Capa da Publicação

13 quadrinhos de horror que você precisa conhecer!

Por Márcio Jangarélli

Dando seguimento nas festividades macabras da semana do Halloween, escolhemos 13 quadrinhos de horror que você precisa conhecer! Muitos monstros, adaptações de Lovecraft e sangue. Muito sangue.

Imagem de capa do item

Strange Tales

Começando com uma clássica: Strange Tales, da Marvel, é uma série antológica que foi publicada entre os anos 50 e 80. Sua premissa era apresentar histórias de ficção e suspense, idealizada por Jack Kirby e Steve Ditko. É aqui que aparecem pela primeira vez alguns dos personagens icônicos da empresa, como o Doutor Estranho e o Nick Fury.

Imagem de capa do item

Contos da Cripta

A HQ que baseou a clássica série de horror/terror dos anos 80-90, Contos da Cripta, da EC Comics, é clássico e um marco para os quadrinhos do gênero. Publicada entre 1950-55, a revista também seguia um formato antológico, de contos, focada no terror e horror.

Imagem de capa do item

Neonomicon

A primeira do Alan Moore na lista, The Courtyard e Neonomicon levam o cânone monstruoso de H.P. Lovecraft para os quadrinhos. Escrita por Moore e ilustrada por Jacen Burrows, The Courtyard foi publicada em 2003, enquanto Neonomicon é de 2010-2011, ganhando o Bram Stoker Awards em 2012. Aterrorizante e épica.

Imagem de capa do item

Wytches

Uma das melhores e mais terríveis obras de Scott Snyder, Wytches é uma história sufocante sobre medos primários, satanismo e monstros - acompanhando a família Rook e sua busca por um recomeço, depois do envolvimento de sua filha no desaparecimento de uma garota do colégio.

Imagem de capa do item

Uzumaki

Representando os mangás – que possuem MUITO material excelente de horror/terror (no fim das contas, grande parte da produção ocidental do gênero é inspirada nos produtos de lá) – Uzumaki, de Junji Ito, é mais que horrível.

A história é sobre os cidadãos de Kurôzu-cho, uma cidade fictícia amaldiçoada por espirais. Difícil de entender, certo? Mas acreditem, é aterrorizante. Tem tudo que uma boa história de horror japonesa precisa: um tema bizarro, cabelo amaldiçoado e muito suspense.

Imagem de capa do item

Sandman

Neil Gaiman é um mestre do suspense e do horror. Sua visão particularmente psicodélica, psicótica e detalhista do sobrenatural é simplesmente fantástica. E essa visão é a base de Sandman. Ainda que o épico do Senhor dos Sonhos viaje pela mitologia, o horror intrínseco no meio da história, como se viesse direto de um pesadelo, é fenomenal.

Essa parte mais assustadora da história pode ser vista logo nas primeiras fases da trama, como em Prelúdios e Noturnos e o embate entre Morfeu e o Doutor Destino no restaurante coberto de sangue, ou Casa de Bonecas, com a apresentação do Coríntio e a convenção de assassinos.

Imagem de capa do item

Hellboy

Outro que se utiliza muito do horror, principalmente das raízes Lovecraft da coisa, mas de forma mais sutil e delicada é Mike Mignola em Hellboy. Inundado em mito e folclore, Hellboy passa por situações grotescas e terríveis, minimizadas pelo estilo da arte e pelo tom da história.

Imagem de capa do item

Providence

Voltando pro Alan Moore, ainda falando de Lovecraft, uma das últimas histórias do autor foi a aclamada Providence, publicada entre o ano passado e esse ano. Conectada com Necronomicon, Providence segue o escritor Robert Black, enquanto ele se aventura na trama criada por Moore, na tentativa de ser a “maior ficção Lovecraft”.

Imagem de capa do item

The Yellow King

Uma adaptação em quadrinhos do livro que inspirou a primeira temporada de True Detective, The King in Yellow, de Robert Chambers e I.N.J. Culbard, adapta os contos mais sobrenaturais da obra original.

Todas as histórias são ligadas a esse livro misterioso, “The King in Yellow”, que, assim como o Necronomicon do Lovecraft, leva qualquer um que o lê à loucura, se preparando para a chegada do famigerado Rei do título.

Imagem de capa do item

Batman: Asilo Arkham

Do panteão heroico, o Batman talvez seja o encapuzado que mais flerta com o horror. Um ótimo exemplo disso é a perturbadora Batman: Asilo Arkham - Uma Séria Casa em Um Sério Mundo, de 1989. A história é simples: Os pacientes do Asilo se libertam mais uma vez e tomam conta do local, fazendo reféns e exigindo o Batman.

É assim que o Homem-Morcego entra para encarar seus piores inimigos. Porém, a arte psicótica do genial Dave McKean, famoso por seu trabalho em Sandman, aliada à narrativa insana e a trama cada vez mais doentia, criam uma história horrível, difícil de digerir e magnífica.

Imagem de capa do item

House of Penance

Considerada uma das melhores obras de horror dos últimos tempos, House of Penance, de Peter Tomasi e Ian Bertram, conta a história de um dos incidentes mais bizarros do começo do século XX.

A trama é baseada em alguns fatos, com a viúva Sarah Winchester construindo uma mansão para abrigar as almas dos mortos pelas armas criadas por seu falecido marido, como uma penitência para sua família e seus pecados. Macabra, impressionante e sangrenta.

Imagem de capa do item

The Walking Dead

Não podiam faltar alguns zumbis aqui. Um dos melhores quadrinhos de zumbi de todos os tempos, The Walking Dead é um fenômeno pop sem igual, tanto nas revistas, quanto na série de TV.

Vilões icônicos, violência pura e uma trama tão contagiante quanto o próprio vírus zumbi. Quem só acompanha a série deveria dar uma chance para os quadrinhos.

Imagem de capa do item

Do Inferno

Finalizando com Alan Moore e sua grandiosa obra sobre o Jack, o Estripador. Quando se trata de horror, Moore é excepcional e, nesse caso, mais minucioso e incrível que nunca.

O autor pega um dos assassinos mais lendários da história e, para contar sua história, cria uma obra densa, detalhada e imersa em camadas. Toda em preto e branco, a trama trabalha com uma das teorias mais famosas sobre o serial killer – uma conspiração envolvendo a coroa e o herdeiro do trono britânico.

Imagem de perfil
Márcio Jangarélli

Assessor, redator e jornalista. Madonna de Jakku.