Capa da Publicação

12 Problemas que ninguém quer admitir sobre Capitão América: Guerra Civil!

Por Gus Fiaux
Imagem de capa do item

O filme será vendido como "Capitão América - Guerra Civil"

O grande problema de Guerra Civil já começa pelo fato desse ser um subtítulo da terceira aventura solo do Capitão América. O lado prejudicial de tudo isso é que, se eles optarem por seguir a Guerra Civil em si, o Capitão América será um protagonista, mas sem o destaque dos filmes anteriores.

E caso desejem seguir o lado "Capitão América"... Bem, falaremos disso mais pra frente.

Imagem de capa do item

Não há personagens suficientes para uma "guerra"

Aceite ou não, o Universo Marvel ainda caminha bem lentamente nos cinemas. Comparado aos quadrinhos, o MCU apresenta pouquíssimos personagens, e isso não é legal para analisar as causas e efeitos da Guerra Civil.

Nas HQs, a saga envolveu vários heróis fora do núcleo apenas dos Vingadores. Foi realmente uma guerra, com grandes equipes se separando ideologicamente e perdendo membros a cada nova batalha. Com a quantidade de heróis que temos no cinema, se chegar ao nível de uma "Briga de Rua Civil", devemos ficar agradecidos.

Imagem de capa do item

O Hulk

Aqui há um grande dilema: Se o Hulk retornar para Guerra Civil, todo o peso de sua fuga será amenizado. Entretanto, se ele continuar onde quer que esteja, irá parecer que os heróis estão falando sobre catástrofes sem ligar para a maior delas.

O Hulk tem que, de algum modo, ser inserido na narrativa, ainda que por modo de diálogos e planos referentes ao projeto de aprovação da Lei de Registro.

Imagem de capa do item

Mortes no MCU e nada são a mesma coisa

Depois de algumas várias ressurreições milagrosas, o MCU perdeu todo o impacto de uma morte dramática. Um exemplo disso é o [SPOILER] fim de Vingadores 2, no qual um personagem importante acaba sendo alvejado [FIM DO SPOILER]. Algo que era para causar reações emocionais nos fãs foi recebido apenas com um "Okay. Mas ele volta".

Nos quadrinhos, a Guerra Civil trouxe uma morte chocante e inesperada: a do próprio Sentinela da Liberdade. Entretanto, devido ao tom descompromissado da Marvel, é bem provável que tal acontecimento seja amenizado ou nem mesmo aconteça. E se acontecer, no próximo filme tudo já volta ao normal.

Imagem de capa do item

Como faz pra deixar de gostar de Robert Downey Jr.?

O Tony Stark de Downey Jr. se consagrou como um dos personagens mais carismáticos e envolventes do MCU. Aqui, se o filme é do Capitão América, é óbvio que ele será tido como o vilão da história.

Mas como nos fazer odiar Downey? É difícil imaginar sequer pessoas tomando apatia por Stark devido aos atos hediondos que ele irá causar se logo que pensamos no personagem, trazemos junto à imagem do ator que o interpreta.

Imagem de capa do item

Barão Zemo nem sequer vai importar

Ainda que ele possa agir por debaixo dos panos, movimentando as cordinhas que darão início à Guerra Civil, ninguém realmente estará interessado no Barão Zemo do filme. As pessoas querem ver herói contra herói.

E esse é um grande problema: se o personagem for inserido de modo desnecessário ou desinteressante ao resto da trama, passará a sensação de que o filme está se enchendo em excesso, porém sem razão.

Imagem de capa do item

O debate político

A Guerra Civil dos quadrinhos é um evento que lidou diretamente com questões ideológicas como as liberdades individuais, intrigas políticas e separação entre o que é certo e o que é fácil.

No MCU, reconhecido por diminuir um pouco do peso das HQs em prol do espetáculo e entretenimento, o evento pode consideravelmente perder seu significado, tornando-se apenas uma sucessão de sequências de ação entre heróis.

Imagem de capa do item

Isso divide a fan-base

Se realmente tivermos o Homem de Ferro carismático e agradável em Guerra Civil, há uma grande chance dos fãs escolherem lados, o que poderia indicar até mesmo a forma como os futuros filmes renderiam.

Isso sem contar as inúmeras briguinhas entre fanboys...

Imagem de capa do item

A profundidade do evento é impossível de ser recapturada

Outro problema que pode ser gravíssimo quando passado aos cinemas: nas HQs, a Guerra Civil deixou drásticas consequências, muitas das quais perduram até hoje.

Entretanto, em um filme reduzido, é quase impossível que essas consequências reverberem. Em se tratando de um filme solo, é ainda mais improvável que isso aconteça. Ou alguém ainda se lembra do que Tony fez ao final de Homem de Ferro 3?

Imagem de capa do item

Homem-Aranha

Ao que sabemos, o novo Homem-Aranha será introduzido diretamente em Guerra Civil. Entretanto, não parece bem a cara da Marvel apenas dar uma ponta a um de seus heróis mais lucrativos.

É bem provável que o novo Homem-Aranha ganhe um destaque admirável, lotando ainda mais o filme e tirando cada vez mais o foco do Capitão América. Também será catastrófico caso resolvam adaptar literalmente a passagem do personagem na Guerra Civil das HQs.

Imagem de capa do item

O final

Note um padrão curioso: a Marvel até hoje não teve sequer um final triste, sombrio e dramático para seus filmes. Até finais não tão felizes como Thor e Vingadores 2 trouxeram os heróis sorrindo, reunidos e na esperança de um futuro melhor.

E é justamente o que a Guerra Civil não faz nos quadrinhos. Com a morte do Capitão América, o mundo passa a ser pessimista e assustador, algo que só iria aumentando nos anos seguintes com a Invasão Secreta e o Reinado Sombrio.

Imagem de capa do item

Apenas um filme

A maioria dos problemas já mencionados gira em torno de um fato único: um evento grandioso como Guerra Civil não deveria ser adaptado em um único filme. Ainda mais um filme solo do Capitão América.

Os personagens deveriam ter espaço para ser desenvolvidos, a ação deveria contar com grandes consequências, além de a história ter que fluir de uma forma não corrida.

E se a Marvel estivesse interessada em fazer algo para abordar os dois lados da guerra, a solução mais viável seria fazer um quarto filme solo do Homem de Ferro abordando seu lado da Guerra Civil.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux