Capa da Publicação

Pânico: Novo filme é uma sequência ou um reboot?

Por Gus Fiaux

Uma das maiores franquias de terror de todos os tempos, Pânico está retornando no ano que vem com um novo longa-metragem. A saga criada por Wes Craven já teve quatro filmes e uma série de TV, mas agora estamos vendo um renascer do assassino Ghostface nos cinemas – mas uma pergunta continua circulando na internet: afinal, o novo filme é um reboot ou uma continuação direta dos anteriores?

Recentemente, foi divulgado o primeiro trailer do filme, trazendo algumas respostas para essas perguntas, mas é chegada a hora de especularmos um pouco mais sobre o que esse novo capítulo pode representar na jornada de Sidney Prescott, Dewey Riley Gale Weathers!

O novo Pânico é um reboot ou uma sequência?

Se você viu o trailer, já sabe a resposta: O novo Pânico é uma continuação dos quatro filmes anteriores da saga. Nele, teremos o retorno de Neve Campbell como Sidney Prescott, David Arquette como Dewey Riley e de Courtney Cox no papel de Gale Weathers, todos se reunindo após muitos anos desde seu último confronto contra Ghostface – um manto usado por vários assassinos mascarados ao longo da franquia.

Quem falou sobre isso em entrevista foi um dos diretores, Tyler Gillett. Nas palavras dele: “São filmes sobre legado. Eles são sobre a evolução da cultura pop e do terror. Não dá para criar algo novo sem fazer referência a tudo que veio antes. Então para a gente foi o único jeito de fazer. Conectar ele com o passado e procurar maneiras de atrair fãs novos e antigos da franquia com os novos personagens”.

Confira o trailer abaixo:

Mas uma coisa que muitos não estão deixando passar é o fato de que o novo filme não tem um numeral no título. Em vez de ser Pânico 5, é apenas Pânico, o mesmo título do longa original de 1996. Isso deixou muitos fãs confusos, já que não há algo determinante para entender onde esse filme se encaixa na franquia. Mas pode haver um motivo mais inteligente por essa decisão.

Quando foi criada, a franquia Pânico vinha com a proposta de satirizar e estudar alguns clichês e tropos narrativos do terror. O primeiro filme é uma grande análise do cinema slasher, enquanto o segundo aposta em sequências. O terceiro já fala um pouco mais sobre trilogias e o quarto, à sua maneira, surfa na onda dos reboots remakes que eram populares em sua época de lançamento.

O quinto filme aparentemente vai lidar com as “sequências de legado” – ou seja, quando uma continuação faz referências apenas ao primeiro e ignora todas as continuações que vieram antes. O exemplo mais popular disso é Halloween (2018), filme que ignora todas as continuações da franquia e se liga apenas ao primeiro filme. E aqui já fica nítido: o novo Halloween também usa o título do original, sem ter um numeral ou um subtítulo indicando que é uma continuação.

Mas ele não é o único a seguir essa tendência. Neste ano, tivemos A Lenda de Candyman, filme que resgata uma das franquias mais subestimadas dos anos 90. Embora tenha esse título encorpado no Brasil, o nome original do longa é Candyman – o mesmo título do original de 1992. No próprio trailer do novo Pânico, temos várias pistas de como isso pode estar sendo aplicado ao novo filme.

Qual é a história do novo Pânico?

A história do novo Pânico ainda é uma incógnita, uma vez que a sinopse divulgada não dá muitos detalhes sobre o que podemos esperar da trama. Nela, lemos o seguinte:

“Vinte e cinco anos depois que uma sequência de assassinatos brutais chocou a pequena cidade de Woodsboro, um novo assassino tomou o manto do Ghostface e colocou seu alvo em um grupo de adolescentes, tudo isso para ressuscitar segredos do passado mortal da cidade.”

Porém, o trailer dá a entender mais coisa disso tudo. Nós podemos ver Dewey Riley convocando Sidney Prescott depois que a onda de assassinatos começa, quase como um apelo para que ela possa vir e ajudar a solucionar esses crimes brutais. Ao que tudo indica, ela não será o alvo inicial do Ghostface – ou então, tudo não passa de uma forma de atrair a mulher para que possa revisitar seu passado.

Ao que tudo indica, o cerne da história vai seguir novos personagens e trabalhar a conexão deles com a “primeira geração” da franquia. Porém, uma cena do trailer chama bastante atenção, quando é dito que os novos crimes estão ligados aos “assassinos originais” – ou seja, Billy Loomis Stu Macher, os vilões do primeiro filme. O que isso significa ainda é um enigma, mas há quem creia que Stu possa estar por trás da máscara do Ghostface novamente…

Quem está por trás do novo Pânico?

Pânico 4 é um filme muito emocional para os fãs não apenas por ter sido o novo capítulo da saga mais de dez anos depois de seu antecessor, mas também por ter sido o último filme dirigido pelo criador da franquia, Wes Craven, antes de seu falecimento em 2015. Por conta disso, o novo longa conta com uma dupla de novos diretores que estão ganhando notoriedade entre os fãs de horror.

Tyler Gillett Matt Bettinelli-Olpin assumiram o volante da saga. A dupla já trabalhou junta em incontáveis filmes de terror, dentre os quais os mais famosos são as antologias V/H/S Southbound e também o horror sobrenatural O Herdeiro do Diabo. Seu último filme, no entanto, é o mais digno de nota e aplausos, e muito provavelmente é o longa que os consagrou como diretores ideais para dar continuidade a Pânico. 

Em 2019, eles lançaram Casamento Sangrento (ou, no original, Ready Or Not), um filme onde uma mulher recém-casada precisa fugir da família de seu marido, que decide embarcar em um jogo mortal de esconde-esconde. Protagonizado por Samara Weaving, o filme recebeu inúmeros elogios e se tornou um dos queridinhos dos últimos anos.

Agora, Tyler e Matt serão diretores de Pânico, com um roteiro escrito por James Vanderbilt (O Espetacular Homem-Aranha, Zodíaco) Guy Busick (Casamento Sangrento, Castle Rock). O filme está previsto para chegar aos cinemas em janeiro de 2022.

Pânico estreia em 14 de janeiro de 2022.

Abaixo, confira todos os filmes de Pânico, ranqueados do pior ao melhor:

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux