Capa da Publicação

Loki: Entenda o plano deixado em aberto no final do segundo episódio

Por Camila Sousa

Atenção: Alerta de Spoilers!

O segundo episódio de Loki chegou ao Disney+ e teve um desfecho impactante para os fãs. Além da revelação da identidade da variante, interpretada por Sophia Di Martino, o capítulo também deu o pontapé inicial ao que deve ser o tema principal do seriado – o fim da Linha do Tempo Sagrada criada pelos Guardiões do Tempo e o começo do Multiverso no MCU.

Em sua estreia, a série definiu que antes existiam várias linhas do tempo que brigavam entre si para serem a principal. Tal disputa só terminou quando os Guardiões do Tempo instituíram uma linha principal e criaram a AVT – Autoridade de Variação Temporal, para tomar conta de tudo. No entanto, só essa apresentação já deu pistas de que tudo isso seria destruído em breve. Afinal, porque a série teria tanto cuidado em explicar todos esses conceitos, se não fosse para colocar tudo abaixo depois?

Qual é o plano da “Lady Loki?”

“A Variante” termina com o Loki de Tom Hiddleston descobrindo que a responsável pelos ataques às equipes da AVT e o roubo das cargas de reset é uma versão feminina de si mesmo. Embora ainda não esteja totalmente confirmado que a personagem é, de fato, a Lady Loki, vamos chamá-la dessa forma para não confundir.

Como já era de se esperar, Loki tenta fazer uma aliança com a personagem, acreditando que ela pode ajudá-lo a ter seu encontro com os Guardiões do Tempo para reverter sua iminente destruição. Só que a personagem de Sophia Di Martino diz uma das frases mais importantes do episódio: “isso não é sobre você”, indicando planos maiores: destruir a linha do tempo principal e voltar com o Multiverso.

Os motivos para isso ainda são incertos, mas não há dúvidas de que um cenário caótico é muito mais atraente para a Lady Loki, que com certeza vai tirar vantagem dessa confusão. Ao final do capítulo, a personagem parece reverter as cargas de reset, que são enviadas para lugares diferentes no tempo. Ao serem acionadas ao contrário, elas podem recriar as timelines apagadas anteriormente, causando praticamente um “bombardeio” simultâneo à Linha do Tempo Sagrada, um desafio e tanto para a AVT consertar.

Após cumprir seu objetivo, a Lady Loki abre um portal no tempo e é seguida pelo Loki de Tom Hiddleston. Embora o personagem tivesse começado a criar uma relação de confiança com Mobius (Owen Wilson), não dá para negar que essa confusão também o beneficia: se ele não tem lugar no tempo de acordo com a AVT, a reversão das cargas de reset pode criar exatamente o que ele precisa: uma linha do tempo totalmente nova para ser explorada. E com a AVT cheia de trabalho após este ataque, este Loki pode ter a brecha perfeita para se esconder e jamais ser encontrado de novo por eles.

Além disso, a Lady Loki parece ter descoberto a localização dos Guardiões do Tempo, revelada pela agente sequestrada da AVT. Tudo isso torna a personagem muito mais interessante para os planos de Loki do que Mobius, que começou a deixar claro que uma audiência com os Guardiões do Tempo não seria fácil de conseguir.

Multiverso e futuro do MCU

Este episódio de Loki pode significar o começo de uma fase muito importante para o MCU: a real exploração do conceito de Multiverso, algo muito conhecido pelos fãs dos quadrinhos e esperado com certa expectativa para os filmes e séries. A Marvel ensaiou essa discussão em Homem-Aranha: Longe de Casa (2019), mas depois foi descoberto que Peter Parker foi enganado pelo vilão Mysterio.

Agora, no entanto, o estúdio parece pronto para mergulhar de vez nesse conceito, que é muito interessante narrativamente, com a possibilidade de explorar diversos personagens e mundos, sem um necessariamente afetar o outro, como acontece atualmente nas obras do estúdio. Ter o Multiverso ativo também abre caminho para a chegada dos personagens adquiridos junto com a Fox, como os X-Men e o Quarteto Fantástico, com uma justificativa plausível para eles não terem aparecido até agora.

E se o conceito de Joias do Infinito já era complexo para ser colocado nas telas, o Multiverso é ainda mais. Por isso o estúdio está fazendo o que faz de melhor: preparando o terreno aos poucos para algo que fará 100% de sentido lá na frente, no encerramento deste arco. Loki representa o começo dessa jornada ao explicar como a Linha do Tempo Sagrada funciona e já dando pistas de como destruí-la.

Embora ainda seja uma incógnita como a série vai terminar, não há dúvidas de que ela já deixará os fãs prontos para novas explicações sobre o Multiverso, que devem ser mostradas em Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura e até em Os Eternos, que podem também ter decidido interferir na humanidade agora exatamente por conta da iminente chegada do Multiverso e suas implicações para todos.

E você, o que achou do encerramento do segundo episódio de Loki? Comente abaixo e veja também:

Imagem de perfil
sobre o autor Camila Sousa

Jornalista por formação e nerd por natureza. Fã de diversos mundos fantásticos por aí e criadora do podcast Podcakes | @cakes_sousa no Twitter e Instagram