Capa da Publicação

Stranger Things 4: As referências e easter-eggs do Volume 2

Por Gus Fiaux

Após um começo promissor, o final da quarta temporada de Stranger Things veio para arrebatar todos os fãs com uma conclusão épica e um gancho desolador para o quinto ano da série – tudo enquanto Eleven, agora com seus poderes restaurados, partiu para lutar contra Vecna, a ameaça mais aterrorizante que já surgiu no Mundo Invertido.

Os dois últimos episódios são explosivos e contam com ação do começo ao fim, mas ainda há uma série de pistas e surpresas escondidas para os fãs que amam a nostalgia da década de 80. Por isso, aqui reunimos todos os easter-eggs e referências que achamos no segundo volume de Stranger Things 4!

Imagem de capa do item

Michael Myers

No oitavo episódio, os nossos heróis de Hawkins precisam encontrar um jeito de se infiltrar novamente na casa de Vecna, tudo enquanto tentam fugir da multidão que persegue Eddie Munson e acredita que ele é um cultista satânico responsável por diversas mortes na cidade. Porém, Eddie dá seu jeito de fugir daqueles que querem sua cabeça servida em uma bandeja.

Para isso, ele utiliza uma máscara de Michael Myers, o violento assassino da franquia Halloween - a mesma utilizada por Max anteriormente na série. É até curioso porque esse não é o único easter-egg de Halloween nos dois últimos episódios - e vale lembrar que, ainda neste ano, teremos o lançamento de Halloween Ends, que promete dar um final definitivo à história do Bicho-Papão de Haddonfield.

Imagem de capa do item

Um ícone fashion dos anos 80

Uma personagem que ganha um pouquinho mais de destaque no fim da temporada é Vickie, a menina por quem Robin Buckley tem uma leve quedinha. E aqui, ela aparece com um visual bem interessante, usando roupas despojadas e um chapéu. Porém, quem olha para a menina não consegue não pensar em um ícone fashion dos anos 80: Molly Ringwald.

Molly ficou bem famosa por participar de diversos filmes de John Hughes, incluindo obras como Clube dos Cinco, Gatinhas & Gatões, A Garota de Rosa-Shocking e muitos outros. Hoje, ela é famosa por papéis em franquias como A Barraca do Beijo e a série Riverdale. O visual em questão lembra muito as roupas que Ringwald usou em Gatinhas & Gatões.

Imagem de capa do item

Hulk Hogan

Do outro lado do espectro da moda, não podemos nos esquecer de quando Joyce Byers e Jim Hopper buscam por roupas novas para que possam se trocar. Eles não encontram muita coisa que combine com eles, mas saem usando camisas iguais que estampam um dos maiores astros de luta livre no mundo todo: Hulk Hogan.

Para quem não sabe, Hogan nasceu em 1953 na Austrália e se tornou muito conhecido por sua carreira na World Wrestling Federation (que atualmente é a WWE). Além de lutador, ele conquistou um bom espaço na mídia e foi uma figura recorrente em vários filmes da década de 80, como Rocky III e Desafio Total, além de obras posteriores, que nem Gremlins 2.

Imagem de capa do item

Mais Star Wars...

Stranger Things nunca deixou de fazer referências ao universo geek, especialmente o que fazia mais sucesso na década de 80. E é impossível pensar em crianças crescidas nesse período sem considerar toda a influência que Star Wars teve em uma geração. Contudo, a referência da vez fica por conta de Murray Bauman.

Ao entrar em um laboratório russo acompanhado de Joyce Byers e Jim Hopper, Murray solta a seguinte frase: "Eu não sei, Jim. Tenho um sentimento ruim sobre isso", uma frase que ficou bem popular no universo de Star Wars e que foi proferida pela primeira vez por Luke Skywalker em Uma Nova Esperança.

Imagem de capa do item

Hopper, o Bárbaro

No último episódio, temos mais uma chuva de easter-eggs, mas nenhum é tão legal quanto a cena de luta entre Jim Hopper e o Demogorgon na Rússia - tudo isso porque o Xerife de Hawkins não parte para cima apenas com armas de fogo: ele também usa uma espada para mutilar a criatura do Mundo Invertido. Porém, há um detalhe especial na espada...

A espada utilizada parece ser uma réplica da lâmina empunhada por Arnold Schwarzenegger em Conan, o Bárbaro, o filme original de 1982. Fãs mais atentos notaram que até mesmo as marcas na arma são bem similares, se não idênticas, às do filme. Vale lembrar que um pôster do filme já apareceu na primeira metade da temporada!

Imagem de capa do item

Pulp Fiction: Tempo de Violência

Não é só Star Wars que recebe uma citação no volume final do quarto ano de Stranger Things, já que Robin Buckley também tem um momento brilhante, quando fala as palavras: "Eu não acredito em um poder superior e nem em intervenção divina, mas isso foi um milagre!", bem quando ela, Nancy Wheeler e Steve Harrington são libertados no Mundo Invertido.

A frase parece ser uma referência a Pulp Fiction: Tempo de Violência, na qual Jules (o personagem de Samuel L. Jackson) diz: "Isso foi intervenção divina". Vale lembrar que o longa de Quentin Tarantino não seria lançado até 1994, o que significa que tal citação parece mais uma homenagem dos Irmãos Duffer que uma piada feita por Robin.

Imagem de capa do item

Mais Michael Myers!

A batalha final contra Vecna termina de um jeito bem surpreendente, já que os heróis são capazes de detê-lo com a ajuda de Eleven. Enquanto a garota faz uma luta mental contra o assassino, Steve, Robin e Nancy são os responsáveis por destruir seu corpo físico, usando coquetéis molotov e uma espingarda.

Porém, temos o que parece ser mais uma referência a Halloween: A Noite do Terror nesse final, quando Vecna para na varanda da casa no Mundo Invertido e, sem que possamos ver seu destino, some misteriosamente. Esse momento lembra bastante o destino de Michael Myers no filme original, já que ele também desaparece após ser confrontado por Laurie Strode.

Imagem de capa do item

Stephen King

O fim da temporada é bem agridoce, já que Max Mayfield perde a batalha contra Vecna e é hospitalizada em coma. Ainda que não tenha nenhum tipo de resposta a estímulos externos, os amigos de Max não deixam seu lado - especialmente Lucas Sinclair, que passa um bom tempo lendo livros para a namorada.

Quando o vemos, ele está lendo O Talismã, livro de 1984 co-escrito por Stephen King (que sempre foi uma das maiores referências da série) e Peter Straub. Na trama do livro, seguimos um menino chamado Jack Sawyer, que precisa viajar por dois mundos enquanto procura uma cura para sua mãe, que está morrendo de câncer.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux