Morbius: Em que universo da Marvel se passa o filme?

Capa da Publicação

Morbius: Em que universo da Marvel se passa o filme?

Por Arthur Eloi

Depois de WandaVision, Loki e com o vindouro Homem-Aranha: Sem Volta para Casa, o Universo Cinematográfico da Marvel está prestes a passar por uma crise no Multiverso. Essa situação é tão séria que, inclusive, até afetou o Universo Marvel da Sony, como deixou claro a cena pós-créditos de Venom: Tempo de Carnificina.

No meio de toda essa bagunça, é normal se perguntar onde as futuras obras vão se encaixar, mas nenhuma está desafiando explicações que nem Morbius. Com poucos materiais divulgados até então, os trailer do filme do vampiro vivido por Jared Leto deixaram várias pistas contraditórias.

Em qual universo da Marvel se passa Morbius?

A lógica aponta que Morbius joga pelo time da Sony Pictures. A empresa é dona dos direitos do Homem-Aranha, e parte do seu acordo com a Marvel Studios indica que todos os personagens que foram criados dentro das HQs do Teioso estão sob o seu domínio.

Michael Morbius, o cientista que se torna uma espécie de vampiro mutante, se enquadra certinho nisso. O personagem foi inicialmente apresentado nas páginas de O Espetacular Homem-Aranha #101, HQ lançada nos Estados Unidos em outubro de 1971. Junte isso ao fato de que a produção é da Sony Pictures que a resposta fica bem clara.

Resolvido? Não.

Morbius pode estar no MCU?

Essa dúvida não é tão absurda, e surgiu por conta da divulgação do longa. A primeira prévia que saiu surpreendeu quando o Abutre (Michael Keaton), vilão de Homem-Aranha: De Volta ao Lar (2016), aparece se encontrando com Morbius. O filme do Teioso é fruto da parceria entre a Sony e a Marvel Studios, e faz parte do Universo Cinematográfico da Marvel, tendo até participação de Tony Stark (Robert Downey Jr.) e Happy Hogan (Jon Favreau).

Já o primeiro trailer completo não veio para se explicar, e sim para confundir. Como uma piadinha durante os momentos finais da prévia, uma das vítimas de Morbius pergunta a identidade do vampiro, ao qual ele responde: “Eu sou Venom”. É um alívio cômico, claro, mas um que demonstra que o cientista está no mesmo universo que o simbionte de Eddie Brock (Tom Hardy).

Esse fato não choca, já que o Venom é o maior representante do Universo Marvel da Sony, mas cria certas contradições com o que foi estabelecido no teaser inicial, e até mesmo na cena pós-créditos de Tempo de Carnificina, em que o Protetor Letal é “transportado” ao Universo Cinematográfico da Marvel. De alguma forma, Morbius existe justo na fronteira entre esses dois universos.

Há ainda easter eggs que só bagunçaram mais a cabeça daqueles que se preocupam com a continuidade. Nas cenas que mostram o jornal Clarim Diário (que, no MCU, é um programa de internet), é possível ler notícias sobre a Gata Negra. Já em outro momento, um grafite do Homem-Aranha de Tobey Maguire pode ser avistado nas paredes.

Aliás, por conta da imagem do Homem-Aranha de Tobey Maguire, do Clarim Diário com logotipo clássico, e fotos de bastidores que apontam para um estranho desaparecimento do Teioso, há ainda a teoria de que o longa existe dentro de um outro universo: o dos filmes de Sam Raimi, que não é desenvolvido há 14 anos, desde Homem-Aranha 3 (2007). A conclusão da trilogia, inclusive, teve a introdução de sua (lamentável) versão do Venom, o que também poderia explicar a referência de Michael Morbius no trailer.

Sim, ali no fundo é o Homem-Aranha de Tobey Maguire

Se a Marvel está prestes a entrar em uma crise dos multiversos, ela já acontece em Morbius. Na verdade, essa pode ser justamente a explicação. É certo que Homem-Aranha: Sem Volta para Casa vai bagunçar todo o tabuleiro, e ainda não dá para prever como as peças ficarão posicionadas quando chegar a vez do filme do vampiro.

As primeiras explicações chegam em breve, quando Sem Volta para Casa estrear nos cinemas em 16 de dezembro. Já Morbius só dá as caras nas telonas no início de 2022.

Aproveite e confira:

Imagem de perfil
sobre o autor Arthur Eloi

Repórter entusiasta de filmes ruins, jogos de tiro e de horror em todas as suas formas. Dá notas duvidosas para obras questionáveis • @ArthurEloi117