Capa da Publicação

Jogamos Triangle Strategy, um jogo tático para fãs de Game of Thrones

Por Gabriel Mattos

No primeiro Nintendo Direct de 2021, uma das grandes novidades foi o Project Triangle Strategy, o novo RPG tático da Square Enix. Mais conhecida pela série Final Fantasy, a empresa decidiu combinar em seu novo jogo o combate estratégico de Fire Emblem com as maquinações políticas adoradas pelos fãs de Game of Thrones. Mas será que essa mistura realmente funciona?

A gente aproveitou que a demo gratuita já está disponível no Nintendo eShop brasileiro para testar em primeira mão esse grande exclusivo do Nintendo Switch. Conheça tudo sobre Triangle Strategy.

As nações de Triangle Strategy: Glenbrook, Aesfrost e Hizante

Entre Ferro e Sal

Ainda sem título definitivo, o projeto Triangle Strategy se passa no distante continente de Norzelia. O mapa lembra bastante as aberturas de Game of Thrones, o que não é uma coincidência. Tudo foi pensado para potencializar a imersão dos jogadores nos conflitos políticos por recursos e poder, assim como no clássico da HBO.

Três nações vizinhas guerrearam por séculos pelo controle dos elementos essenciais para assegurar poder bélico: sal para as tropas mágicas e ferro para o exército armado. Muitas vidas foram perdidas até que um tratado de paz foi assinado, mas tudo está para mudar.

Há uma grande trama para destronar o regente de Glenbrook, o reino melhor localizado estrategicamente por concentrar as rotas mercantis. Como lorde da Casa Wolffort, você precisará liderar o seu clã pelos tortuosos caminhos da iminente guerra.

Influenciar votos pode salvar a sua casa de uma tragédia.

O poder emana do povo

Para testar ao máximo a capacidade dos jogadores de prepararem estratégias elaboradas, Triangle Strategy decidiu ir além das batalhas. Se você pretende se dar bem, vai precisar aprender a navegar no mundo da política.

As maiores decisões da Casa Wolffort são decididas por votação. Todos os membros da sua equipe têm direito de expressar suas convicções em um processo democrático mais interessante do que parece. Isso porque você pode influenciar os seus votos e é aí que as coisas ficam interessantes.

Para conquistar a maioria, você precisa encontrar maneiras de convencer os seus aliados a votarem a seu favor. O melhor jeito é encontrar provas que fortaleçam seus argumentos e esconder aquelas que podem mostrar que você está errado. A chave é ser estratégico. Afinal, vale tudo na guerra!

Cuidado: uma Casa pode fingir estar do seu lado só para te apunhalar pelas costas

Suas escolhas te definem!

Seus posicionamentos terão desdobramentos muito além do esperado. Decidir ajudar ou abandonar um aliado, como todas as suas decisões no jogo, irá moldar a sua reputação no mundo do jogo. Certos personagens só estarão disponíveis para certos tipos de jogadores.

Se você é uma pessoa mais fria, que pensa sempre nas consequências práticas, seu povo pode te taxar de utilitário. Se você tentar sempre agir de modo correto, mesmo que isso prejudique seu clã, vão te considerar moralista. Mas se você não se curvar, nem quando a situação exigir, será visto como um libertário.

E pela demo, ficou evidente que não há um caminho mais certo que o outro. Há muitos personagens tramando por debaixo dos panos, muita coisa que você pode descobrir com missões secundárias, então o jeito é seguir os seus instintos e saber em quem confiar.

As belas cidades pixeladas só podem ser exploradas antes de votação ou combate

Nostalgia e estratégia

Veteranos irão se encantar com a direção de arte de Triangle Strategy. Seguindo os passos de Octopath Traveler, temos o retorno triunfal de um mundo tridimensional coberto por gráficos pixelados (HD-2D), lembrando bastante a velha guarda dos videogames. Só que dessa vez, tudo parece menor, porém mais focado.

Diferente dos RPGs comuns, não é possível explorar o mapa livremente. Antes de culpar os desenvolvedores, saiba que isso é normal entre os jogos táticos. Os jogadores ficam restritos a conhecer apenas uma pequena fração do mundo — geralmente, só as cidades onde vão acontecer grandes batalhas.

Isso pode frustrar aqueles que esperavam um abundante mundo aberto, mas quem procura um combate profundo com boa narrativa encontrará em Triangle Strategy um prato cheio. O jogo conta com um sistema de energia que, por recarregar a cada turno, te incentiva a sempre atacar com suas melhores armas. Além de pensar nos ataques únicos de cada personagem e na ordem do combate, é essencial estar atento também a seu posicionamento.

Gerenciar distância e altura é a chave nas batalhas.

Os campos de batalha aproveitam todo o potencial de um ambiente 3D. Não só se atentar a distância faz toda diferença, mas a diferença de altura também faz parte do jogo. Um arqueiro consegue mirar bem mais longe se ele estiver alto, por exemplo. Também tem golpes mais efetivos se você pular de um lugar muito alto.

E para melhorar, cada mapa promete trazer estratégias exclusivas com consequências arrebatadoras para o enredo. Você queimaria a sua vila para destruir seus inimigos ou o bem estar de seu clã está acima de tudo? Essas decisões surgem no calor da batalha, mas podem mudar o rumo da narrativa.

A demo traz uma dificuldade elevada para permitir que os jogadores testem diversas estratégias, então não dá para saber com exatidão como será a experiência final.

Assim como Game of Thrones, quem é muito bonzinho acaba morto

Por enquanto, Triangle Strategy não é um jogo para quem está começando. Para os fãs de armações políticas dignas das páginas de George R. R. Martin, pode valer a pena dar uma chance. Mas quem já é fã de jogos táticos como Fire Emblem, X-COM, Into the Breach e Final Fantasy Tatics encontrará no novo jogo da Square Enix um prato cheio para se desafiar.

Triangle Strategy chegará exclusivamente ao Nintendo Switch em 2022.

Fique com:

Imagem de perfil
sobre o autor Gabriel Mattos

Redator que joga mais Switch do que deveria e já leu todo o novo cânone de Star Wars, até os livros ruins. • @gabeverse