Capa da Publicação

Doutor Estranho 2: Como Multiverso da Loucura pode ser o início das Guerras Secretas no MCU

Por Gus Fiaux

Atenção: Alerta de Spoilers!

Em cartaz nos cinemas, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura é o primeiro sucesso da Marvel Studios em 2022, trazendo uma gigantesca bilheteria para a Disney e conduzindo uma aventura insana por várias realidades, estrelada por Stephen Strange Wanda Maximoff. Contudo, o filme ainda pavimenta o terreno para algo ainda maior.

Mesmo com a obra de Sam Raimi indo fundo no conceito do Multiverso e das várias terras alternativas que giram em torno do Universo Cinematográfico da Marvel, o filme deixa pequenas pistas que podem levar a uma adaptação das Guerras Secretas, uma popular saga de 2015 que conta com a participação de todos os maiores heróis e vilões já criados na Casa das Ideias. E neste artigo, vamos explicar como isso pode acontecer!

Novo filme é só o início de uma saga ainda maior!

O que Doutor Estranho no Multiverso da Loucura apresenta de novo para o MCU?

Não é de hoje que o Universo Cinematográfico da Marvel tenta inserir conceitos do Multiverso. Os acenos iniciais para essa ideia vieram na Fase 2, mas só estão se consolidando agora graças a uma linha de filmes e séries que tenta abraçar ainda mais as várias possibilidades e como há diferentes realidades contidas nessas histórias.

Obras como LokiHomem-Aranha: Sem Volta para Casa e, agora, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, expandem a noção de que o universo que acompanhamos até agora, ao longo de uma década e mais de duas dezenas de filmes, é apenas um entre uma miríade de mundos, cada qual com suas próprias particularidades.

E no filme de Sam Raimi, pela primeira vez no MCU, podemos ver Stephen Strange transitando livremente entre as várias realidades, conhecendo novos universos – muito disso devido às ações de America Chavez, uma menina que possui o poder de abrir portais entre diferentes terras.

Um dos universos visitados no filme é a Terra-838, onde Strange conhece os Illuminati. Os heróis o prendem com o intuito de prevenir catástrofes no Multiverso, deixando claro que a variante do mago naquele universo chegou a causar Incursões ao tentar encontrar formas de conquistar poder para impedir a ascensão de Thanos.

Porém, o Strange “principal”, da Terra-616, como é chamado aqui, não parece aprender com suas variantes. Em sua busca para deter a Feiticeira Escarlate, ele acaba conquistando poder demais e, na primeira cena pós-créditos, a feiticeira Clea rompe o tecido das realidades para dizer que o Mestre das Artes Místicas causou uma Incursão e esse evento precisa ser detido – e assim, temos o teaser para um terceiro filme do herói e para as Guerras Secretas.

As Guerras Secretas têm tudo a ver com a presença dos Illuminati…

O que são as Incursões?

Nos quadrinhos, o conceito das Incursões surgiu em New Avengers Vol. 3, um título centrado justamente nos Illuminati. Aqui, aprendemos que a Incursão é um evento desolador, no qual duas Terras (de diferentes universos) começam a entrar em rota de colisão.

Da Incursão, só há dois resultados possíveis: ou uma das duas Terras (e seu respectivo universo) é destruída junto de todos os seus habitantes, enquanto a outra se salva; ou então – e muito pior – ambas as Terras e seus universos são devastados. Assim, começa a corrida contra o tempo dos Illuminati para salvar as Terras do Multiverso.

Tudo isso porque uma Incursão funciona em efeito cascata. Quando uma dessas acontece, o “espaço” da realidade é alterado e outras Incursões começam a acontecer. Não há um meio de impedir isso, e o resultado é a completa aniquilação de todo o Multiverso – ou então a sobrevivência de um único universo nesse processo.

Em New Avengers Vol. 3, descobrimos que um ser superior chamado Rabum Alal está causando esses eventos e “roubando” pedaços de cada universo destruído, como se estivesse colecionando figurinhas. Essa entidade inclusive manda um “arauto” para cada Terra que será destruída, a Cisne Negro.

Eventualmente, descobrimos que esse ser superior é, na verdade, o Doutor Destino, que encontrou uma forma de manipular as várias realidades ao seu bel-prazer e quer construir seu próprio mundo a partir dos fragmentos que recuperou dos universos. Esse novo mundo, o último de todo o Multiverso, se chama Mundo Bélico, e nele Victor Von Doom reina supremo como rei e como deus.

Lançada em 2015, Guerras Secretas foi um grande evento criado por Jonathan Hickman e Esad Ribić.

Como isso pode se ligar às Guerras Secretas?

Acontece que toda a trama de New Avengers Vol. 3 era apenas um prelúdio para as Guerras Secretas de 2015, um evento criado por Jonathan Hickman Esad Ribić. Na trama do evento, uma última Incursão está em pleno andamento, entre o Universo-616 (a realidade principal da Marvel) e o Universo-1610 (o já conhecido Universo Ultimate).

Quando ambos os universos são destruídos nessa Incursão, alguns heróis conseguem zarpar em uma nave e acabam parando no Mundo Bélico construído pelo Doutor Destino. Lá, eles descobrem que o vilão tem poderes totais, por ter roubado os dons de Eternidade – uma entidade cósmica que representa tudo que existe em cada universo. Ele não só é o ser soberano do Mundo Bélico, como também representa tudo que está contido nele.

Assim, começa uma grande batalha entre diferentes versões dos personagens que já conhecemos e amamos para que a(s) realidade(s) possa(m) ser refeita(s) e tudo volte ao normal. Eventualmente, eles conseguem – mas há mudanças bem perceptíveis. Por exemplo, no fim da saga, alguns heróis que pertenciam ao Universo Ultimate, como é o caso de Miles Morales, acabam passando para a Terra-616.

Supondo que as Incursões do MCU funcionem de forma similar aos quadrinhos e provoquem um efeito cascata, nós logo veremos a Terra que acompanhamos durante anos sendo imersa em um desses eventos, o que pode resultar em sua destruição. Junte isso a algumas peças que serão colocadas no tabuleiro em breve – o Quarteto Fantástico e muito provavelmente o Doutor Destino – e temos as Guerras Secretas.

Jonathan Majors como “Aquele que Permanece” em Loki, uma variante de Kang.

Claro, assim como Guerra Civil, Guerra Infinita e até mesmo o Ragnarok, é bem possível que a saga passe por boas modificações para se adequar ao status quo do MCU. A minha maior aposta, ao menos nesse momento, é que em vez de Victor Von Doom, o grande vilão dessa bagunça cósmica será Kang, o Conquistador, coletando várias peças de diferentes universos para criar um à sua imagem.

Isso faz bastante sentido dentro da essência do personagem e de sua adaptação no Universo Cinematográfico da Marvel, que começou a ser introduzida em Loki e logo estará em Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania. O vilão tem um grande papel como inimigo dos Vingadores nos quadrinhos, e se pensarmos que seu alcance vai além da viagem temporal e passa pelos vários Universos, ele daria um vilão formidável em uma adaptação da saga.

Levando em conta que figuras como o Quarteto Fantástico e os X-Men serão introduzidos em breve, é até muito possível que eles sejam inseridos à “Terra-616” do MCU como Miles foi nos quadrinhos: através de terras paralelas que se “fundiram” à principal durante as Guerras Secretas. Isso poderia servir para explicar as origens dos mutantes sem muita dificuldade.

Além disso, é a oportunidade perfeita para fazer aquilo que os fãs mais clamam: a participação de vários heróis que já estiveram em franquias fora do MCU. Desse modo, poderíamos ver o Motoqueiro Fantasma, os mutantes da Fox, o Deadpool e até mesmo a Elektra de Jennifer Garner, se você preferir. Porém, uma coisa é certa: Stephen Strange se meteu em grandes problemas em seu segundo filme solo, e essa com certeza não será a última vez que veremos o Multiverso sendo explorado nessa franquia.

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura está em cartaz nos cinemas.

Abaixo, confira também:

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux