Capa da Publicação

Lightyear: Dubladores brasileiros contam como seria um encontro com o universo de Star Wars

Por Gabriel Mattos

Lightyear, a mais nova animação da Disney-Pixar, traz um novo olhar ao clássico personagem de Toy Story. Desta vez, ele não é apenas um brinquedo no quarto de Andy, mas sim um astronauta de verdade em uma perigosa missão no espaço, como as melhoras aventuras de Star Wars. Em entrevista, os dubladores nacionais comentaram sobre as semelhanças entre os universos.

Para divulgar o lançamento do novo filme, a Disney convidou a Gabi Orsini, da Legião dos Heróis, para bater um papo com o elenco nacional de dubladores de Lightyear. Durante a conversa, o assunto Star Wars veio a tona e surgiu a pergunta de como seria um encontro entre os personagens da animação com os heróis de uma galáxia muito distante.

Antes de responder sobre quem ele gostaria de que Buzz encontrasse, Marcos Mion, seu dublador, deixou escapar o seu lado mais fã da saga espacial: “Mas qual Star Wars? O tradicional, clássico, ou o novo? O Buzz ia lutar com o Kylo Ren ou com o Darth Vader?”

“Uma luta do Buzz com o Kylo Ren ia ser… ia ser legal demais. Imagina esse cross? E aí imagina o Buzz pilotando nave? Colocando o Sox no lugar do R2-D2? Ia ser legal pra caramba, já imaginou?,” completa.

Darth Vader já teve muita chance de brilhar! Buzz lutaria contra Kylo Ren.

O gatinho Sox é o robô companheiro particular de Buzz e é só vê-lo em ação que surgem as comparações imediatas ao carismático R2-D2, que acompanha Luke, Leia e Anakin em suas aventuras. César Marchetti, que dublou o personagem na nova animação,

“Eu acho que ele ia dar umas arranhadas no R2 e o R2 ia lançar uns raios nele,” brinca Marchetti, “Tem essa questão do comando, de querer ter o comando. Ao mesmo tempo que o R2 é um personagem muito fofo também. Tem o lado heroico dele, mas também tem o lado fofinho dele.”

Izzy e Sox são incríveis e trazem uma leveza que harmoniza com o Buzz.

Thiago Longo, diretor de dublagem de Lightyear, comentou que não tem como escapar à associação do público a Star Wars pelo tamanho da franquia, mas que o filme tenta trazer sua própria interpretação de uma jornada estelar.

“Eu acho que tem referências, mas não tem como não ter. Quando a gente pensa numa saga no espaço, a gente pensa em Star Wars. Acho que nossa cabeça vai levar a gente pra caçar coisas que sejam próximas também. Não sei se foi uma coisa que os produtores buscaram, mas acho que acaba sendo inevitável você colocar humanos no espaço e não puxar dos filmes de Star Wars qualquer coisa, porque é a referência que a gente tem,” explica Longo.

A ideia de reunir franquias tão diferentes, mesmo que compartilhem a mesma temática, pode parecer absurda, mas não seria impossível de acontecer. Mion, que pareceu muito animado com a possibilidade, lembrou a salada de referências que foi o recém-lançado Tico e Teco: Defensores da Lei.

“Não é impossível, cara. Vocês não viram o filme novo do Tico e Teco que entra Peter Pan e não sei o que e vira uma bagunça geral? Vai saber um dia,” diz Mion.

Mas e você? O que acha dessa mistura? Não deixe de comentar!

Lightyear está em cartaz exclusivamente nos cinemas.

Fique com:

Imagem de perfil
Gabriel Mattos

Editor, repórter correspondente de Wakanda, caçando Pokémon por onde eu vou! Sempre nas lives da Legião! • @gabeverse