Capa da Publicação

Os 10 melhores títulos e sagas da Nova Marvel!

Por Gus Fiaux

Você deve ter notado que o título da matéria fala apenas da “Nova Marvel” Decidimos separar entre os títulos lançados como parte da Marvel Now/Nova Marvel propriamente dita, e os títulos que vieram após a saga Infinito, onde começou uma “segunda fase” – intitulada All-New Marvel Now, ou Novíssima Marvel.

Imagem de capa do item

Arena de Vingadores

Um título menosprezado por muitos quando foi anunciado, Avengers Arena acabou se tornando uma grata surpresa a cada edição mensal. Escrita por Dennis Hopeless com artes de Kev Walker, a HQ usa inspiração de filmes e livros famosos como Jogos Vorazes, Battle Royale e o Senhor das Moscas para contar uma história sangrenta e cheia de reviravoltas.

O vilão clássico dos X-Men, Arcade sequestra dezesseis heróis adolescentes de diferentes lugares do mundo (como a X-23, Nico Minoru, Kid Britânia e Cullen Bloodstone) e os coloca em uma grande ilha para que possam lutar uns contra os outros, até só restar um vencedor. As intenções do vilão são as mais cruéis possíveis, e ao longo de 18 edições, temos grandes choques e revelações de fazer cair o queixo.

Imagem de capa do item

O Superior Homem-Aranha

Esse é um caso clássico de ame ou odeie. Quando foi anunciado, o título causou uma imediata controvérsia, com metade da internet xingando a decisão editorial da Marvel de transformar o Dr. Octopus no novo Homem-Aranha, e que "Peter Parker era o Aranha eterno". Quando o título foi lançado, corações raivosos se apaziguaram - ou ao menos, parte deles, de modo que muitos gostaram do título - e outros odiaram com ainda mais fervor.

Com história de Dan Slott e arte de Ryan Stegman, Humberto Ramos e Giuseppe Camuncoli, a série se inicia de onde terminou Amazing Spider-Man #700, quando Otto Octavius, a beira da morte, troca de corpo com Peter Parker, e em decorrência disso, acaba tentando se provar um herói superior, diferenciando-se do Homem-Aranha que conhecemos, mas ainda preso aos seus limites e moral devido aos resquícios da consciência de Peter.

Imagem de capa do item

Novíssimos X-Men

Um dos mais aguardados títulos da editora, All-New X-Men veio com força total, combinando doses de um forte e pesado drama, ao mesmo tempo que inseria uma pitada de humor latente em personagens como o Homem de Gelo.

Com Brian Michael Bendis e Stuart Immonen como dupla criativa por trás da história, All-New X-Men parte do pressuposto que o Dr. Henry McCoy, o Fera, traz do passado os cinco X-Men originais, de modo a ensinar a eles o que não fazer no futuro (em decorrência dos eventos da saga Vingadores vs X-Men), e acaba não conseguindo enviá-los de volta, de modo que os cinco jovens, agora aprisionados no presente, devem se adaptar a uma nova vida.

Imagem de capa do item

Jovens Vingadores

Um dos títulos mais desconhecidos da editora até então, o segundo volume do título dos Jovens Vingadores veio para reimaginar os heróis em plena atualidade, não levando apenas o nome "Jovens", mas agindo como tais, na era da internet e das redes sociais (sobre esse último, é engraçado notar que a página de resumos, que sempre dá detalhes das histórias anteriores, era uma paródia ao tumblr).

Cheia de metalinguagem e com uma pegada divertida de se acompanhar, Young Avengers tem roteiro e arte de uma talentosa dupla que leitores da Image Comics devem conhecer bem: Kieron Gillen e Jamie McKelvie. É a perfeita aventura jovem para quem gosta de quadrinhos do tipo.

Imagem de capa do item

Thor: Deus do Trovão

Possivelmente uma das fases mais aclamadas do Deus do Trovão (atrás apenas da obra máxima do herói nas mãos de Walt Simonson), o Thor de Jason Aaron e Esad Ribic reinventou conceitos do personagem e abrangendo histórias com um milênio de diferença na cronologia.

Seu primeiro arco, situado em torno de um assassino de deuses, insere perfeitamente conceitos que serão utilizados depois: três versões de Thor, em épocas diferentes, tem de se unir para enfrentar uma ameaça que afronta a existência de divindades. E não para por aí: em uma trama cheia de fantasia e ficção científica pesada, podemos ver o Deus do Trovão enfrentando inimigos clássicos enquanto entra em uma perigosa jornada que resultará num tempo sombrio para o filho de Odin.

Imagem de capa do item

Gavião Arqueiro

Com roteiros de Matt Fraction e arte (em sua maioria) por David Aja, o título do Gavião Arqueiro foi uma grata surpresa que rendeu prêmios para a Casa das Ideias, incluindo um Eisner, o Oscar dos quadrinhos. Com uma pegada mais humana e intimista, a história, recheada de bom humor, procurava explorar melhor o homem por trás do Gavião Arqueiro, bem como sua nova "ajudante", Kate Bishop.

A grande sacada da série foi saber se reinventar a cada edição, trazendo elementos diferentes e inovadores, nunca deixamos de ter um conteúdo fresco e de qualidade na série de Fraction e Aja.

Imagem de capa do item

Capitã Marvel

Escrita por Kelly Sue DeConnick e com arte de Dexter Soy, inicialmente, a revista da Capitã Marvel veio para reinventar o papel da heroína dentro da Casa das Ideias, elevando uma personagem que tinha um apelo muito sexual a uma verdadeira representante das mulheres, através de um arco forte e destemido.

A Capitã Marvel de DeConnick rendeu grandes elogios, além de servir como base para a construção de ótimas séries como a da nova Miss Marvel. Em poucas edições, Kelly Sue trouxe uma heroína relacionável, forte, inteligente e capaz dos maiores sacrifícios para salvar a humanidade - e isso sem precisar ficar com suas curvas de fora apenas para delírio masculino.

Imagem de capa do item

Fabulosos X-Men

A melhor série vinda das mãos de Brian Michael Bendis nessa nova reformulação da Marvel é o arco dos X-Men foragidos, que devem se esconder depois que Ciclope comete "crimes contra a humanidade" e assassina seu mentor, Charles Xavier. A série, desenhada por Chris Bachalo, dá uma maior profundidade aos X-Men enquanto equipe, desenvolvendo heróis antigos e novos com a mesma proporção.

Além disso, o crossover com All-New X-Men e outros títulos mutantes, intitulado Battle of the Atom, que veio para comemorar o aniversário de 50 anos dos X-Men acabou se provando uma história bem legal, inserindo elementos que não tardariam a voltar em ambos os títulos.

Imagem de capa do item

Infinito

A única saga presente nessa lista, Infinito foi - depois da decepção de Era de Ultron - a primeira grande saga da Nova Marvel, e trouxe elementos interessantes que vinham sendo trabalhados desde o início dessa fase, além de estabelecer consequências que justificariam a vinda de uma nova fase chamada All-New Marvel Now, ou Novíssima Marvel.

De um lado, seres alienígenas tão antigos quanto o universo dão as caras, ameaçando a existência em diversos setores do espaço sideral, o que força os Vingadores a deixar a Terra para salvar o espaço... Enquanto Thanos se prepara para buscar um certo tributo na nossa Lua.

Imagem de capa do item

Novos Vingadores

Ao falar de New Avengers/Novos Vingadores, queremos lembrar da importância de acompanhar essa saga juntamente de Avengers/Vingadores, também escrita por Jonathan Hickman (assim como a saga anterior). Aliás, toda a fase de Hickman na Marvel se define por essa interligação entre seus trabalhos, gerando um contido e coeso universo dentro da própria esfera da Marvel.

Porém, nessa primeira fase, Avengers ainda era um título "fraco", sendo deixado de lado pela maioria dos leitores, enquanto o foco recaía sobre a equipe Illuminati que agora assumia o manto dos Novos Vingadores.

Tendo de lidar com as Incursões (eventos que resultavam na destruição de pelo menos um Planeta Terra de dimensões alternativas), os heróis tem que confrontar os piores vilões que já conheceram: eles próprios, colocando em risco sua moral e sua ética para poder salvar o próprio mundo.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux