Capa da Publicação

Super Campeões: 10 curiosidades sobre o anime de futebol

Por Raphael Martins

Captain Tsubasa, mais conhecido como Super Campeões no Brasil, fez bastante sucesso quando passou por aqui nos anos 90, mas estourou mais ainda no Japão na década de 80, quando o mangá começou a ser publicado. A saga de Oozora Tsubasa, Genzo Wakabayashi, Kojiro Hyuga e os outros personagens causaram uma verdadeira febre no país, inspirando muitos jogadores profissionais ao longo dos anos.

Nessa lista, reunimos algumas curiosidades sobre a obra de Yoichi Takahashi, que continua encantando crianças e adultos até os dias de hoje. Entre em campo e não se esqueça: a bola é sua amiga!

Imagem de capa do item

O mangá

Escrito e desenhado por Yoichi Takahashi, Captain Tsubasa começou a ser publicado em 1981 na famosa antologia Shonen Jump, casa de grandes sucessos como Dragon Ball, Cavaleiros do Zodíaco, Naruto, Bleach e muitos outros.

O mangá original durou 37 volumes, terminando sua publicação em 1988, mas este não foi o fim. Takahashi escreveu nada menos que cinco continuações, a última delas durando seis volumes e acabando em 2012. O cara ama mesmo o que faz!

Os Animes

Dois anos depois do início do mangá, em 1983, surgia a primeira adaptação para anime, produzida pelo estúdio Tsuchida Pro rendendo nada menos que 128 episódios e quatro filmes para o cinema.

Depois, veio Captain Tsubasa J, Captain Tsubasa: Road to 2002 e a adaptação de 2018, que se chamava simplesmente Captain Tsubasa, além de dois especiais lançados diretamente para o mercado de home video, os famosos OVAs.

Imagem de capa do item

Tsubasa são-paulino

Durante toda a primeira fase do mangá, que mostrava a infância e início da adolescência de Tsubasa, o menino tinha o grande sonho de vir para o Brasil jogar bola. Ele não só consegue como ainda é contratado por um dos maiores times do país.

O ás japonês passa a defender o São Paulo Futebol Clube durante uma fase inteira da obra, chegando inclusive a vencer o Flamengo na final do extinto Torneio Rio-São Paulo. Os são-paulinos tem do que se orgulhar!

Imagem de capa do item

Nomes trocados

Por conta de problemas de direitos autorais, vários times da vida real precisaram ter seus nomes trocados nos animes mais atuais baseados na obra. O São Paulo, por exemplo, virou Brancos, enquanto o Flamengo passou a se chamar Domingos.

Os nomes dos personagens também foram afetados em outros países do mundo, como o Brasil. Aqui, Oozora Tsubasa ficou Oliver Tsubasa, Genzo Wakabayashi virou Benji Wakabayashi, e Kojiro Hyuga por vezes era chamado de Kojiro Huega, dependendo do episódio. A dublagem de Road to 2002 é particularmente bagunçada, com os jogadores mudando de nome a cada 10 episódios.

Peça de teatro

No Japão, é muito comum que animes populares recebam as chamadas stage plays, peças teatrais que adaptam a obra ou contam histórias totalmente novas com os personagens. E Captain Tsubasa teve um para chamar de seu.

Intitulada Super Experience Stage Captain Tsubasa, a peça apresentava um musical estrelado por Tsubasa, Misaki e os outros, ficando em cartaz entre 18 de agosto e 3 de setembro de 2017. Vai dizer que não bateu a curiosidade de dar aquele confere?

Tradição também nos games

Esqueça Fifa, Pro Evolution Soccer, International Superstar Soccer e afins: Captain Tsubasa também é uma das séries de futebol mais antigas e tradicionais dos games, com títulos sendo lançados desde a época do Nintendo 8 bits!

Até hoje, foram dezoito jogos baseados na franquia, se estendendo por diversos consoles ao longo dos anos. O mais novo deles é Captain Tsubasa: Rise of New Champions, lançado para PlayStation 4, Switch e PC em 2020.

Imagem de capa do item

Febre e legado

Super Campeões fez bastante sucesso aqui no Brasil, mas ele nem se compara com o que a série fez pelo futebol no Japão. Quando o mangá e o anime estavam no auge, ainda nos anos 80, milhões de crianças e adolescentes foram às escolinhas de futebol inspirados pelos personagens, popularizando ainda mais o esporte no país.

Há estátuas dos personagens da série em várias cidades do Japão, inclusive no colégio Minami Katsushika, onde o autor Yoichi Takahashi estudou e que o inspirou na hora de criar o Nankatsu Futebol Clube, primeiro time em que Tsubasa jogou. Muitos jogadores da atual geração de futebol japonesa disseram que se inspiraram em Super Campeões.

Nas olimpíadas

A próxima edição dos Jogos Olímpicos será sediada em Tóquio, e Captain Tsubasa não poderia ser esquecido. E nem foi: tanto Tsubasa quanto Misaki aparecem no trailer do evento, que foi ao ar durante a cerimônia de encerramento das Olimpíadas do Rio, em 2016.

Além disso, a bola oficial que será usada nos jogos de futebol do evento é inspirada no mangá, contendo uma ilustração do protagonista feita por seu criador. Alguém aí ainda duvida da força da série?

E no Brasil?

Por aqui, a história de Super Campeões também é de muito sucesso. O Brasil conheceu a obra a partir do anime Captain Tsubasa J, que foi exibido pela Rede Manchete em 1997 e é visto como um dos grandes clássicos da emissora.

Além dele, Captain Tsubasa: Road to 2002 e a versão 2018 de Captain Tsubasa também chegaram por aqui, ambos exibidos via Cartoon Network. O anime mais atual, aliás, está disponível no Amazon Prime Vídeo até o episódio 25.

Imagem de capa do item

Menino Ney

Yoichi Takahashi, autor do mangá, é um grande fã do futebol brasileiro desde a época de Zico, que fez história na terra do sol nascente por sua participação na popularização do esporte por lá. Ele já visitou nosso país várias vezes e é um torcedor declarado do São Paulo Futebol Clube, motivo pelo qual fez o herói da história jogar no time.

Ele tem inclusive um jogador brasileiro preferido: Neymar Jr., a quem homenageou recentemente lhe dando de presente uma ilustração feita por ele mostrando como seria o menino Ney no mundo de Captain Tsubasa. O jogador, aliás, nunca escondeu que é um grande fã da série.

Imagem de perfil
Raphael Martins

Redator, apresentador e roteirista. Gosto de longas caminhadas na praia, Star Wars, tokusatsu, anime e filé com batata frita. Deixo as pessoas constrangidas. Você pode trocar uma ideia comigo no Twitter: @aqueleraphael