Capa da Publicação

Dragon Ball Super explica por que Vegeta odeia fusões

Por Raphael Martins

Em alguns dos momentos mais críticos da saga Dragon Ball, enfrentando inimigos que poderiam acabar com a vida em todo o universo, Vegeta precisou se fundir à Goku para poder fazer frente a esses vilões. Mas sempre deixou claro odiar fazer isso com todas as forças.

Veja também:

Moro ganha novo visual em Dragon Ball Super, veja

Dragon Ball Super: Mangá explica verdadeira razão pela qual Vegeta quer derrotar Moro

Vegeta utiliza nova técnica poderosa no mangá de Dragon Ball

Seja com os brincos Potara para formar Vegetto ou através da dança para formar Gogeta, o príncipe dos saiyajins se mostrava ser radicalmente contra a ideia de se fundir a outro ser, mesmo que fosse ficar mais poderoso com isso. Mas para deter adversários como Majin Buu, Janemba e Broly, não tinha outro jeito.

Foi só agora, no mangá de Dragon Ball Super (via ComicBook), que ele justificou seu desprezo pelas técnicas de fusão. Isso se dá durante o capítulo 61, enquanto ele enfrenta Moro em sua nova e mais poderosa forma.

Tendo voltado do planeta Yardrat tendo aprendido novas técnicas, como a do teletransporte e a de separar seres fundidos, Vegeta se mostra um adversário à altura de Moro, que finalmente começa a ver seus planos de vingança ruírem. Durante a luta, Vegeta confessa:

“Para ser honesto, isso nunca me pareceu certo. Absorção, fusão, tudo isso… isso não reflete o poder inerente de alguém. Tudo o que eu quero é uma luta justa!”

Ao dizer essas palavras, Vegeta mostra que sempre odiou as técnicas de fusão não porque não gosta de Goku, mas porque não considera essa uma forma justa de lutar. No fim das contas, para ele era uma questão de honra, algo esperado do orgulhoso príncipe dos saiyajins.

Confira nossa lista de curiosidades sobre Gogeta aqui embaixo:

Imagem de perfil
sobre o autor Raphael Martins

Redator, apresentador e roteirista. Gosto de longas caminhadas na praia, Star Wars, tokusatsu, anime e filé com batata frita. Deixo as pessoas constrangidas. Você pode trocar uma ideia comigo no Twitter: @aqueleraphael