Thor 2: Marvel vetou Hela como vilã por motivo polêmico

Capa da Publicação

Thor 2: Marvel vetou Hela como vilã por motivo polêmico

Por Gus Fiaux

Universo Cinematográfico da Marvel está onde chegou depois de muito sangue, suor e lágrimas depositados pelos cineastas e por Kevin Feige na construção desse projeto ambicioso – e isso inclui várias batalhas pelo caminho, até mesmo com a Marvel Entertainment. Ao longo dos anos, tivemos notícias de vários casos de interferência silenciosa da “empresa-mãe” na Marvel Studios, e agora temos outra informação relacionada a Thor: O Mundo Sombrio.

No recém-publicado livro The Story of Marvel Studios: The Making of the Marvel Cinematic Universe, o produtor Craig Kyle comentou sobre uma decisão que foi “vetada” pelo comitê criativo da Marvel Entertainment – nos planos originais, Hela seria a vilã do filme, mas acabou sendo deixada de lado e só fez sua estreia na franquia em 2017, com Thor: Ragnarok.

De acordo com Kyle: “Inicialmente, nós colocaríamos a Hela… Ela estava nos primeiros documentos da história de Don Payne”. O livro então revela que a decisão de cortar a vilã foi baseada na ideia de que “mulheres não vendiam bonecos” e, portanto, a personagem foi descartada da sequência e substituída por Malekith e todo seu exército de Elfos Negros.

Decisão similar foi tomada em Homem de Ferro 3, já que Maya Hansen (vivida por Rebecca Hall) seria a vilã original do filme, mas a Marvel vetou a ideia por medo de não vender bonecos.

Essa decisão não é surpreendente, já que a própria Marvel Entertainment havia feito algo parecido com Homem de Ferro 3 – nos rascunhos originais, a vilã do filme seria Maya Hansen, uma ex-namorada de Tony Stark vivida por Rebecca Hall. Contudo, a personagem acabou se tornando uma coadjuvante menor dentro do filme, e os vilões foram escolhidos como o “Mandarim”Aldrich Killian.

Mais do que isso, essa “mentalidade” foi, por exemplo, o que impediu a Viúva Negra de ter um filme solo até 2021, já que o comitê criativo da Marvel acreditava que personagens femininas não eram “rentáveis” – decisão machista que já foi bem criticada ao longo dos anos. As ordens vieram de Ike Perlmutter, que supervisionava todo o comitê da Marvel Entertainment e propunha mudanças nos filmes da Marvel Studios.

Por conta dessa decisão, o vilão do filme foi definido como Malekith, um Elfo Negro que domina um exército e estava em busca do Éter – a Joia da Realidade.

Como foi revelado no mesmo livro, o “rompimento” da Entertainment e da Studios só se deu anos depois, após uma série de discussões envolvendo Capitão América: Guerra Civil. A partir daí, Kevin Feige passou a ter uma maior autonomia para lidar com os personagens e os filmes do MCU, já que devia responder apenas à Disney e não mais ao comitê de Ike Perlmutter.

Foi então que, em 2017, Hela foi apresentada no Universo Cinematográfico da Marvel em Thor: Ragnarok, de Taika Waititi. No filme, a personagem é introduzida como uma filha de Odin que foi “expulsa” por sua violência e passou anos exilada, antes de retornar após a morte de seu pai e começar um novo reinado de trevas em Asgard.

Thor: O Mundo Sombrio está disponível em DVD, Blu-Ray e mídias digitais, além de estar no Disney+!

Abaixo, veja também:

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux