Capa da Publicação

10 filmes LGBTQIA+ que saem da caixinha

Por Junno Sena

O Mês do Orgulho está aí, entre listas e posts de apoio duvidosos de empresas questionáveis, existem aquelas iniciativas e produções que não se destacam, mas que, mesmo assim, conseguem entregar representatividade e cuidado em suas propostas. Pensando nisso, separamos dez filmes para sair do convencional e descobrir o que é ser LGBTQIA+ através de outros olhos.

Entre produções nacionais e taiwanesas, encontre um pouco do Orgulho desse mês nas indicações abaixo. Não esqueça de recomendar outro filme nos comentários!

Imagem de capa do item

Dear Ex

Existe aquela máxima em meio a comunidade LGBTQIA+: “Quero uma história que não termine em tragédia”. Porém, se alguns querem finais felizes, outros procuram o que pode existir após uma perda. É nisso que o filme taiwanês de comédia e drama, Dear Ex, se debruça.

Com um elenco cativante e um roteiro que consegue prender até os espectadores menos atentos, Dear Ex é a indicação certa para quem quer entender uma experiência gay pelos olhos de alguém fora do circuito estadunidense.

Disponível na Netflix.

Imagem de capa do item

Rafiki

Rafiki pode não ser uma história completamente nova, mas traz dois pontos positivos que conquistam qualquer um: (1) a química do casal principal e (2) a cor e gingado do Quênia.

Dirigido por Wanuri Kahiu e protagonizado por Sheila Munyiva e Samantha Mugatsia, o filme lançado em 2019 no Brasil foi um dos destaques de Cannes. Nele, seguimos o romance de Kena e Ziki, que são amigas, apesar de suas famílias serem rivais políticas.

Disponível na Globoplay.

Imagem de capa do item

Tangerina

Talvez o projeto mais ambicioso dessa lista, Tangerina surgiu como uma ideia simples: filmar todo um longa com um iPhone 5S.

Com o olhar de Sean Baker, seguimos a vida conturbada de duas prostitutas transexuais. O que pode parecer um drama denso, se torna um dia cômico na vida de Alexandra e Sin-Dee.

Disponível no Mubi.

Imagem de capa do item

Os Iniciados

O filme protagonizado pelo cantor, ator e romancista sul-africano, Nakhane, não é para estômagos fracos. Trazendo a dor e fragilidade de uma relação homoafetiva em um espaço onde ser LGBTQIA+ não é aceito, seguimos uma comunidade de homens e a execução de rituais de amadurecimento, que consiste na circuncisão de adolescentes.

Xolani é um dos responsáveis pelo ritual e, durante os processos em busca de uma “masculinidade padrão”, vamos entendendo que sexualidade e performance não são tão simples quanto fazem parecer.

Disponível no Mubi e no Looke.

Imagem de capa do item

Bixa Travesty

Não é apenas de BBB22 que Linn da Quebrada é feita. Em Bixa Travesty, conhecemos mais da trajetória da cantora transexual, além de nos apresentar mais da cena musical produzida por artistas trans em São Paulo.

Não apenas uma obra para conhecer o talento e discografia da artista, o filme é uma ótima pedida para quem quer ver uma faceta pouco explorada pela mídia tradicional do movimento LGBTQIA+ nacional.

Disponível na Globoplay.

Imagem de capa do item

Spa Night

Andrew Ahn pode estar fazendo sucesso com Fire Island, disponível na Star+, porém, o diretor tem outro projeto interessante no currículo. Spa Night é um filme íntimo que investiga a identidade LGBTQIA+ de um homem racializado.

Entre fetiches, desencaixes e desejo, o ator Joe Seo nos mostra, na pele de David, que nem todos foram capazes de encontrar o “orgulho”.

Imagem de capa do item

The Watermelon Woman

De 1996, The Watermelon Woman se trata de outra produção que parece ter se afogado no desconhecido. Dirigido, escrito e protagonizado por Cheryl Dunye, o filme segue Cheryl, uma lésbica negra de vinte e poucos anos, que está produzindo um documentário sobre Fae Richard, uma atriz negra dos anos 30. Porém, enquanto pesquisa sobre a vida da Mulher Melancia, como era conhecida, Cheryl acaba descobrindo novos caminhos em sua vida pessoal.

Imagem de capa do item

Thelma

Quando tratamos de obras marcantes para indivíduos LGBTQIA+, não é difícil encontrar um longa de terror na lista. Diferente de outros filmes que trabalham com metáforas e subtextos, Thelma se apoia inteiramente na descoberta da protagonista como uma mulher lésbica.

Com poderes psíquicos e um tom sombrio, Eili Harboe e Okay Kaya dão um show de atuação.

Disponível no Mubi e no Looke.

Imagem de capa do item

Naaz & Maalik

Às vezes, produções LGBTQIA+ parecem se resumir apenas a histórias de casais brancos e heteronormativos. A verdade é que poucas produções que fogem desses parâmetros conseguem furar a bolha da produção indie e chegar ao público. Esse é o caso de Naaz & Maalik.

Nele, seguimos um dia na vida de um casal gay de adolescentes muçulmanos. Entre afetos, os dois precisam lidar com o segredo de seu relacionamento até uma trama conspiracionista.

Imagem de capa do item

Sócrates

Sócrates é uma das pérolas subestimadas do cinema nacional. Com pouco mais de uma hora, o filme se debruça na vida conturbada de um jovem negro e gay.

Com Christian Malheiros no papel principal, o longa tem um toque de Moonlight, mas ao invés da beleza azulada de Barry Jenkins, temos uma realidade dura e suja, transmitida pelos olhos de Alexandre Moratto.

Disponível na Globoplay.

Imagem de perfil
Junno Sena

Pós graduando em Antropologia com o raio problematizador ligado no 120. Assiste filme trash para relaxar e dorme cantarolando a trilha sonora de A Hora do Pesadelo. Blaxploitation na veia e cinema coreano no coração. Atualmente mora em Petrópolis, RJ. Ele | Elu