Capa da Publicação

Sam Raimi: Do terror aos super-heróis

- – Mestre do horror e do heroísmo! 

Por Guilherme Souza Nesta semana, recebemos a surpreendente notícia de que Sam Raimi está em negociações para assumir a direção de Doutor Estranho 2. A notícia foi recebida com frisson pelos fãs de cultura pop, principalmente por Raimi ter dirigido dois dos filmes mais queridos do Homem-Aranha. Acontece que além de seu histórico com os super-heróis, o cineasta é famoso por seu trabalho nos filmes de terror, e hoje, iremos falar um pouco sobre a vida e a carreira de Raimi. 

A Origem

Nascido em Michigan no ano de 1959, Raimi vem de uma família conservadora de judeus, tendo feito seus primeiros contatos com a produção de filmes em sua adolescência, tornando-se um membro de um círculo de diretores e amadores na região de Detroit, tendo seu irmão, Ted, e o ator Bruce Campbell como seus companheiros. 

Veja também:

Rachel McAdams não irá participar de Doutor Estranho 2

Barão Mordo pode retornar em Doutor Estranho 2, diz site

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura pode apresentar versões alternativas dos heróis Marvel

Em 1977, ao se matricular na Universidade Estadual de Michigan, Raimi produziu filmes como The Happy Valley Kid e It’s Murder, que serviram para abrir algumas portas profissionais ao cineasta, permitindo que ele executasse o curta-metragem Within the Woods, que serviu como um ensaio para Uma Noite Alucinante: A Morte do Demônio, longa que lançaria o nome de Raimi ao estrelato. 

A carreira 

Com Uma Noite Alucinante, Raimi criou um dos filmes de terror mais influentes de todos os tempos, principalmente por seu estilo de câmera “tremido”, que mostrava a cena sob a perspectiva de um personagem ou objeto, algo que se tornou extremamente replicado em produções posteriores. 

O sucesso do filme foi tanto que Raimi conseguiu produzir uma trilogia, impulsionando ainda mais sua popularidade na indústria. Em 1990, o cineasta teve seu primeiro contato com os super-heróis ao adaptar a HQ Darkman – Vingança Sem Rosto

Anos mais tarde, Raimi decidiu mudar sua estética de direção ao dirigir o thriller policial Um Plano Simples, que inclusive foi indicado ao Oscar nas categorias de “Melhor Roteiro Adaptado” e “Melhor Ator Coadjuvante”. A mudança continuou com o filme Por Amor, mas desta vez, o cineasta não teve tanto êxito com a crítica. 

O maior sucesso da carreira de Raimi veio com a direção do Homem-Aranha de 2002, um filme que mudou para sempre o cenário de adaptações baseadas em histórias em quadrinhos e que gerou uma das franquias mais queridas pelos fãs do teioso. Ao retirar diversos elementos dos quadrinhos e transportá-los para as telonas com uma estética única e mais realista, Raimi se tornou um dos queridinhos dos fãs e um precursor da atual leva de filmes baseados em quadrinhos. 

O sucesso ficou ainda maior com a sequência lançada em 2004, que resultou em um dos filmes mais aclamados dessa vertente e considerado por muitos como o melhor filme de super-heróis já feito até hoje. Infelizmente, o cineasta teve de lidar com a interferência do estúdio do terceiro filme, algo que acabou se refletindo na qualidade do mesmo. 

Em 2009, o cineasta decidiu voltar às suas origens no terror, dirigindo o remake aterrorizante de Arraste-me Para o Inferno. Vale também ressaltar o trabalho dele como diretor em Oz: Mágico e Poderoso, um prelúdio para a clássica história do Mágico de Oz, que foi um verdadeiro sucesso de bilheterias, mesmo não sendo tão bem-aceito pela crítica. 

Além de seu trabalho nos cinemas, Raimi também atuou como produtor de séries populares dos anos 90, tais como Hércules e Xena, participando também da produção dos filmes baseados nessas séries, bem como em outras séries, incluindo O Jovem Hércules e Spartacus

O Futuro 

O Fato de Raimi estar sendo cotado para dirigir o segundo filme do Doutor Estranho diz muito sobre o projeto, que durante seu anúncio na San Diego Comic-Con 2019, foi descrito como “o primeiro filme de terror do MCU.” Considerando que a classificação indicativa dos filmes do Marvel Studios não permite produções sangrentas e extremamente violentas, é óbvio que não veremos o terror clássico de Raimi em tela, mas ainda assim, a experiência dele com esse tipo de filme, bem como com filmes de super-heróis, permitirão que ele crie uma obra balanceada e que vá até o limite da classificação etária, resultando em algo assustador e sombrio sem fugir do padrão. 

Além disso, devemos levar em conta que, diferentemente de Scott Derrickson, diretor do primeiro filme do Mago Supremo e que abandonou a sequência, Raimi é um diretor de mais bagagem e respeitado na indústria, sendo assim, ele conseguirá impor mais sua visão no projeto, não ficando totalmente amarrado nas imposições do estúdio ou dos produtores.

Fique com nossa lista:

Imagem de perfil
sobre o autor Guilherme Souza

Outra grande manchete: 'Água, molhada!'