Capa da Publicação

[CRÍTICA] Homem-Aranha no Aranhaverso – Com grandes poderes, vem grande diversão!

Por Gus Fiaux

Homem-Aranha pode estar fazendo um grande sucesso no Universo Cinematográfico da Marvel, mas o herói ainda possui uma vasta gama de histórias que podem ser adaptadas em filmes solo e outras mídias.

Por sorte, Homem-Aranha no Aranhaverso veio para nos apresentar uma nova geração de Amigões da Vizinhança, com Miles Morales no centro da história – bem como um Peter Parker mais velho. Nós finalmente vimos o filme, e aqui temos nossa crítica sobre essa obra espetacular!

Créditos: Sony

Imagem de capa do item

Ficha Técnica

Título: Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man: Into the Spider-Verse)

Ano: 2018

Data de lançamento: 10 de janeiro de 2019 (Brasil)

Direção: Rodney Rothman, Bob Persichetti e Peter Ramsey

Classificação: Ainda não definida

Duração: 117 minutos

Sinopse: Miles Morales se torna o Homem-Aranha de sua realidade, e seu caminho se cruza com suas contrapartes de outras dimensões. Juntos, eles precisam impedir um perigo que ameaça todo o multiverso.

Imagem de capa do item

Homem-Aranha no Aranhaverso - Com grandes poderes, vem grande diversão!

Todos os anos, ficamos divididos em saber qual filme de super-heróis consegue capturar melhor a essência dos quadrinhos. E se 2018 nos trouxe ótimos concorrentes a isso, como Pantera Negra, Vingadores: Guerra Infinita e Aquaman, o verdadeiro campeão nesse sentido é Homem-Aranha no Aranhaverso.

Produzido por Phil Lord e Chris Miller - as mentes criativas por trás de Uma Aventura LEGO - o filme não apenas traduz a essência dos quadrinhos. Na verdade, o novo longa do Amigão da Vizinhança se comporta como uma HQ viva, desde pequenos detalhes da trama ao seu inovador estilo de animação.

Imagem de capa do item

Na história, acompanhamos toda a origem de Miles Morales - muito conhecido pelos fãs como o Homem-Aranha do Universo Ultimate. O longa não perde tempo em estabelecê-lo como sucessor do legado de Peter Parker, que é morto em um árduo confronto contra o Duende Verde e o Rei do Crime.

Porém, isso é apenas a ponta do iceberg. Em sua aventura, Miles acaba encontrando vários Homens-Aranha de dimensões completamente diferentes. Assim, temos uma aventura que de fato se debruça sobre o Aranhaverso, explorando versões alternativas e adoradas do Amigão da Vizinhança, muitas das quais já conhecemos nos quadrinhos.

Imagem de capa do item

O grande mérito de Homem-Aranha no Aranhaverso está justamente na história de Miles Morales - e, principalmente, sua relação com o Peter Parker de outro universo, um herói que "desaprendeu" o caminho do heroísmo e precisa voltar a se situar como a figura icônica que sempre trilhou o caminho do poder e da responsabilidade.

O que encanta no longa é justamente a forma como somos apresentados às semelhanças e diferenças desses dois heróis de universos tão distintos, enquanto Miles precisa aprender com um professor que não está tão contente em ensiná-lo. É aqui que a magia acontece, e se o filme fosse focado apenas nisso, seria um longa perfeito.

Imagem de capa do item

Por outro lado, os outros Homens-Aranha conferem um charme a mais na história - especialmente no que diz respeito ao estilo de suas animações, como é o caso de Peni Parker. Ainda assim, muitos deles parecem estar "sobrando" em meio a uma relação tão sólida, e não possuem tanto destaque quanto deveriam - como o Porco-Aranha, por exemplo.

Ainda assim, não há como dizer que eles não possuem seu espaço para brilhar. A Gwen-Aranha, por exemplo, é uma personagem bem interessante e que participa de boas cenas de ação, enquanto o Homem-Aranha Noir é, possivelmente, a figura mais engraçada do grupo. Aliás, fica a recomendação para que você veja o filme no idioma original, já que as vozes de Nicolas Cage e Hailee Steinfeld, entre outros, fazem grande diferença.

Imagem de capa do item

Contudo, sem a menor sombra de dúvidas, o elemento que mais vai chamar a atenção do público é a animação em si. Temos aqui algo inédito, e que foge bastante do padrão de perfeição estabelecido pela Disney/Pixar. O filme possui uma textura bastante particular, e o traço é construído para traduzir peculiaridades dos quadrinhos.

É justamente essa mistura que vai deixar uma impressão forte. Alguns podem adorar o mundo multicolorido e a ação insana, enquanto outros podem odiar o senso de que há coisa demais acontecendo. Ainda assim, não há como negar que o trio de diretores - Rodney Rothman, Bob Persichetti e Peter Ramsey - conseguiu criar algo extremamente original.

Imagem de capa do item

Ainda assim, há alguns deslizes - principalmente por conta dessa superlotação de personagens. Se os Homens-Aranha acabam ofuscando um ao outro, por outro lado os vilões nem sequer conseguem ter espaço. O único que foge dessa sina é o Gatuno, mas ele está lá apenas como dispositivo narrativo para alavancar a história de Miles Morales.

Alguns personagens também acabam "desaparecendo" na trama por um bom tempo. Esse é o caso, por exemplo, da mãe de Miles ou da própria Gwen, cuja ausência é sentida por um tempo significativo entre o primeiro e o segundo ato do filme. Isso faz com que os arcos dos personagens secundários sejam bem inconstantes.

Imagem de capa do item

Outra questão que incomoda diz respeito ao grande ato final do longa. A animação, por mais perfeita que seja, acaba ficando muito bagunçada com tantos elementos mirabolantes em prática. Às vezes, fica até difícil acompanhar o que está acontecendo, ainda mais considerando que há vários cortes "separando" a ação.

No entanto, um mérito que fica - de sobra - é o fato do filme nunca deixar de lado a emoção sentida pelos personagens. Em alguns diálogos, podemos sentir o peso das responsabilidades que recai sobre os ombros de todos aqueles que vestem o traje heroico. E por falar em emoção, o tributo a Stan Lee é de arrancar lágrimas.

Imagem de capa do item

Ainda assim, podemos considerar Homem-Aranha no Aranhaverso como uma baita revolução para os filmes de super-heróis. Caso seja tão bem-sucedido quanto promete ser, o longa tem tudo para ser o primeiro de uma franquia ou de uma nova geração de animações de super-heróis das grandes editoras nos cinemas.

Além de toda a parte visual, que é nitidamente sensacional, também podemos citar a trilha sonora, tanto cantada quanto incidental, que conferem uma personalidade bem mais "urbana" ao super-herói, enquanto desenvolvem também um estilo estético que entremeia desde as ruas de Nova York ao traje final de Miles Morales.

Imagem de capa do item

Com ótima qualidade de animação e uma história que nos apresenta a Miles Morales como sendo o representante de uma nova geração de aventuras para o Amigão da Vizinhança, Homem-Aranha no Aranhaverso é um quadrinho vivo, que esbanja emoção, diversão e, acima de tudo, um senso de aventura.

É um longa cujos problemas não ofuscam as qualidades, e que mesmo com alguns deslizes na construção de seus personagens, consegue entreter e ainda nos fazer desejar para que cada uma das figuras apresentadas tenha seu próprio filme solo. Agora, podemos apenas torcer para que o Aranhaverso volte ainda melhor e maior nos cinemas.

NOTA: 4/5

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux