Capa da Publicação

Os 10 piores jogos de 2020, segundo o Metacritic

Por Gabriel Mattos

O ano de 2020 trouxe muitos jogos surpreendentes como The Last of Us Part II e Hades, mas é claro que existem dois lados dessa moeda. Enquanto os melhores games são celebrados em eventos como o The Game Awards, os piores caem no esquecimento do fundo da lista do Metacritic.

Se engana quem acha que Cyberpunk 2077 estaria no topo da lista dos piores. Apesar de estar bastante quebrado, o jogo da CD Projekt Red ainda conseguiu brilhar em alguns quesitos como a história e a ambientação.

Entretanto, a lista de piores jogos de 2020 traz uma coletânea de grandes perdas de tempo que só servem para ocupar espaço no seu disco rígido. A maioria são jogos bastante desconhecidos, mas até mesmo grandes franquias como Velozes e Furiosos (Bandai Namco) e The Elder Scrolls (Bethesda) acabaram vacilando esse ano.

Cyberpunk 2077 trouxe diversos problemas.

Confira a lista completa e o que a crítica achou desses jogos:

10 – The Elder Scrolls: Blades (Switch)

The Elder Scrolls: Blades foi uma tentativa de trazer a franquia à plataformas portáteis que não deu muito certo. O jogo acumulou apenas 42% de aprovação no Metacritic. Segundo o Nintendo Life:

“The Elder Scrolls: Blades é básico e repetitivo, um jogo mobile free-to-play com a aparência de um Elder Scrolls mas sem nada da aventura, exploração, sagacidade ou charme da série principal.”

9 – Gleamlight (Switch)

Gleamlight tentou copiar o sucesso de Hollow Knight, mas não trouxe nada de impressionante para os fãs. O jogo acumulou apenas 42% de aprovação no Metacritic. Segundo o Switch Player:

“De Hollow Knight isso não tem nada. Com controles falhos, uma música horrível e desafios nada justos de plataforma, esse é um jogo que você vai querer terminar o mais rápido possível. Por sorte ele não dura nem uma hora.”

8 – Street Power Soccer (PS4)

Outro game que tentou surfar no sucesso de um gigante, dessa vez do nostálgico Fifa Street. Infelizmente, falta polimento e o game só conseguiu 41% no Metacritic. O site TheSixthAxis declarou:

“Eu peguei Street Power Football esperando por uma abordagem agradável do esporte e fiquei genuinamente impressionado em quão ruim esse jogo consegue ser. Isso já seria difícil de perdoar mesmo com um orçamento pequeno, mas eles ainda tiveram a audácia de cobrar preço cheio por essa porcaria. Eu me esforcei muito mas não achei nada de positivo para falar sobre esse jogo.”

7 – Tamarin (PS4)

Tamarin reuniu ex-membros do lendário estúdio Rare que no passado fez jogos incríveis para a Nintendo. Dessa vez, o resultado é desastroso para o PlayStation, com 40% de aprovação. O Gaming Age concluiu que:

“De certo modo, eu acho, Tamarin é meio que incrível. É incrível que eu não consigo lembrar a última vez que eu joguei algo tão desastroso em tantos níveis. O game é um fiasco desde a concepção!”

6 – Remothered: Broken Porcelain (PC)

Se não bastasse o gênero de terror estar sofrendo certa saturação pelos estúdios indies, Remothered ainda é absolutamente quebrado. O jogo tem 39% de aprovação e o PC Invasion explica o porquê:

“Remothered: Broken Porcelain sofre com péssimas decisões de design, um enredo quase incompreensível e muito mau gosto.”

5 – Arc of Alchemist (Switch)

Esse RPG de ação até tentou fazer algo diferente, mas os gráficos são sofríveis e a jogabilidade bastante genérica. O site We Got This Covered sabe bem o motivo da nota de 36%.

“Graças a um framerate instável, combate terrível e personagens esquecíveis, Arc of Alchemist falha em despertar nada além de inércia de seus jogadores.”

4 – Fast & Furious Crossroads (PC)

Surpeende um pouco ver uma franquia tão conceituada nos cinemas como Velozes e Furiosos tão mal das pernas nos jogos. Com 34% de aprovação, o crítico do CD-Action culpa os executivos:

“Acho que é isso que acontece quando você separa um orçamento risível para um projeto, tem que gastar metade em dubladores famosos e os executivos ainda querem que você imite jogos de grande orçamento.”

3 – Dawn of Fear (PS4)

Tentando reacender o interesse pelo terror clássico visto em Resident Evil, Dawn of Fear sofre para alcançar a nota de 33% no Metacritic. De acordo com o PlayStation Universe:

“Os controles ruins geram a maior parte dos problemas e a falta de mecânicas básicas criam problemas que não deveriam existir nem no mais simples dos jogos modernos.”

2 – XIII Remake (Xbox One)

Esse game tentou homenagear um clássico da Ubisoft, mas o resultado é tão ruim e tão diferente do original que os criadores tiveram que pedir desculpas publicamente. Na opinião do TheXboxHub, a nota de 32% é até generosa:

“Em um olhar desatento, XIII Remake até parece mesmo um jogo. Tem gráficos, sai som quando você ataca e o personagem até se move. Mas é só jogar mais que cinco minutos para perceber que não passa de uma catástrofe consertada com fita adesiva.”

1 – Tiny Racer (Switch)

O prêmio de pior jogo do ano, com 29% de aprovação, vai para Tiny Racers. O jogo é tão horrível que o NintendoWorldReport não conseguiu nada para elogiar.

“Parece um jogo que foi criado em uma semana com nenhuma atenção aos detalhes e sem nenhum objetivo em mente além de tornar os carros pequeninos. Sinceramente, até nisso eles falham!”

Teve o desprazer de jogar algum dos piores jogos do ano? Conta para a gente nos comentários!

Fique com:

Imagem de perfil
sobre o autor Gabriel Mattos

Editor, repórter correspondente de Wakanda, caçando Pokémon por onde eu vou! Sempre nas lives da Legião! • @gabeverse