Capa da Publicação

Os 10 Melhores enredos das histórias em quadrinhos!

Por Felipe de Lima

Caso não concorde com algum item, sinta-se a vontade para dizer os seus.

A lista foi sugerida pelo fã William Silva, através do nosso snapchat, legiaodosherois. Se quiser ver algum assunto em pauta por aqui, pode mandar pra lá!

 

Imagem de capa do item

Guerra Civil

A clássica história de amigos se tornando inimigos com a linha que separa os heróis dos vilões desvanecendo pode parecer clichê. Na verdade, a premissa de Guerra Civil é simples, mas o seu desenvolvimento é inovador. Tratando de como regular o crescente número de super-heróis.

Após uma catástrofe envolvendo alguns amadores, o governo sanciona uma lei que obriga os super-heróis a se registrarem para que suas ações possam ser controladas, e o estado possa decidir quando e como isso vai acontecer.

Alguns aceitam, ficando do lado do registro, liderados pelo Homem de Ferro. Outros, liderados pelo Capitão América, acreditam que essa lei restringiria a liberdade dos heróis.

É então que a história deixa os clichês de lado, e segue por caminhos que mudariam para sempre o Universo Marvel.

A equipe criativa conta com roteiro de Mark Millar e arte de Steven McNiven.

Imagem de capa do item

Crise nas Infinitas Terras

Crise nas Infinitas Terras foi uma carta de amor ao passado da DC e, ao mesmo tempo, a formação o que seria o "novo" Universo.

Marv Wolfman e George Pérez colocaram o Universo DC em uma posição onde os mundos estavam morrendo e as realidades estavam se quebrando. Isto permitiu que a dupla usasse, literalmente, milhares de personagens enquanto eles exploravam os vastos domínios das histórias em quadrinhos da DC.

Um épico que significa muito mais do que a "batalha final entre o bem e o mal.".

Imagem de capa do item

Maus

A obra-prima de Art Spiegelman, Maus, não é apenas uma brilhante forma de se recontar a história de sobrevivência de um homem durante a Segunda Guerra Mundial e o Holocausto - aqui, os judeus são os ratos e os alemães são gatos.

É também o conto de um homem lidando com seu pai. É o conto de como as histórias são contadas. E talvez o mais fascinante seja que ela também se torna uma história sobre um homem lidando com o fato de que a história sobre a sobrevivência de seu pai ao Holocausto se tornou um sucesso crítico e comercial.

Sim, lá no fundo, Spiegelman está nos contado como seu pai, Vladek Spiegelman, sobreviveu à guerra.

E conto de Vladek é absolutamente fantástico, e fica ainda mais devido a habilidade que Art tem de contar histórias, impedindo a todo custo que tudo se transforme em algo monótono.

Demorou anos para Spiegelman terminar a história, mas valeu muito a pena.

Imagem de capa do item

Estação das Brumas

Estação das Brumas foi um marco para Sandman.

Na história, Morpheus está tentando resgatar seu antigo amor, que ele, em um acesso de raiva, mandou para o inferno milhares de anos atrás. Ele se prontifica para uma batalha com Lúcifer, mas não podia esperar, no entanto, como Lúcifer decidiria lidar com isso: Abandonando o Inferno e entregando a chave nas mãos do Senhor dos Sonhos

Estação das Brumas é considerado pela crítica como a grande demonstração da habilidade única que Gaiman tem para criar tramas sutis e envolventes.

A arte também é um dos fortes nesse livro, com Kelley Jones realmente fazendo um trabalho maravilhoso.

Imagem de capa do item

Reino do Amanhã

Reino do Amanhã é uma interessante reflexão palpável sobre como seriam os super-heróis no futuro.

Ela se passa em um mundo onde super-heróis "sombrios e valentes" tomaram conta do Universo DC, espalhando caos pelos quatro cantos do mundo. Na história, o Espectro pede a um velho ministro para ajudá-lo a fazer um julgamento sobre a Terra. E é pelos olhos desse ministro chamado Norman McCay, que vemos todos os problemas daquele mundo.

Há muito tempo, os heróis que nós conhecemos se aposentaram, e outros mais incompetentes e egoístas assumiram o lugar. Até mesmo o maior símbolo de esperança se tornou recluso e desviado.

Contudo, é o retorno do Superman que leva ao ressurgimento dos super-heróis tradicionais, o que gera a reunião da Liga da Justiça. Logo, o Homem de Aço ganha um grande número de heróis convertidos à sua maneira de pensar. Entretanto, muitos outros ainda estão por aí, impondo sua vontade contra as pessoas. É a partir desse que ponto que a história tem sua maior revelação, que levará os heróis a um conflito de proporções astronômicas.

O roteiro de Mark Waid combinado a arte realista de Alex Ross é um deleite para os olhos de qualquer leitor.

Imagem de capa do item

Batman - Ano Um

Depois de O Cavaleiro das Trevas, Frank Miller retornou para redefinir - seja lá quais aspectos ele ainda não tivesse redefinido - o Batman.

A história narra o conto de Bruce Wayne e James Gordon; um deles se tornando o Batman e o outro um símbolo de honestidade em Gotham.

Originalmente, Bruce tentou ser um vigilante sem um traje, mas as coisas não correram bem.

Essa história foi a base para o filme Batman Begins, o que não é surpresa, já que Miller possui um estilo totalmente cinematográfico de escrever.

Talvez o aspecto mais impressionante da história em quadrinhos seja o quão forte o personagem de Jim Gordon está. Ele funciona como um co-protagonista da história, em alguns momentos, sendo até mais importante que o próprio Batman.

Outro ponto alto é a arte de David Mazzucchelli, que transmite exatamente a essência da história.

Imagem de capa do item

O Cavaleiro das Trevas

O Cavaleiro das Trevas é um dos quadrinhos mais influentes do Batman. A história se passa 10 anos depois de Bruce Wayne ter se aposentado.

Aqui, Frank Miller basicamente estabelece a maneira com a qual o Batman seria representado nos quadrinhos pelos próximos... Bem, até hoje - inclusive no cinema.

A história é, literalmente, sobre o retorno do Cavaleiro das Trevas, com Bruce Wayne percebendo que sua cidade precisa do Batman novamente.

Miller brinca com o conceito de que é a existência do Batman que faz com que os criminosos saiam da toca. Assim que com o retorno do Batman, temos a volta do Duas-Caras e o Coringa.

Os outros personagens principais na história - além do Alfred - são Carrie Kelly, a nova Robin, e o Superman, cujo conflito com Batman acontece nas últimas páginas.

Primeiramente, o Homem Morcego confronta a Gangue dos Mutantes. Depois entra em conflito com o Coringa. Até que, ao final, luta conta o Superman, o que origem à tradição do "preparo".

Imagem de capa do item

V de Vingança

V de Vingança retrata o distópico e pós-apocalíptico futuro do Reino Unido na década de 1990. Devido a uma guerra nuclear nos anos 80, uma grande parte do mundo foi destruída.

O partido fascista Fogo Nórdico exterminou seus opositores em campos de concentração e governa o país como um Estado Totalitário.

Os quadrinhos seguem o protagonista, V, um revolucionário anarquista vestido com uma máscara de Guy Fawkes, que começa uma campanha revolucionária bem elaborada e muito teatral para assassinar seus antigos captores, derrubar o governo e convencer o povo de que eles devem governar a si mesmos.

Imagem de capa do item

A Queda de Murdock

Miller retorna ao lado de David Mazzucchelli para o arco seminal da história do Demolidor, narrando eventos que realmente destruíram a vida do herói, e a reconstruíram novamente.

Focado em diversos subtemas, como a religião, a relação do Demolidor com sua mãe e com Karen Page, a fúria do Rei do Crime, a necessidade real do Demolidor, A Queda de Murdock é um clássico instantâneo.

Outro ponto alto é como Miller e Mazzucchelli retratam os Vingadores, quase que da mesma forma que Alan Moore lidou com a Liga da Justiça nas páginas de o Monstro do Pântano. De uma maneira com a qual o leitor esperaria que super-heróis fossem representados no "mundo real".

Imagem de capa do item

Watchmen

Já era de se esperar, não é? Um aspecto notável de Watchmen é o fato de que o enredo começa bem simples, um super-herói mais velho é assassinado, e então seus ex-companheiros de equipe começam uma investigação para descobrir o verdadeiro assassino. Mas, na verdade, a história se mostra muito maior do que isso.

Moore usou a história como um meio de refletir a realidade e dos anos 80, desconstruindo e parodiando o conceito de super-herói. Watchmen retrata uma realidade alternativa, onde super-heróis surgiram na década de 1940 ajudando os Estados Unidos a vencer a Segunda Guerra Mundial e, mais tarde, a Guerra do Vietnã.

Em 1985, o país está sob a ameaça eminente de uma guerra nuclear com a União Soviética, vigilantes fantasiados foram considerados criminosos e os mais antigos super-heróis se aposentaram ou trabalham para o governo.

A história centra-se no desenvolvimento pessoal das lutas morais dos protagonistas, principalmente após o assassinato de um antigo membro da equipe. Watchmen foi aclamada pela crítica, tanto pela específica quanto pela grande imprensa, sendo considerada uma das mais importantes obras da literatura do século 20.

Imagem de perfil
Felipe de Lima

Pelo poder da verdade, eu, enquanto vivo, conquistei o universo. Me segue no twitter @tearsgodown