Guardians of the Galaxy: Jogo apresenta pequena mudança na relação de Rocket e Groot

Capa da Publicação

Guardians of the Galaxy: Jogo apresenta pequena mudança na relação de Rocket e Groot

Por Melissa de Viveiros

Marvel’s Guardians of the Galaxy é o mais novo jogo baseado no universo Marvel a ser lançado, trazendo a equipe cósmica para os videogames pela primeira vez. Mas, assim como os filmes não contam exatamente as mesmas histórias que os quadrinhos, o game apresenta uma história original e sua própria versão da equipe, que apesar de inspirada em ambas as outras mídias, não se propõe a ser idêntica a nenhuma delas.

Isso é notável em diversos detalhes do jogo, seja à adaptação de elementos da saga Aniquilação para o pano de fundo da trama, ou por meio da caracterização dos heróis principais, que mescla elementos de suas versões mais famosas. Em certos casos, essas caracterizações até mesmo apresentam elementos únicos, como é o que ocorre com RocketGroot, principalmente quando se trata de comunicação.

Em qualquer versão dos Guardiões da Galáxia, os dois são uma dupla bastante unida apesar de suas diferenças, tendo um passado juntos mesmo antes de se juntarem à equipe. Isso também acontece no jogo, mas com uma grande mudança: ao contrário dos filmes ou quadrinhos onde o guaxinim é o único capaz de entender Groot completamente, frequentemente servindo como tradutor, o game sugere que mesmo Rocket não entende tudo que seu amigo diz.

Um dos colecionáveis presentes no título desenvolvido pela Eidos-Montréal são objetos encontrados nos planetas que o jogador explora no papel do Senhor das Estrelas. Esses objetos têm relação com o próprio protagonista ou seus companheiros, e leva a interações com eles. Esse é o caso com um aparelho de tradução, que ao ser encontrado, proporciona um diálogo com Groot quando o retorno à nave dos Guardiões acontece.

Groot, o Senhor das Estrelas e Rocket em Marvel’s Guardians of the Galaxy.

Na conversa, Peter Quill discute a possibilidade de usar o aparelho para entender seu colega de equipe, cujo idioma composto apenas de “Eu sou Groot” se apresenta como empecilho à comunicação. Para saber se isso é possível, ele consulta Rocket, que explica que além de o aparelho estar danificado demais, a língua dos Flora colossus, espécie de Groot, é uma adição rara a equipamentos do tipo, por se tratar de um pacote de idiomas muito caro.

Em resposta, Quill pergunta como Rocket passou a entender o idioma. Surpreendentemente, a resposta dele não é que aprendeu ao longo do tempo, e sim que ele e seu amigo mais antigo desenvolveram um “entendimento” com o passar dos anos, já que trabalharam juntos por uma década antes do Senhor das Estrelas, e posteriormente Drax e Gamora, se juntarem a eles. Groot, porém, argumenta que a comunicação é cheia de “desentendimentos”, o que leva o guaxinim a fazer uma piada sobre sua “liberdade tradutória”.

Assim, diferente de adaptações anteriores dos personagens ou mesmo de versões apresentadas nos quadrinhos, Rocket não consegue de fato entender completamente tudo o que Groot diz. Apesar disso, fica claro que os dois permanecem muito próximos, e a relação entre eles permanece tendo importância para que os outros possam compreender um pouco do que o Flora colossus diz.

Além de ser uma mudança interessante, mesmo que sobre um detalhe, a adição dá ao grupo mais espaço para se desenvolver e se tornar mais próximo. Como o próprio Quill comenta, saber disso torna real a possibilidade de que, com o tempo, ele e os outros também passem a compreender Groot no futuro, mesmo que não falem seu idioma.

Marvel’s Guardians of the Galaxy está disponível para PS4, PS5, Xbox One, Xbox Series X|S, Nintendo Switch PC.

Fique com:

Imagem de perfil
sobre o autor Melissa de Viveiros

Editora. Graduanda em Letras na UFMG. Elfa noturna em Azeroth, Au'Ra em Eorzea, apoiadora da Casa Martell em Westeros, LoLzeira noxiana e grisha etherealki. Fã de coisas demais e sempre hiperfocada em algo diferente. || @windrunning_