Capa da Publicação

10 remakes de jogos que gostaríamos de ver!

Por Equipe Legião dos Heróis

Pegando carona em um grande clássico dos videogames que está ganhando um remake, isto é, Resident Evil 2 (que a Capcom chama de reimaginação); resolvemos fazer uma lista de títulos em geral que achamos que merece ser refeitos.

Antes de prosseguir, queremos que uma coisa fique clara: a diferença entre remake, remasterização e reboot. O primeiro é quando uma obra é refeita e geralmente conta com novidades quando comparado com o original.

Remasterização é quando o jogo original recebe um tratamento, polida, calibrada, etc. Nada demais e não muda muita coisa. Por fim, o reboot é quando é reiniciado, então temos algo totalmente novo.

Aqui falaremos de jogos que merecem remakes. A de remasterização ou de reboot fica para uma outra hora.

Shining Force

Esse é apenas mais um dentre tantos RPGs clássicos que merecem um remake. É o segundo game da franquia Shining, tendo sido o primeiro Shining in the Darkness, em 1991. No ano seguinte, veio Shining Force, e o game até chegou a ganhar um remake para GameBoy Advance, intitulado Shining Force: Resurrection of the Dark Dragon em 2010, mas morreu por aí.

A franquia ainda existe e já se expandiu para inúmeros spin-offs também, mas o primeiro ficou esquecido em algum lugar do tempo e seria interessante revive-lo com gráficos e mecânicas semelhantes ao de Sword Legacy: Omen, por exemplo.

Imagem de capa do item

Goemon’s Great Adventure

Este clássico do Nintendo64 é uma pérola que poucos lembram, mas sua série de jogos, Ganbare Goemon, é extensa e possui diversos títulos. A saga do ninja de cabelos azuis e seus amigos oferece o gênero plataforma em sua melhor forma no console da Big N.

O jogo é ambientado em um Japão feudal que, apesar de não parecer, está muito à frente de seu tempo. O jogo faz piadas com muitas obras da cultura pop japonesa inclusive, homenageando-as de maneiras bem icônicas.

Um remake com gráficos mais estilizados, que lembram anime e mantendo a jogabilidade parecida com o original seria o ponto ideal.

Imagem de capa do item

Castlevania III: Dracula’s Curse

O primeiro Castlevania foi lançado há 32 anos e já ganhou alguns remakes ao longo dos anos. É o caso de Super Castlevania IV e Castlevania Chronicles. O primeiro jogo da franquia certamente também merece ser refeito com a tecnologia atual. Chuto que, se algo fosse feito aos moldes do título exclusivo para PSP, Castlevania Dracula X Chronicles, seria perfeito.

Porém, vamos considerar o segundo game na cronologia da história da série, Castlevania III: Dracula’s Curse. Ele foi lançado originalmente em 1989 e sua narrativa se passa em 1476. A série animada da Netflix, por sinal, retrata justamente esse jogo. Seria legal se a Konami pegasse o embalo disso e produzisse o remake.

Imagem de capa do item

Shinobi III: Return of the Ninja Master

Com o recente anúncio de Streets of Rage 4, é impossível não pensar em como seriam outros clássicos do gênero beat em’ up da época do MegaDrive reimaginados. Shinobi rendeu muitos jogos, tendo sido o último lançado para Nintendo 3DS em 2011 com um híbrido de 2.5D que não chamou muita atenção.

Talvez fosse diferente se o terceiro jogo fosse refeito com animações chamativas e coloridas, mantendo a jogabilidade e os gráficos parecidos (veja bem, parecidos!) com o original e, claro, contando com o mestre Yuzo Koshiro na trilha sonora novamente. Bom, sonhar é de graça, ainda bem.

Imagem de capa do item

Final Fantasy VI

Todos sabem que é o VII que está ganhando um remake (que, reza a lenda, ainda está em andamento), mas o VI poderia receber um à altura também. O game foi lançado originalmente em 1994 e depois relançado várias vezes para diferentes plataformas, ganhando até mesmo remasterizações nesse meio tempo. Contudo, o justo realmente seria refaze-lo.

Um novo Final Fantasy VI com gráficos semelhantes aos alcançados pelo Final Fantasy VII Remake, mas com uma abordagem visual mais voltada para um cyberpunk de fantasia seria o ideal. As batalhas poderiam ser ainda por turnos, alternando entre momentos em que seriam apenas o time de heróis contra grupos de inimigos; e batalhas em campos aberto.

Nestes momentos, o jogador poderia até mesmo se arriscar batalhar com um exército, avançando contra a dominação global do Impérdio Gestahlian, interagindo bastante com os inimigos durante os turnos e até mesmo controlando Magitek Armors – as armaduras.

Imagem de capa do item

Persona 2

O primeiro Persona já ganhou um remake para PSP em 2009, mas o segundo jogo da série é quem merecia mais atenção.

Persona 2 foi lançado em 1999 e em 2000, porque o game tinha duas partes: Innocent Sin e Eternal Punishment, respectivamente. A história deste título é considerada uma das melhores pelos fãs ainda hoje e um remake para honrar essa adoração seria no mínimo interessante.

Ainda mais se no remake fosse aplicada a reformulação na jogabilidade e nas mecânicas, como aconteceu a partir de Persona 3.

Imagem de capa do item

Eternal Darkness: Sanity’s Requiem

Uma pérola esquecida do GameCube, esse jogo de terror e ação era pesadamente inspirado nos contos de H.P. Lovecraft e a narrativa era contada através de diferentes momentos da história da humanidade, com personagens distintos.

Havia um fator incomum nesse jogo: todos os personagens tinham que gerenciar três barras, a de energia, a de magia e a de sanidade. Essa última era a que realmente mexia com o jogo e transformava toda a experiência, pois quanto mais baixa, mais alucinações o boneco sentia.

A quarta parede não era o limite nessas alucinações, que iam desde paredes derretendo e transbordando sangue, passando por seu personagem se transformando subitamente em uma criatura infernal, e ia até ao momento em que o game exigia uma troca de CD, sendo que o jogo era disco único. Essas bizarrices todas transportadas para os gráficos e capacidades de hoje em dia, poderia certamente transforma-lo no jogo inspirado em Lovecraft definitivo.

Metal Gear

O primeiro jogo da franquia foi lançado para MSX2 em 1987 e mesmo com poucos recursos, Hideo Kojima e toda a equipe por trás de Metal Gear conseguiram trazer muitos elementos de furtividade (stealth) para o game. Conforme o sucesso do jogo e a evolução tecnológica que a indústria trouxe, vimos os jogos dessa série chegar em seu ápice com Metal Gear Solid 4 e 5.

Se os recursos que temos hoje fossem usados em um remake do primeiro jogo, o resultado sem dúvidas seria abismal, com gráficos realistas mostrando a conclusão da saga de Big Boss e, ao mesmo tempo, o começo da jornada de Solid Snake.

Parasite Eve

Lançado em 1998, o game foi um dos que popularizaram o termo “jogo cinemático”, pois misturava uma narrativa intrigante em um jogo com elementos de ação e RPG. Foi um clássico que certamente marcou muita gente.

Seria incrível rever a policial Aya Brea nos gráficos atuais em um game fiel ao original em termos de história. Arrepia só de pensar na cena do teatro Carnegie Hall, onde a plateia entra em combustão instantânea no meio da ópera, totalmente reimaginada e com gráficos modernos...

Imagem de capa do item

Dino Crisis

Lançado em 1991, é um dos jogos da Capcom que muitas pessoas têm saudades. O game de survival horror mesclava algumas mecânicas de jogabilidade de Resident Evil, mas com uma câmera mais dinâmica e elementos de continuidade nos cenários – os dinossauros podiam seguir Regina se ela deixasse rastros de sangue.

E, ao invés de zumbis, os inimigos eram dinossauros. Semelhantes àqueles vistos na franquia Jurassic Park, mas tão letais quanto. É certamente um jogo que deixou saudades e seria interessante ver esse jogo refeito com a atual RE Engine, que usa a técnica de fotogrametria para capturar pessoas e cenários ultrarrealistas.

Imagem de perfil
Equipe Legião dos Heróis

"Você já dançou com o demônio sob a luz do luar?"