Capa da Publicação

Batman vs Superman: Roteirista culpa investidores de Wall Street pelos problemas do Snyderverso

Por Gabriel Mattos

O recente lançamento de Liga da Justiça de Zack Snyder foi um sucesso entre os fãs e um alívio para muitos profissionais envolvidos com o projeto. Um deles é o roteirista Chris Terrio, que desabafou com a Vanity Fair sobre como investidores atrapalharam o planejamento criativo dos filmes da DC.

Não é novidade o descontentamento do autor com os executivos da Warner. Responsável também por escrever Batman vs Superman: A Origem da Justiça, Chris recentemente revelou seu desejo de retirar seu nome dos créditos da versão cinematográfica da Liga corrompida por Joss Whedon.

Alterações de Joss Whedon ofenderam o roteirista

Mas essa é apenas a ponta do iceberg. Em nova entrevista, ele afirmou que os problemas criativos do Universo Estendido da DC existem há muito mais tempo, desde antes da produção de Batman vs Superman.

 “Logo antes de Batman vs Superman, me chamaram para um evento em Nova York onde o elenco e cineastas desfilaram em frente a uma sala cheia de investidores da Time Warner Center. Acho que para convencê-los de que seu dinheiro estava em boas mãos. Esses caras estavam no comando porque eles controlavam o dinheiro lá no topo da pirâmide. Eles estavam fazendo as maiores decisões — não estou falando dos produtores executivos, mas sim dos caras de Wall Street.”

Chris contou sobre uma ocasião em que um desses investidores, com nenhuma experiência em contar histórias, tentou ensiná-lo como o Batman deveria se portar em um filme. Essa prepotência fora do comum o levou a crer que decisões criativas não tinham espaço nesses filmes, apenas decisões financeiras.

Investidores queriam Batman muito mais violento

A maior parte do desenvolvimento dos personagens acabou sendo cortada para dar espaço para cenas de ação que agradassem os investidores, resultando em um filme menos impactante.

“Naquela hora em que todos estavam lá reunidos, quantias exorbitantes de dinheiro já haviam sido gastas em cada quadro (do filme). E quando você está procurando reduzir o tempo (de duração), as coisas que acabam sendo cortadas não são as sequências cheias de efeitos especiais ou lutas com dublês. As coisas que são cortadas são… as cenas que dão algum sentido a essa ação grandiosa. E eu acho que esse é o problema, não só com esse filme, mas com todos esses filmes que seguem uma fórmula.”

O que você acha das declarações de Chris Terrio? Não deixe de comentar!

Fique com:

Imagem de perfil
sobre o autor Gabriel Mattos

Redator que joga mais Switch do que deveria e já leu todo o novo cânone de Star Wars, até os livros ruins. • @gabeverse