Preview: Babylon’s Fall, futuro jogo da Square Enix, acaba tropeçando em suas promessas

Capa da Publicação

Preview: Babylon’s Fall, futuro jogo da Square Enix, acaba tropeçando em suas promessas

Por Gabriel Mattos

Quando saiu a notícia de que a Square Enix produziria um novo jogo exclusivo para as plataformas PlayStation, você pode imaginar que a comunidade gamer arregalou os olhos. Ainda mais por não se tratar de outro Final Fantasy, mas sim de uma nova franquia do estúdio de Bayonetta, a PlatinumGames. Com um pedigree de respeito, Babylon’s Fall tinha tudo para dar certo. Mas bastaram poucos minutos com a beta fechada do game, que a Legião teve o privilégio de acessar, para perceber que o que parecia o início de um sonho, acabou dando muito errado.

Na prática, Babylon’s Fall é um hack’n’slash online para quatro jogadores com leve influência de RPGs. O objetivo é enfrentar e sobreviver a dezenas de hordas de monstros nada originais junto de seus aliados, com acesso a um pequeno arsenal de armas que pode ser encontrado dentro das masmorras. E, pelo que foi mostrado no teste, é apenas isso. Lembra um pouco o que foi feito em Dungeon & Dragons: Dark Alliance, mas de um jeito menos empolgante.

As masmorras são apenas uma sequência de corredores com algumas salas mais amplas, onde acontece a maioria dos combates. Não há um grande estimulo para exploração, nem mesmo visual. Com texturas pobres e modelos esquecíveis, nenhum dos cenários causou uma forte impressão. Quem esperar qualquer coisa próxima da atmosfera profunda e encantadora, vista em títulos como Final Fantasy, vai sair deveras decepcionado.

As próprias batalhas, que são a única atividade interessante da experiência, não são lá essas coisas. Há um rico arsenal de armas que pode ser trocado em um piscar de olhos, isso é inegável. Mas em combate, não há uma que brilhe os olhos. Até as mais leves, parecem desproporcionalmente pesadas. E caso você ouse encarar uma dungeon sozinho, sem a ajuda de amigos, prepare-se para gastar um bom tempo, porque os inimigos são verdadeiras esponjas de dano.

Enfrentar os inimigos em grupo é caótico

O balanceamento atual dos inimigos, que pode ser mudado até a versão final, simplesmente não funciona. A dificuldade vem apenas da resistência a dano dos adversários, não sua inteligência, força ou padrões interessantes de ataque. O único jeito de melhorar suas chances, quando jogando sozinho, é dominando o simplório sistema de esquiva perfeita, que marcou tanto títulos da Platinum como Bayonetta e Astral Chain. Mas dessa vez, não espere nada além de um contra-ataque levemente mais forte, que pode mandar seu inimigo para longe, trazendo algum respiro.

Com aliados, a situação fica mais fácil, mas não necessariamente mais divertida. Com quatro pessoas, os inimigos não são exatamente um desafio. As batalhas se tornam um simples apertar de botões, visto que o refinado sistema de combos de outros títulos do estúdio foi simplificado ao máximo em prol de uma barra de energia que atrapalha o ritmo das lutas. Um sistema acaba canibalizando o outro, resultando em uma experiência confusa e sem vida.

Nem mesmo o visual conseguiu trazer um pouco de originalidade ou impacto ao jogo. Além de trazer modelos e texturas muito aquém do esperado para algo que estava rodando em um PlayStation 5, todos ambientes de Babylon’s Fall são mergulhados em um filtro em sépia que apaga o pouco brilho que jogo poderia ter. Parece que a direção de arte continua estagnada no início da geração PlayStation 3/Xbox 360, o que é uma pena, porque poderia ser o ponto em que o jogo encontra sua redenção.

Inimigos da beta são variações de armaduras

O ponto mais positivo que foi entregue nesta, que é a terceira versão de beta fechada, é o sistema de loot. Já nesta demonstração, há uma variedade interessante de armas e, apesar de ainda não ter ficado muito claro o quanto essas variações podem modificar o gameplay, há um potencial para ser algo bem notável. Assim como a história, que também não está presente na demo. O máximo que pode ser visto é uma breve descrição de cada raça, que trouxe um gostinho de quero mais.

Ainda sem previsão de lançamento, Babylon’s Fall pode ser um título interessante caso os desenvolvedores tenham a sensatez de refinar todos os seus sistemas com o tempo que for necessário. O título não está nem perto de ser concluído e, no estado que foi entregue, não deveria nem ter entrado em testes públicos.

O último trailer divulgado este ano, durante a E3 de junho, traz uma fagulha de esperança de que alguns problemas podem ser consertados com o tempo. Os cenários parecem mais diversos, na prévia, e a história intriga o suficiente para me motivar a dar mais uma chance no futuro. Mas o combate, que deveria ser o carro-chefe de Babylon’s Fall, precisa ser revisto em seu nível mais básico caso queiram evitar um lançamento catastrófico.

Babylon’s Fall chegará para PC, PlayStation 4 e PlayStation 5 no futuro. Será que o resultado final vai surpreender? Não deixe de comentar!

Fique com:

Imagem de perfil
sobre o autor Gabriel Mattos

Editor, repórter correspondente de Wakanda, caçando Pokémon por onde eu vou! Sempre nas lives da Legião! • @gabeverse