Capa da Publicação

Quentin Tarantino fala sobre “guerra” entre filmes originais e blockbusters

Por Gus Fiaux

2019 foi um ano muito interessante para o cinema. De um lado, tivemos a estreia de grandes arrasa-quarteirões como Vingadores: Ultimato – que se tornou a maior bilheteria de todos os tempos – o que imediatamente atraiu a atenção do outro lado, liderado por cineastas que expressaram sua insatisfação com a hegemonia dos filmes de super-heróis.

O mais novo diretor a entrar nessa disputa foi Quentin Tarantino, que falou sobre essa “batalha” em uma entrevista ao Deadline. De acordo com ele, 2019 foi o ano que provou como os artistas poderiam se manter rígidos numa “guerra” entre cinema autoral e os filmes blockbuster:

“Apesar das continuações e dos ‘Vingadores: Ultimato’ da vida, eu acho que há uma guerra entre os filmes que surgiram no ano passado.”

Ele foi além em seus comentários, explicando como os filmes “comerciais” dos grandes estúdios e conglomerados do entretenimento quase levaram a melhor, dominando completamente os cinemas. Mas isso não aconteceu graças aos seus colegas de profissão:

“Pelo que eu posso ver, o produto comercial que é comandado pelos conglomerados, os projetos que todos conhecem e que todos já têm em seu DNA, seja a Marvel Comics, Star Wars, Godzilla ou James Bond, esses filmes nunca tiveram um ano tão bom quanto o ano passado. Teria sido o ano em que sua dominação mundial teria sido completa. Mas meio que não foi. […] Por conta disso, um monte de filmes originais saíram e se obrigaram a ser vistos, nos cinemas. Então acabou sendo um ano muito, muito forte. Eu estou realmente orgulhoso de estar sendo indicado [ao Oscar] ao lado dos outros filmes que foram indicados. Eu acho que, quando você pesa as coisas na balança, é um cinema que meio que não cai na prova do status das propriedades intelectuais e blockbusters, e que se provou presente no ano passado.”

Ele ainda diz que 2019 foi um ano completamente dominado por blockbusters como Vingadores: Ultimato e Star Wars: A Ascensão Skywalker. De acordo com ele, se não fossem as produções mais independentes, o cinema teria sucumbido de vez a esse tipo de produção:

“Se isso não tivesse sido feito em 2019, poderia ter sido o último combate para filmes desse tipo. Foi um ano muito conceituado. Para combater filmes como ‘Vingadores: Ultimato’ – e não se falava outra coisa um mês antes dele ter sido lançado ou um mês depois, você não podia falar de qualquer outra coisa. Eles tentaram fazer a mesma coisa com o último ‘Star Wars’, mas eu não acho que funcionou. Mas você não podia pegar um voo da United Airlines sem ver todos os comerciais. Até mesmo as recomendações de segurança tinham uma cena de ‘Star Wars’.”

Sem dúvidas, muitos diretores expressaram sua preocupação com filmes de super-heróis e com blockbusters de forma geral. Quem liderou essa “cruzada” foi Martin Scorsese, que expressou diversas vezes seu descontentamento com a forma pela qual esse tipo de filme estava invadindo os cinemas, tirando a oportunidade de outras produções “menores”. E pelo visto, essa guerra ainda vai continuar…

Veja mais notícias de Quentin Tarantino:

Quentin Tarantino vai dirigir série derivada de Era uma Vez… em Hollywood

Star Trek de Quentin Tarantino pode não acontecer

Quentin Tarantino sugere que Kill Bill 3 vai acontecer

Na galeria abaixo, fique com artes conceituais de Vingadores: Ultimato:

Vingadores: Ultimato está disponível em DVD, Blu-Ray e mídias digitais.

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux