Capa da Publicação

Os 10 piores filmes spin-off já feitos!

Por Gus Fiaux

Quando franquias começam a fazer muito sucesso, o céu é o limite. Hollywood faz questão de extrair cada gota possível de recursos vindos de uma propriedade famosa, criando inúmeras continuações e os famigerados spin-offs, ou filmes derivados. 

Embora alguns sirvam para expandir melhor os conceitos de um universo compartilhado, vários só estão no mercado para extorquir lucro a partir da fama alheia. Aqui, sugerimos os 10 piores filmes derivados já feitos, que nos fizeram ter vergonha do conceito de cinema blockbuster!

Créditos: Divulgação

Imagem de capa do item

Aviões

Carros já é, por si só, considerada por muitos como a pior franquia da Disney/Pixar, especialmente devido à sua primeira continuação. Porém, os filmes fizeram sucesso, o que impulsionou a casa do Mickey Mouse a produzir um spin-off chamado Aviões, que, por sua vez, é centrado em... bem... aviões.

Porém, o filme não tem nada de imaginativo ou interessante. E por não ser produzido pela Pixar, nem sequer tem a mesma qualidade visual dos filmes originais. Originalmente, seria apenas um filme lançado para DVD, mas logo ganhou um lançamento mundial nos cinemas. E como desgraça pouca é besteira, o longa ganhou uma continuação, que estreou em 2014.

Imagem de capa do item

Minions

Claro que nunca deixariam de aproveitar o irremediável sucesso das criaturinhas amarelas surgidas em Meu Malvado Favorito e suas continuações. Lançado nos cinemas em 2015, Minions logo trouxe um inimaginável lucro financeiro para o estúdio, superando os três longas da franquia principal.

Porém, assim como as criaturinhas que o protagonizam, o filme é insuportável. Cheio de segmentos paralelos que mal conduzem uma história, o longa tenta contar a história dos Minions até chegarem às mãos de Gru, e como sempre foram dispostos a adorar vilões desde seu surgimento. Só serviu para espalhar mais o câncer que esses personagens se tornaram na cultura pop.

Imagem de capa do item

O Filho do Máskara

O Máskara é adorado pelos fãs, tendo ganhado uma reputação bem interessante ao longo dos anos, principalmente pela comédia física e bom humor de Jim Carrey. Mas aí, por algum motivo, resolveram lançar uma "continuação"/spin-off depois que o ator recusou retornar, trazendo o comediante Jamie Kennedy para o papel principal de O Filho do Máskara.

O filme foi uma bagunça colossal, com piadas de mal gosto e um uso de efeitos visuais catastrófico. A recepção foi amplamente negativa, e o próprio Kennedy passou anos sendo atacado pessoalmente por críticos e haters, o que o inspirou a lançar um documentário sobre toda a experiência, intitulado Heckler.

Imagem de capa do item

Annabelle

Migrando do infantil para o horror, precisamos dizer que Invocação do Mal é um dos filmes de terror mais elogiados da última década, e acabou criando ao redor de si um verdadeiro universo compartilhado demoníaco, voltado para várias assombrações. Antes mesmo que o longa ganhasse uma continuação, surgiu o derivado Annabelle.

Voltado para a boneca macabra, o filme é decepcionante. Passamos por quase duas horas recheadas com todos os clichês possíveis e uma história que nem sequer se esforça em tentar fazer sentido. E a boneca, que era o elemento mais aterrorizante do filme original, fica parada aqui o tempo todo e nunca assusta. Ao menos, o prelúdio Annabelle 2: A Criação do Mal serve para ajustar a franquia e contar uma história assustadora da boneca.

Imagem de capa do item

Velozes e Furiosos: Desafio em Tóquio

Quem conheceu a franquia Velozes e Furiosos a partir do seu quinto filme, onde eles já decidiram fazer algo puramente blockbuster e despretensioso, nem imagina que, originalmente, a série de filmes de ação regados a gasolina e testosterona tentava se levar à sério. E o ponto baixo disso é Desafio em Tóquio, o "terceiro filme" que, na verdade, é um spin-off.

O filme é tão apagado da franquia principal que só tinha uma participação especial bem esquecível de Toretto, o personagem de Vin Diesel. Curiosamente, Velozes e Furiosos 6 acabou trazendo elementos do filme e situando-o melhor na cronologia da série. Ainda assim, não é como se os fãs adorassem esse derivado.

Imagem de capa do item

O Escorpião Rei

Quando surgiu, A Múmia era uma franquia bem interessante, mesclando horror com ação e aventura. O primeiro filme é bem legal, mas as continuações foram perdendo um pouco da diversão do original. O segundo longa, O Retorno da Múmia, apresenta o Escorpião Rei, em uma das cenas mais horríveis já concebidas com computação gráfica nos cinemas.

Isso não muda o fato que, no ano seguinte ao lançamento do longa, o personagem acabou ganhando seu próprio filme. O Escorpião Rei foi massacrado, e muitos até esquecem que faz parte da franquia que engloba a trilogia d'A Múmia. Ao menos, serviu para "apresentar" Dwayne "The Rock" Johnson ao mundo, em seu primeiro papel principal em um filme.

Imagem de capa do item

Supergirl

Muito antes da heroína ganhar sua própria série de TV, a Supergirl foi protagonista de seu próprio filme solo, que servia como um spin-off para a série de filmes do Superman, vivido por Christopher Reeve. Mas, infelizmente, o filme estrelado por Helen Slater acabou não sendo nada além de um desastre.

Além de sequer ter ligação com a franquia do Homem de Aço, e só realmente pegar emprestada a relação de parentesco e os poderes dos dois, Supergirl, lançado em 1984, nada mais era do que a versão feminina e adolescente dos filmes de Clark Kent, mas feito de uma forma ruim e sem o menor respeito pela heroína, que hoje representa uma geração.

Imagem de capa do item

Elektra

Tudo bem que Demolidor, de 2003, pode não ser lá o filme de super-heróis mais brilhante de todos os tempos, mas ao menos ele conseguiu estabelecer alguns personagens cativantes - especialmente graças ao corte do diretor. Mas aí, a Fox teve a brilhante ideia de criar um filme derivado apenas para Elektra Natchios.

Lançado em 2005 e trazendo Jennifer Garner de volta ao papel da ninja, Elektra não faz justiça à história da ressurreição da personagem, e ainda por cima conta com atuações muito ruins, e um uso de efeitos visuais horrendo. Nem mesmo as cenas de ação, que seriam um atrativo interessante, são bem-executadas.

Imagem de capa do item

X-Men Origens: Wolverine

Fechando nosso ciclo de filmes de super-heróis, não podemos nos esquecer do exemplo mais famoso e mais desgostoso. Após o encerramento da trilogia dos X-Men, a Fox decidiu que faria uma franquia voltada para alguns personagens populares. E o primeiro agraciado foi Logan Howlett, que protagonizou o odiado X-Men Origens: Wolverine.

Com uma produção tumultuada desde sua concepção, o filme conseguiu fracassar em diversos aspectos, desde a história à apresentação de alguns personagens - alguém ainda lembra do que fizeram com o Deadpool? Para piorar, o filme foi vazado um pouco antes de seu lançamento, e a baixa recepção dos fãs fez com que o estúdio desistisse da ideia de filmes solo por um tempo.

Imagem de capa do item

Caravana da Coragem: Uma Aventura Ewok

Muito antes do lançamento do elogiado Rogue One: Uma História Star Wars, a franquia espacial criada por George Lucas já havia ganhado seu primeiro spin-off, voltado para os fofos alienígenas apresentados em Star Wars - Episódio VI: O Retorno de Jedi. Claro que estamos falando de Caravana da Coragem: Uma Aventura Ewok, de 1984.

Lançado diretamente para a televisão, o filme é considerado até hoje a pior coisa já feita no universo de Star Wars, superando até mesmo os dois primeiros capítulos da Trilogia Prequel. E, para piorar, o filme ainda teve uma continuação (Caravana da Coragem 2: A Batalha de Endor), mesmo tendo sido massacrado pelos fãs.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux