Os 10 maiores clichês de filmes inspirados em quadrinhos!

Capa da Publicação

Os 10 maiores clichês de filmes inspirados em quadrinhos!

Por Gus Fiaux

Adaptado do WatchMojo

Imagem de capa do item

Destruição, destruição e... destruição!

Um vilão maníaco e poderoso quer destruir a cidade. Somente o herói pode salvá-la! Uh... Nem sempre. É comum em filmes de quadrinhos um terceiro ato explosivo e cheio de destruição pra todos os lados, em que o herói mata mais gente que salva.

Foi assim com Vingadores, O Incrível Hulk, X-Men: O Confronto Final... Mas sem dúvidas o maior expoente disso é Homem de Aço. Especialistas afirmam que cerca de cento e vinte nove mil pessoas seriam mortas durante a destruição de Metropólis e os gastos para a reconstrução da cidade seriam em torno de setecentos bilhões de dólares.

Imagem de capa do item

O vilão é um experimento científico que deu errado

Duende Verde. Doutor Octopus. Lagarto. Mandarim. Abominável. Ultron. Venhamos e convenhamos. Por que todo vilão tem que ser um cientista ou fruto de um experimento científico?!

Queremos mais vilões como o Coringa, que só querem ver o mundo pegar fogo.

Imagem de capa do item

Ligações convenientes entre os personagens

É incrível como tudo é tão bem conectado em alguns filmes. Tome, por exemplo, a franquia Espetacular Homem-Aranha. Peter Parker é namorado de Gwen Stacy, cujo mentor é o Lagarto, convenientemente um ex-parceiro dos pais de Peter. Além disso, o pai de Gwen é o policial que ajuda o herói ao final do filme.

Imagem de capa do item

Polícia x Heróis

De todos dessa lista, esse é o clichê mais aceitável, uma vez que existem inúmeras leis que proíbem a circulação e ação de vigilantes. Mas em um mundo com heróis já estabelecidos, é tão difícil assim deixar que eles salvem o mundo?

Imagem de capa do item

Papinho motivacional

É incrível como quase nenhum filme supera isso. Em dado momento, o herói tem que conversar com alguém mais velho e sábio, que possa ajudá-lo a encontrar a sua força interior para salvar o mundo.

Tio Ben e Alfred são os melhores exemplos disso. Mas também temos Nick Fury em Vingadores. E até mesmo o Senhor das Estrelas em Guardiões da Galáxia, mas ao menos ele dá uma zoada quanto a isso...

Imagem de capa do item

História de origem

O que é aquilo? É o Homem-Aranha sendo picado novamente por uma aranha. E aquilo? São os pais de Bruce Wayne morrendo de novo. E aquela outra coisa? Ah, é o Superman caindo na Terra.

Qual o problema de contar a história de um herói já estabelecido? Por que tantas origens?

Imagem de capa do item

O vilão conta o plano inteiro para o herói

Um clássico clichê dos filmes de James Bond e que vem sendo constantemente utilizado nos filmes de super-heróis. Como método expositivo para o público não ficar perdido, o vilão SEMPRE tem que contar o plano inteiro para o herói, de modo que ele possa acabar com os esquemas malignos.

Uma saída inteligente pra isso foi utilizada em Watchmen. Ozymandias revela todo seu plano... Depois que ele já foi posto em prática.

Imagem de capa do item

Interesse amoroso é sequestrado

Cada vez mais e mais parece que personagens femininas só servem como dispositivo de enredo para dar motivação ao herói. E como fazem isso? Sequestrando a mocinha, óbvio.

Pegue por exemplo a trilogia Homem-Aranha de Sam Raimi COMPLETA, Homem de Ferro 3, O Cavaleiro das Trevas...

Imagem de capa do item

MacGuffin

Ainda mais popularizados graças aos recentes filmes da Marvel, um MacGuffin é um objeto que conduzirá o desenrolar da trama. Se lembra da Arca da Aliança no primeiro Indiana Jones? Então...

O Tesseract, o Orbe, o Éter, o cetro de Loki, Cérebro... Todos esses são MacGuffins, e sua utilização já está se tornando constrangedora!

Imagem de capa do item

Infância traumática

Um clichê de quadrinhos no geral, e não apenas de suas adaptações. O herói só é herói porque algo aconteceu em sua infância, de modo que seus pais morressem, ele acabasse cego ou então vivesse em um campo de concentração.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux