Capa da Publicação

As 10 bruxas mais assustadoras do cinema!

Por Gus Fiaux

O cinema sempre soube explorar nossas maiores fantasias e os nossos mais profundos medos. Quando falamos de terror, por exemplo, podemos lembrar de vários arquétipos famosos – mas nenhum é tão interessante e rico quanto as bruxas. Elas estão lá para nos lembrar que o mundo sobrenatural sempre flerta com a realidade.

Aproveitando que estamos em clima de Halloween, aqui separamos as 10 bruxas mais assustadoras do cinema. Estamos contando personagens que vieram tanto de filmes de horror quanto de produções fantásticas. De um jeito ou de outro, essas feiticeiras nos fizeram perder noites preciosas de sono!

Créditos: Divulgação

Imagem de capa do item

Eva Erns - Convenção das Bruxas

Inspirado no clássico livro de Road Dahl, Convenção das Bruxas pode até ser uma história “infantil” - mas certamente provocou mais pesadelos do que qualquer outra coisa para as crianças que assistiram ao filme. Aqui, somos apresentados a um grupo de bruxas que pretende exterminar as crianças da Terra.

E, liderando essa convenção diabólica, temos Eva Ernst - a Grande Feiticeira, interpretada por Anjelica Huston. E se à primeira vista ela parece uma mulher charmosa e normal, as coisas logo mudam quando sua máscara cai, revelando uma criatura deformada e aterrorizante, que fará de tudo para transformar jovens meninos em ratinhos.

Imagem de capa do item

A Rainha do Espelho - Os Irmãos Grimm

Há algo de belo e muito aterrorizante nos contos-de-fadas escritos pelos Irmãos Grimm. Não é à toa que o filme que romantiza a vida dos dois escritores é bem voltado para o gênero do horror, conforme os acompanhamos investigando o desaparecimento de diversas meninas em um vilarejo europeu.

Acontece que tudo está ligado à presença da Rainha do Espelho, uma mulher que se envolveu com magia negra e permanece imortal - ainda que sua beleza tenha sido sacrificada no processo. Para restaurar sua aparência, a vilã sacrifica 12 meninas e bebe seu sangue, tendo sua juventude reconquistada. Uma bruxa digna das fábulas!

Imagem de capa do item

Muriel - João e Maria: Caçadores de Bruxas

E por falar em contos-de-fadas, não podemos nos esquecer da reinterpretação moderna de João e Maria. Aqui, acompanhamos os dois irmãos como ferozes caçadores de bruxas, que precisam lutar contra o mal propagado por essas feiticeiras diabólicas. E sua maior inimiga toma a forma de Muriel, uma mulher bela que logo revela sua face verdadeira e medonha.

Letal tanto em aparência quanto em poder, Muriel é a líder de um coven de bruxas das trevas, dispostas a acabar de uma vez por toda com os irmãos mercenários. Ela emprega táticas poderosas de sedução e feitiços devastadores. Embora o filme não seja lá essas coisas, a bruxa interpretada por Famke Janssen ainda nos dá calafrios...

Imagem de capa do item

Elly Kedward - A Bruxa de Blair

Há algo de muito assustador na ausência. E é por isso que A Bruxa de Blair é um filme tão eficaz. Elly Kedward é retratada como uma lenda local, uma bruxa que sequestrava crianças e as utilizava em seus rituais. O mais interessante é que - ao menos no filme original - ela nunca aparece, o que a torna ainda mais assombrosa.

Sua história é pontuada por mistérios e nós nunca sabemos se ela de fato existe ou se é apenas uma lenda urbana da cidade. Sua aparência física também é descrita de diversas formas, o que só contribui para que ela seja ainda mais aterrorizante em nossa imaginação. Dentre todas as da lista, ela é a mais misteriosa e enigmática.

Imagem de capa do item

Os Castevets - O Bebê de Rosemary

Durante um bom tempo, os Estados Unidos se renderam ao “pânico satânico”. Isso foi um movimento iniciado nas décadas de 70 e 80, mas com base nas formações de cultos satanistas que surgiram em larga escala nas décadas anteriores. E o clássico O Bebê de Rosemary trata muito bem desse assunto, ao mostrar a perniciosa influência de adoradores do diabo.

