Capa da Publicação

11 filmes biográficos de músicos que você precisa assistir!

Por Gus Fiaux

Todos os anos, somos infestados com dezenas de cinebiografias, das mais diversas personalidades e figuras históricas. Nesse meio, um “subgênero” que se proliferou muito rapidamente foram as biografias de músicos, que sempre surgem para mostrar um outro lado da celebridade que nós tanto idolatramos.

Aproveitando o lançamento do aguardado Bohemian Rhapsody, estamos listando aqui 11 cinebiografias de músicos que você precisa conferir! No entanto, documentários foram propositalmente deixados de lado, já que são tipos diferentes de filmes.

Créditos: Divulgação

Imagem de capa do item

Elvis (1979)

Começamos esta lista com um dos maiores músicos de todos os tempos: Elvis Presley. Desde sua morte, várias biografias e filmes foram feitos, explorando sua vida e carreira, mas nenhuma conseguiu ir tão bem quanto esse telefilme de 1979, onde vemos Kurt Russell brilhantemente caracterizado como o astro do rock.

Indicado ao Emmy e ao Globo de Ouro, o filme foi dirigido por ninguém menos que John Carpenter, um grande cineasta famoso por seus longas de horror. Aqui, ele nos apresenta os grandes méritos de Presley, mas também testemunhamos seu lado sombrio e os defeitos que geralmente foram excluídos de outras cinebiografias.

Imagem de capa do item

Amadeus (1984)

Baseado em uma peça - que, por sua vez, traz várias discrepâncias com a história real -, Amadeus se beneficia de uma brilhante direção - do tcheco Miloš Forman - para contar um pouco da vida de Wolfgang Amadeus Mozart, um dos maiores compositores de música clássica da história.

O longa romanceia vários detalhes da história, como a rivalidade entre Mozart e Antonio Salieri, enquanto explora muito bem a grandiloquência do músico - seja em sua interpretação muito excêntrica, por parte de Tom Hulce, ou pelas magníficas orquestras que são elaboradas ao longo do longa. É uma obra impecável, que ganhou o Oscar de Melhor Filme.

Imagem de capa do item

Ray (2004)

Ray Charles é um dos maiores nomes do soul, do blues e do jazz, e o filme dirigido por Taylor Hackford faz questão de aproveitar e explorar cada detalhe disso, a partir da premiada interpretação de Jamie Foxx, que deu a ele o Oscar de Melhor Ator em 2005. Curiosamente, Ray Charles morreu pouco tempo antes do lançamento do longa.

O filme se destaca ao mostrar como Ray precisou, de alguma forma, superar os desafios que vieram com sua cegueira. Aqui, exploramos a jornada do músico através de seu talento incomparável com o piano. É um filme longo, mas que explora cada faceta da vida de Charles, e mostra o lado humano de um ídolo.

Imagem de capa do item

Cazuza: O Tempo Não Para (2004)

A música brasileira também tem espaço nos cinemas, e um dos filmes que explora isso a fundo, além de nos dar uma perspectiva única sobre seu protagonista é Cazuza: O Tempo Não Para, que traz Daniel de Oliveira em uma interpretação icônica do astro, desde a fama até seu leito de morte.

O filme explora várias fases de sua vida musical, desde os primeiros sucessos do Circo Voador e do Barão Vermelho até sua carreira solo. Aqui, também temos uma retratação histórica muito importante, pois o filme explora o início da epidemia de AIDS no Brasil. O grande destaque vai para Marieta Severo, que interpreta a mãe do cantor e compositor.

Imagem de capa do item

Johnny & June (Walk the Line, 2005)

Alguns filmes ganham um status "clássico" por estabelecerem uma estrutura que é utilizada frequentemente por outros longas. E, se estamos falando das biografias musicais, com certeza precisamos citar Johnny & June, que basicamente "criou" o modelo de "ascensão-queda-redenção" que vemos em vários filmes do tipo.

Dirigido por James Mangold - de Logan -, o filme conta a história de ninguém menos que Johnny Cash e sua relação com June Carter. O filme conta com as brilhantes atuações de Joaquin Phoenix e Reese Witherspoon, dando uma humanidade excepcional a um dos maiores ícones da música country norte-americana.

Imagem de capa do item

Dois Filhos de Francisco (2005)

Ainda voltando ao cinema nacional, não podemos nos esquecer do poder que a música sertaneja exerce pelo país, especialmente nos interiores. E é justamente isso que vemos em Dois Filhos de Francisco, a tocante biografia de Zezé Di Camargo & Luciano. Aqui, acompanhamos a infância da dupla, e sua ascensão ao sucesso.

O filme consegue, ao mesmo tempo, ser emocionante e honesto ao recapitular grandes eventos da história da dupla - como, por exemplo, a morte de Emival, o irmão mais novo de Zezé e que originalmente, cantava com ele. Além disso, vemos também um pouco da carreira meteórica de Zezé e Luciano, quando já haviam conquistado as rádios brasileiras.

Imagem de capa do item

Dreamgirls: Em Busca de um Sonho (Dreamgirls, 2006)

De todos os longas citados nesta lista, Dreamgirls é provavelmente o mais diferente. Isso porque é, em sua base, um longa ficcional sobre um grupo de cantoras. No entanto, o filme explora basicamente toda a história do The Supremes, um grupo feminino de R&B que ficou extremamente popular nas rádios na década de 60.

Ainda que não conte com nenhuma música clássica do grupo, e nem explore nenhuma personagem "real", o longa é visivelmente inspirado na ascensão dessas cantoras - e tem um grande mérito nas atuações, especialmente de Beyoncé, Jamie Foxx e Jennifer Hudson. Destaque também para as canções originais, como "And I Am Telling You I'm Not Going".

Imagem de capa do item

Piaf: Um Hino ao Amor (La Vie en Rose, 2007)

Há pouco mais de dez anos, Marion Cotillard recebeu a oportunidade de interpretar a icônica Édith Piaf em uma biografia, e acabou surpreendendo o público com uma atuação que lhe rendeu o Oscar de Melhor Atriz no ano posterior ao lançamento do longa. Aqui, vemos a volatilidade e a vulnerabilidade da cantora francesa.

Estruturado de uma forma não-linear, o filme traz vários eventos da vida de Piaf, desde sua infância aos momentos anteriores à sua morte, em 1963. O longa foi extremamente aclamado, por mostrar um lado muito humanizado e tocante da cantora, e recebeu grandes elogios pela reconstrução de época e, é claro, pela atuação de Cotillard. "Vejo a vida em cor de rosa".

Imagem de capa do item

Get on Up: A História de James Brown (Get on Up, 2014)

Protagonizado por ninguém menos que Chadwick Boseman - que hoje conhecemos pelo papel do Pantera Negra no Universo Cinematográfico da Marvel -, Get on Up, como o subtítulo nacional sugere, é a biografia de James Brown, um dos maiores representantes do blues, funk e do rock norte-americano.

O filme, assim como a biografia de Édith Piaf, prefere recontar a vida do cantor de uma forma não-linear, explorando a atemporalidade da música de Brown. É um filme energético, sexy e cheio de vida, assim como o próprio músico era. Além disso, destaque para as várias apresentações musicais, que são de tirar o fôlego.

Imagem de capa do item

Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton, 2015)

Com todo o charme ostensivo do hip-hop, o longa Straight Outta Compton conquistou o público em 2015, por contar a "biografia autorizada" do N.W.A, um dos maiores grupos de rap dos Estados Unidos. No entanto, o filme também vai além da música, e começa a explorar o lado social.

Aqui, temos uma visão clara da questão racial em peso em solo norte-americano, enquanto o longa nos presenteia com performances altamente vívidas. Alguns podem se incomodar com o endeusamento de Ice Cube e Dr. Dre, mas o filme ao menos é bem honesto com seus próprios exageros e excessos.

Imagem de capa do item

Bohemian Rhapsody (2018)

Tendo entrado em cartaz nos cinemas na última quinta-feira, Bohemian Rhapsody vem para contar a história de um dos maiores ícones do rock* mundial: Freddie Mercury. No filme, testemunhamos toda a ascensão, queda e redenção do músico, enquanto acompanhamos a carreira do Queen.

Com Rami Malek interpretando perfeitamente o cantor e compositor, o filme usa o tom de espetáculo para mostrar toda a excentricidade e os trejeitos de Freddie, em uma história que se estende por cerca de quinze anos, desde sua entrada na banda ao icônico show do Live-Aid, que marcou o retorno de Freddie ao Queen.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux