Capa da Publicação

Final de Doomsday Clock revive personagens importantes para o Superman

Por Raphael Martins

Após anos sendo publicada, a minissérie Doomsday Clock (ou “O Relógio do Juízo Final”, no Brasil), que traz os personagens de Watchmen para a continuidade dos demais heróis da DC, terminou nos Estados Unidos, provocando mudanças na vida de muitos heróis da editora.

Nas edições anteriores, o Dr. Manhattan viajou pela história do universo da DC, interferindo em eventos-chave da continuidade dele e mudando a maneira como tudo funcionava. Entre essas interferências estão o sumiço da Sociedade da Justiça, cujos atos heroicos nunca geraram frutos, logo, não inspiraram seus sucessores super-heróis.

Após um ato de bravura e heroísmo do Superman, o Dr. Manhattan tem seu coração tocado, e começa a reparar alguns dos danos que ele mesmo causou na linha do tempo, recolocando a Sociedade da Justiça na história, assim como a Legião dos super-heróis.

Mas a maior mudança de todas foi na vida do próprio Superman. Após o reboot de 2011 que resultou na fase Os Novos 52, os pais de Clark Kent haviam morrido em um acidente automobilístico, algo que perdurou até esta edição final de Doomsday Clock. Mas inspirado pelos feitos heroicos da Sociedade da Justiça, Clark começou sua carreira de herói ainda na adolescência, assumindo a identidade de Superboy e lutando contra o crime.

Como consequência, ele estava por perto para salvar seus pais de morrerem no dito acidente. Isso mesmo: Jonathan e Martha Kent estão de volta à vida do homem de aço como se nunca tivessem saído dela.

O final de Doomsday Clock certamente dividirá os fãs e será alvo de discussões acaloradas entre eles por muito tempo. E vocês, qual sua opinião sobre o encerramento da história? Deixem seus comentários!

Veja também:

Confira imagens de Doomsday Clock #12 em nossa galeria:

Imagem de perfil
sobre o autor Raphael Martins

Redator, apresentador e roteirista. Gosto de longas caminhadas na praia, Star Wars, tokusatsu, anime e filé com batata frita. Deixo as pessoas constrangidas. Você pode trocar uma ideia comigo no Twitter: @aqueleraphael