Na trama, conhecemos uma mãe pronta para ter seu filho - que, embora ela não saiba, é o anticristo e filho de Satanás. E os responsáveis por fazê-la sucumbir ao Príncipe das Trevas são os Castevets - dois senhores simpáticos, que na verdade são bruxos adoradores do capeta. Por mais acolhedora que a Sra. Minnie Castevet seja, ela também é bem perigosa.

Imagem de capa do item

Haggis - Pumpkinhead: A Vingança do Diabo

Um dos clássicos do horror trash, Pumpkinhead: A Vingança do Diabo conta a história de um pai que, para se vingar pela morte de seu filho, acaba entrando em contato com uma bruxa, para que ela possa invocar um ser sombrio e aterrorizante que cumpra o “trabalho sujo”. E embora o Pumpkinhead seja uma criatura bem aterradora, a entidade mais assustadora do filme é a bruxa Haggis.

Uma velha sinistra e isolada, ela aparece bem pouco - mas sua participação é o suficiente para nos dar calafrios. Em seu casebre à luz de velas, Haggis consegue ser ainda mais tenebrosa, como toda bruxa de um conto-de-fadas sombrio. Uma pena que as sequências não souberam trabalhar bem a mulher, transformando-a em um recurso barato para dar sustos.

Imagem de capa do item

Sylvia Ganush - Arraste-me Para o Inferno

Toda ação tem uma reação, e Arraste-me para o Inferno, de Sam Raimi, é uma prova cabal disso. Aqui, acompanhamos a jornada de uma mulher que, ao recusar-se a ajudar a cigana Sylvia Ganush, acaba sendo perseguida por ela, que deseja uma vingança lenta e dolorosa. E Ganush acaba passando de uma senhora indefesa a um ser hediondo.

Ela deseja acabar de uma vez com todas com a vida de quem lhe humilhou, e emprega os meios mais astutos para isso - chegando a invocar o demônio Lâmia, que a atormenta incessantemente durante três dias, antes de literalmente arrastá-la para o inferno. Então pense bem antes de recusar-se a ajudar alguém necessitado.

Imagem de capa do item

Princesa Asa Vajda - A Maldição do Demônio

Um ícone do horror dos anos 60, A Maldição do Demônio é um dos melhores filmes de bruxas já feito, concebido por um mestre do terror italiano Mario Bava. No longa, nós conhecemos a história de Asa Vajda, uma mulher que é acusada de bruxaria por sua própria irmã, e acaba sendo condenada à fogueira.

Anos depois, ela ressurge quando seu local de descanso é profanado, e passa a aterrorizar uma das descendentes de sua irmã, a jovem Katia Vajda. Sua meta é drenar a alma da mulher e, através disso, conquistar sua própria imortalidade. E, apesar do filme já ser bem datado para os padrões dessa época, ela continua sendo bem aterrorizante.

Imagem de capa do item

Bathsheba Sherman - Invocação do Mal

A franquia Invocação do Mal é cheia de criaturas bizarras e diabólicas - como a maldita boneca Annabelle ou o Valak, que assume a forma de uma freira demoníaca. No entanto, o primeiro filme voltado para a história de Ed e Lorraine Warren possui uma inimiga completamente diferente: o espírito de Bathsheba Sherman.

Trata-se de uma bruxa que viveu na casa investigada pelos demonologistas, que sacrificava crianças para o diabo, e que se matou. Desde então, ela possui os novos moradores e faz com que eles assassinem seus próprios filhos - algo que ela pratica em Carolyn Perron, a nova moradora do local. Para que ela possa ser destruída, um exorcismo precisa começar.

Imagem de capa do item

Mater Suspiriorum - Suspiria

Em primeiro lugar, não podemos nos esquecer que não há bruxa mais assustadora e diabólica que a Mater Suspiriorum - ou, como é mais conhecida, a Mãe dos Suspiros. Ela é a mais velha entre três poderosas bruxas que protagonizam uma trilogia de filmes do mestre do horror, Dario Argento. E, das três, ela é a mais sábia e astuta.

Disfarçada como Helena Markos, ela toma conta de uma escola de dança na Alemanha, onde seleciona jovens mulheres para servirem como seus sacrifícios. Ela controla uma legião de fiéis seguidores, encabeçados pela Madame Blanc, e apesar de ser centenária, seus poderes são incríveis e aterrorizantes, enquanto ela participa dos seus rituais sombrios.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux