatos e estilos comportamentais que o cinema vem enfrentando. 

Já faz mais de uma década do lançamento do primeiro filme

O primeiro filme de Avatar foi lançado há pouco mais de uma década atrás.

Querendo ou não, a questão da passagem de tempo pode pesar no desempenho de Avatar 2. Já faz 13 anos desde o lançamento do primeiro filme, o que significa que o mundo de antes não é o mesmo de agora. Muita coisa mudou ao longo da última década, e o novo filme da franquia pode enfrentar certa resistência diante disso.

O desafio de James Cameron, então, é resgatar aquilo que tanto conquistou o público em 2009 e adequá-lo aos dias de hoje. Além disso, a magia do primeiro longa já não é mais tão atraente assim, pois, com o uso frenético da tecnologia 3D desde então, tudo parece muito simples e fácil de se perder o interesse.

Avatar não foi um fenômeno cultural

Apesar do grande impacto tecnológico, a influência de Avatar na cultura pop não foi tão relevante.

Sempre que falamos sobre Avatar é mais fácil associá-lo ao seu impacto tecnológico do que o cultural. Isso porque, apesar da relevância do filme na época de seu lançamento, a trama não deixou nenhuma marca tão grandiosa assim na cultura pop como Star Wars, por exemplo. 

Essa questão também anda de mãos dadas com a passagem do tempo, o que pode fazer com que Avatar aparente ser algo datado na mente das pessoas. Mesmo diante de diversas possibilidades tecnológicas e promessas de que Avatar 2 vai revolucionar o cinema mais uma vez, ainda assim a falta de conexão do grande público com o enredo pode prejudicar seu desempenho nas bilheterias. 

O declínio do 3D

O interesse pelo 3D vem caindo há alguns anos.

Ao longo da história do cinema, o 3D sempre foi um assunto cíclico. Uma hora ele aparece em alta, na outra ninguém quer saber dele. No momento atual, a tecnologia está cada vez mais entrando em declínio depois de conquistar seu ápice com o lançamento de Avatar.

De acordo com um relatório anual da American Motion Picture Association, divulgado em novembro de 2021 (via The National News), a bilheteria arrecadada por filmes 3D vem caindo a cada ano desde 2010.

Possíveis justificativas para isso são o preço de tais ingressos, que são mais caros que os comuns, e o esgotamento que essa tecnologia enfrentou desde o boom de 2009. Muitos filmes atuais usam a tecnologia apenas para aumentar os números das bilheterias e nem ao menos tentam proporcionar uma experiência imersiva ao público.

Isso não quer dizer que o 3D encontre seu fim definitivo num futuro próximo. Porém, com a mudança de comportamento da sociedade e a crise da pandemia de Covid-19, a tendência é que as pessoas acabem optando por escolhas mais práticas e baratas, e isso pode impactar o desempenho de Avatar 2, por mais que a antecipação para o filme exista.

Você acha que Avatar 2 vai repetir o sucesso do primeiro filme? Não deixe de comentar!

Aproveite também:

Imagem de perfil
Jaqueline Sousa

Jornalista. Apaixonada por cinema, música e literatura. | @jqlnsss