Capa da Publicação

Diretor de Star Wars: A Ascensão Skywalker explica decisão por trás de beijo LGBT

Por Evandro Lira

O roteirista e diretor de Star Wars: A Ascensão Skywalker, J.J. Abrams, diz que o beijo de celebração entre duas mulheres ao final do filme é uma maneira de expressar a mensagem de que “Star Wars é para todos”.

O beijo entre duas personagens da Resistência acontece em uma cena rápida mas significativa que marca a primeira vez que um casal LGBT é representado na franquia cinematográfica de Star Wars.

“Esta cena de comemoração parecia a única oportunidade de mostrar um beijo entre pessoas do mesmo sexo sem ser pesado ou fazer muito barulho”, disse Abrams ao canal MovieZine. “Ver um casal do mesmo sexo ter um momento juntos dizia explicitamente que nesta galáxia todo mundo está lá e todo mundo é bem-vindo. Não importa sua preferência sexual, sua raça, sua espécie, se você é orgânico, se você é sintético – Star Wars é para todos.”

Quando questionado sobre a responsabilidade de apoiar a diversidade enquanto cineasta, J.J. Abrams lembra que é fundamental fazer isso dentro e fora das telas.

“Deve ser responsabilidade de todo cineasta não apenas representar o mundo como ele é o máximo possível na tela, mas também por trás das câmeras. Tivemos uma extraordinária diretora de segunda unidade, uma mulher afro-americana, e foi a primeira vez que uma negra fez esse trabalho. E isso foi tão importante para mim quanto ter um elenco que parece mais com o mundo”, disse Abrams. “E tenho muito orgulho não apenas dessa questão do elenco, como também por quem está fazendo esse filme nos bastidores, onde pudemos ter pessoas diferentes, que não apenas aquelas de costume. Novamente, não se trata de tirar o espaço de ninguém, mas de dar oportunidades a pessoas que talvez nunca tenham tido essa chance antes.”

O diretor admite que apostar em diversidade nos dias atuais também é algo lucrativo, já que há uma necessidade por parte do público de ver tipos diferentes de pessoas atuando nesses locais antes pertencentes a um mesmo grupo.

“Então, seja uma mulher em um papel que você normalmente não a vê, seja uma pessoa de cor em um papel – isso está se tornando mais normalizado, mas acho que é ótimo para contar novas narrativas e histórias diversas”, continuou ele. “É bom para os negócios também, porque acho que as pessoas têm fome de ver coisas que não parecem exatamente a mesma que você já viu desde sempre.”

Embora esse beijo em Star Wars: A Ascensão Skywalker seja o primeiro momento LGBT dos filmes, existem personagens gays canônicos nos livros e até mesmo em uma das séries animadas da franquia, Star Wars Resistance.

Veja mais notícias de Star Wars:

Oscar Isaac culpa Disney por não explorar romance entre Finn e Poe em Star Wars

J.J. Abrams vê Rey e Kylo Ren como irmãos

Diretor de Star Wars: A Ascensão Skywalker se inspirou em Vingadores: Ultimato para concluir a saga

Na galeria abaixo, fique com imagens do filme:

Star Wars: A Ascensão Skywalker está em cartaz nos cinemas.

Imagem de perfil
sobre o autor Evandro Lira

Editor, bacharel em Cinema e Audiovisual, bruxo nascido trouxa, filho dos filhos do átomo, mestre dos quatro elementos, fã de mais coisas do que deveria, frequentemente falando sozinho no Twitter. Segue: @evandroslira