Capa da Publicação

10 piores escolhas de atores para o Universo Estendido da DC Comics!

Por Gus Fiaux

• Confira também as 10 melhores escolhas de atores para o Universo Estendido da DC Comics!

Até o momento, os fãs são bem divididos em relação ao Universo Estendido da DC Comics. Há quem ame fortemente todas as produções e há quem desgoste amargamente de alguns lançamentos. Porém, a franquia sempre nos trouxe escolhas intrigantes para o elenco de seus filmes.

No entanto, nem sempre essas escolhas se provaram certas. Alguns atores, por mais conceituados e talentosos que sejam – outros nem tanto – não conseguiram mandar bem com o roteiro que tinham em mãos. Assim sendo, aqui estamos relembrando as 10 piores escolhas de elenco para o Universo Estendido da DC Comics!

Lembrando que esta lista não se propõe a definir quais atores são ruins e quais não possuem capacidade de atuação – o ponto é lembrar de atores que não se encaixaram bem no papel em que foram escalados. 

Créditos: Warner Bros.

Imagem de capa do item

Kevin Costner como Jonathan Kent

Kevin Costner é um ator cuja carreira é composta de altos e baixos. Ele já participou de algumas produções fantásticas, onde foi muito elogiado por sua interpretação, mas também já foi muito criticado por alguns papéis sem personalidade. E esse certamente é o caso do Jonathan Kent.

Pai adotivo do Superman, apresentado em Homem de Aço, o personagem é bem diferente de sua fonte nos quadrinhos. No entanto, o maior problema é que a atuação de Costner é monotônica e não permite que o público tenha empatia por alguém tão importante na vida de Clark Kent.

Imagem de capa do item

Ezra Miller como Flash (Barry Allen)

De todos os desta lista, Ezra Miller é um dos únicos que realmente não garante uma atuação afetada ou prejudicada pelo roteiro. Na verdade, o ator foi um dos pontos altos de Liga da Justiça. O problema é que ele está interpretando o Flash errado - e não tem nada a ver com sua aparência.

O Velocista Escarlate representado no filme da equipe é Barry Allen, mas a interpretação de Miller está bem mais próxima de Wally West, o sucessor de Allen nas HQs. Suas excentricidades e seu papel como alívio cômico cairia bem melhor caso o astro tivesse sido escalado como Wally.

Imagem de capa do item

Will Smith como Pistoleiro

Embora Will Smith não seja um ator ruim - e já tenha nos apresentado isso diversas vezes, em filmes como À Procura da Felicidade e Eu Sou a Lenda -, ele é conhecido por ser tão chegado aos holofotes que isso acaba interferindo na produção dos filmes em que participa.

Sua versão do Pistoleiro é pintada como um herói incompreendido - e isso toma um tempo considerável do filme, desviando de temas mais importantes como a missão principal da equipe ou o relacionamento da Arlequina e do Coringa. Felizmente, parecem ter desistido da ideia de dar filme solo ao personagem.

Imagem de capa do item

Joel Kinnaman como Rick Flag

Ainda falando no desastre que é Esquadrão Suicida, o elenco até possui alguns nomes interessantes que mandam bem nos seus papeis - mas esse está longe de ser o caso de Joel Kinnaman, que interpreta Rick Flag, um "supervisor tático" da equipe.

Kinnaman passa a maior parte do filme sendo inexpressivo e com diálogos compostos apenas por frases de efeito. Para piorar, sua relação com a Dra. June Moone é forçada ao extremo, e ele possui nenhuma química com Cara Delevingne. Isso nos fez ficar curiosos sobre como teria sido a versão de Tom Hardy para o papel...

Imagem de capa do item

Cara Delevingne como Magia

Aliás, falando nela, a Magia não poderia estar de fora desta lista. Cara Delevingne pode ser uma modelo excepcional e uma ativista muito importante, mas como atriz, sua carreira continua uma incógnita. Aqui, ela até se esforça, mas não consegue passar a ameaça da vilã de Esquadrão Suicida.

Como a deusa pagã que toma conta de uma hospedeira humana, ela até manda bem porque seu papel não exige muito, mas sua participação como June Moone é completamente artificial e sem-vida. O que torna tudo isso ainda pior é a personagem ter sido jogada para escanteio no filme em que deveria ser a ameaça principal.

Imagem de capa do item

Ciarán Hinds como Lobo da Estepe

Quem acompanha o cinema britânico sabe que Ciarán Hinds é um ator de peso, tendo participado de grandes obras ao longo de sua marcante carreira. No entanto, não podemos deixar de sentir que sua escalação em Liga da Justiça não foi uma boa ideia...

O problema aqui é que a atuação de Hinds mal conta em cena, já que ele é engolido pelo CGI e pela modificação eletrônica de voz. Qualquer dublê poderia ter feito o papel e não sairia de uma forma muito diferente, uma vez que o vilão é uma das coisas mais intragáveis do filme da equipe.

Imagem de capa do item

David Thewlis como Ares

Muitos consideram, até hoje, Mulher-Maravilha como sendo o melhor filme do Universo Estendido da DC Comics. No entanto, não há como negar que o ponto mais fraco do longa de origem da heroína é o núcleo de vilões, a começar por David Thewlis como Ares - que, a princípio, está disfarçado.

Thewlis é um ótimo ator, que já provou seu lugar no cinema blockbuster após ter vivido Remo Lupin na saga de Harry Potter. Aqui, no entanto, todo o talento do ator é desperdiçado em um papel raso e que, apesar de conter uma grande reviravolta, só se sustenta na base de frases clichês de super-vilões.

Imagem de capa do item

Danny Huston como General Ludendorff

Uma figura que existiu na vida real, o General Ludendorff ganhou uma repaginada fictícia para se encaixar na história da Primeira Guerra Mundial retratada em Mulher-Maravilha. Para isso, ele foi interpretado por Danny Huston, que já é familiar com universos de super-heróis graças a X-Men Origens: Wolverine.

No entanto, o personagem consegue ser tão desinteressante e superficial que não atrai nem pelas suas habilidades - que são sempre acompanhadas de efeitos visuais sofríveis. Mais um bom ator prejudicado por pequenas falhas em um roteiro.

Imagem de capa do item

Jesse Eisenberg como Lex Luthor

Embora Jesse Eisenberg tenha feito bons filmes ao longo de sua carreira nos cinemas - como Zumbilândia e A Rede Social -, muitos críticos já determinaram um elemento em comum em todos os seus papéis: ele sempre está interpretando a ele mesmo, sem criar personagens novos do nada.

Isso é extremamente sentido em Batman vs Superman: A Origem da Justiça, onde o ator foi escolhido para viver Lex Luthor. Com sua performance afetada e completamente desgastada, ele não conseguiu passar a soberania do vilão, deixando o público apenas com vergonha alheia.

Imagem de capa do item

Jared Leto como Coringa

Em primeiríssimo lugar, está um memorando de como não devemos nos deixar levar por expectativas e marketing. Mesmo com um visual que não agradou muito os fãs, a princípio, o Coringa de Jared Leto prometia ser algo memorável, principalmente após as várias notícias do "método" de interpretação do ator.

No fim, tivemos uma participação devastada por uma péssima montagem - e ainda assim, o que sobrou não fez com que os fãs aprovassem Leto no papel. Após a brilhante interpretação de Heath Ledger em Batman: O Cavaleiro das Trevas, o Coringa de Leto é simplesmente vergonhoso.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux