Capa da Publicação

10 séries canceladas que a Netflix poderia salvar!

Por Equipe Legião dos Heróis

Muitos seriados queridos vêm e vão, mas alguns deixam marcas em nós (num bom sentido, claro) que são difíceis de cicatrizar completamente. Algumas obras até ganham um desfecho satisfatório, mas e quando deixam aquele gostinho de quero mais? Ainda mais quando sentimos que o show tinha potencial para mais temporadas.

Esta lista, portanto, reúne 10 séries que a Netflix poderia salvar, trazer de volta, reunir o elenco para um especial, fazer um filme, ou quaisquer outras alternativas. Claro que uma temporada a mais seria o ideal, mas às vezes um conteúdo especial valeria também. De toda forma, eis os selecionados!

Imagem de capa do item

Marvel’s Most Wanted

Os personagens Lance Hunter (Nick Blood) e Bobbi Morse, ou a Harpia (Adrianne Pallicki) foram apresentados e desenvolvidos ao longo da segunda temporada de Agents of S.H.I.E.L.D., justamente para que posteriormente a dupla estrelasse a sua própria série: Marvel’s Most Wanted.

Todavia, o spin-off acabou sendo cancelado antes mesmo de ver a luz do dia. O piloto ainda chegou a ser gravado, mas o episódio nunca foi exibido pela ABC. Seria uma boa se a Netflix resolvesse resgatar esse projeto, diminuindo assim a sensação de que o investimento não foi em vão.

O vídeo não está mais disponível.

Arquivo X

Como todos sabem, essa série tem um longo histórico. Depois de 9 temporadas e dois filmes, houve uma pausa de 14 anos até que o show de investigação e ficção cientifica retornasse, só que, dessa vez, em formato de minissérie. Deu certo com as temporadas 10 e 11.

Todavia, Gillian Anderson, a agente Dana Scully do show, disse que não mais voltaria a interpretar a personagem em uma possível temporada 12. Com isso, novamente, a série volta a fazer uma pausa e sem previsão de retorno dessa vez .

Já foram consideradas algumas alternativas, e até mesmo substituição. Mas sinceramente? Já passamos por isso uma vez (ainda que temporariamente) e não deu muito certo. E rodar a série apenas com David Duchovny na pele do agente Fox Mulder, também não seria legal.

Será que se a Netflix oferecesse uma saída, nem que fosse um novo e decisivo filme, a Anderson voltaria a contracenar com o Duchovny para terminar essa longa e amada obra?

Imagem de capa do item

Torchwood

Doctor Who teve vários spin-offs ao longo de sua existência, e Torchwood foi um dos que mais durou em termos de exibição, e também um dos mais queridos pelos Whovians, em suma por conta de seu elenco carismático e as histórias um tanto mais adultas por assim dizer.

Na história, o Instituto Torchwood, uma organização secreta, é fundada pela Coroa Britânica para proteger a Terra de ameaças alienígenas e sobrenaturais. Também cabe aos integrantes desse improvável time investigar acontecimentos fantásticos e salvar, muitas vezes, o planeta.

O sucesso e o carinho por Torchwood foram tanto que a série até mesmo continuou após a quarta temporada, só que em formato de áudio drama. A Netflix bem poderia repetir a parceria com a BBC, se unindo para co-produzir uma nova temporada em live-action.

Hannibal

Bryan Fuller não teve muita sorte com suas séries até aqui – ou então não assinou com as emissoras certas, talvez. Em seu currículo constam Dead Like Me, Wonderfalls, Pushing Daisies, várias séries de Star Trek e, mais recentemente, American Gods.

Antes de American Gods e Star Trek: Discovery, porém, Fuller tinha trazido o serial killer e canibal Hannibal Lecter para os holofotes novamente em uma série só dele, recontando os eventos de sua série de livros e de filmes (com exceção de Silêncio dos Inocentes) de maneira sadicamente visual e subjetivamente visceral.

No elenco brilharam Hugh Dancy como o Dr. Will Graham e Mads Mikkelsen na pele do personagem que dá nome ao seriado. Caroline Dhavernas, Laurence Fishburne e Gillian Anderson também deram o ar de sua graça e transformaram essa série em uma peça de sabor único.

O sonho de todo a base de fãs de Hannibal é que Fuller consiga retomar com o seriado um dia. Uma mãozinha aqui, Netflix?

Imagem de capa do item

Veronica Mars

Um seriado queridinho para muita gente por aí e que colocou Kristen Bell nos holofotes. A série teve 3 temporadas antes de ser cancelada em 2007 e, graças a uma campanha de financiamento feita por fãs, um projeto para um filme foi aprovado.

O filme de 2014 fez sucesso com a crítica e o público, e Bell até mesmo se interessou em reprisar seu papel como a personagem que dá nome à série, em uma sequência. Está na hora, viu Netflix!

Imagem de capa do item

Vicious

Imagine uma série estrelada por ícones britânicos, e protagonizado pelo ás das peças de teatro Derek Jacobi e o memorável Ian McKellen. Imaginou? Agora acrescente o fato de que esses dois grandes atores interpretam um casal gay que vive junto há quase 50 anos, e que Iwan Rheon acaba de chegar ao prédio onde eles vivem e se torna seu novo vizinho.

Vicious é risada do começo ao fim com seu humor extremamente ácido, além de referências refinadas à televisão e a cultura pop. Uma série elegante e divertida que não precisa exatamente ser salva, mas que a Netflix bem poderia trazer de volta. McKellen e Jacobi juntos é o que o mundo precisa.

Imagem de capa do item

Marvel’s Agent Carter

Em qualquer lista que se preze que cita séries que foram canceladas antes da hora, Marvel’s Agent Carter está lá. E não é para menos porque o potencial era grande, e Hayley Atwell no papel de Peggy Carter brilhava como ninguém.

A ABC infelizmente não encomendou mais episódios depois do final da segunda temporada que contava um pouco das origens do MCU, focado na América da década de 1940. A série era, inclusive, uma ponte para muitos potenciais prequels, e acabou se tornando um sonho distante apenas.

Ainda existem pessoas que acreditam que a Netflix pode salvar a agente Carter no futuro, mas com o serviço de streaming da Disney vindo aí, essa ideia se torna cada vez mais distante. Mas é como dizem: a esperança é a última que morre.

Dollhouse

Outra série precocemente cancelada após apenas duas temporadas. O show era dirigido e escrito por Joss Whedon e trazia Eliza Dushku, finalmente reconhecida e apreciada em um papel principal.

A história mostrava uma corporação que gerencia as chamadas Dollhouses, locais onde são criadas as Bonecas – indivíduos com personalidades e habilidades temporárias que são contratadas para serviços diversos. Após essas missões, as memórias e personalidades desses seres são apagados.

A protagonista, Echo (Dushku), porém, começa a recobrar de coisas que não deveria e parte em uma jornada de redescobrimento. Bem que a Netflix podia redescobrir Dollhouse e trazê-la de volta, não é mesmo?

Imagem de capa do item

Jericho

Outra que sofreu com o fantasma das duas temporadas, mas tinha um baita potencial para mais. Na história de Jericho, uma suposta explosão nuclear acontece e apenas os residentes da cidade que dá nome à série aparentemente são os únicos sobreviventes, apesar de estarem isolados do restante dos estados americanos.

A série mostrava diversos conflitos internos e externos dos residentes de Jericho em um emaranhado de tramas que estava deixando tudo mais interessante, até que o show sofreu um duro golpe do destino. Nunca é tarde para recomeçar, porém, e da mesma forma que os personagens lutavam para reconstruir a cidade, a Netflix bem que podia reerguer o seriado das cinzas também.

Imagem de capa do item

Firefly

Firefly também teve a mão de Joss Whedon e, diferente de todas as outras listadas até aqui curiosamente, não obteve sequer um sinal verde para a segunda temporada. Foram produzidos 14 episódios e negociações foram feitas com a FOX para a exibição da primeira temporada.

A emissora, porém, exibiu os episódios em uma ordem aleatória e, com a audiência baixíssima devido a falta de continuidade dos capítulos, a série foi cancelada após 11 episódios exibidos. Os cowboys espaciais de Whedon, porém, só ganharam destaque após pesquisas realizadas na mídia, que destacavam o show e o filme que foi feito logo em seguida, Serenity, como uma das melhores obras de ficção científica de todos os tempos.

A série funcionava muito bem com os elementos clássicos que Whedon sempre soube trabalhar: personagens bastante carismáticos e complexos, casos da semana enquanto a história principal se desenrolava ao fundo, temáticas abordadas com uma pontinha de crítica, e muito mais. Seria um sonho imaginar a Netflix realizando ao menos uma reunião do elenco para um especial?

Imagem de perfil
Equipe Legião dos Heróis

"Você já dançou com o demônio sob a luz do luar?"