Capa da Publicação

10 Mulheres que arrebentaram em 2015!

Por Felipe de Lima
Imagem de capa do item

Supergirl

Kara Danvers, interpretada por Melissa Benoist, é a primeira mulher protagonista de uma série da DC desde Mulher-Gato, e ela é uma personagem fantástica.

Suas cenas de ação são inigualáveis e ela realmente consegue sair da sombra do seu primo. Mesmo que a série insista em fazer várias menções ao Superman, a Supergirl consegue se manter e crescer de maneira fascinante.

Imagem de capa do item

As mulheres de Arrow

Depois de uma terceira temporada difícil de engolir, Arrow tem se reerguido na quarta ao trazer de volta alguns elementos que haviam se perdido. Fato é, que as garotas em Arrow são muito duronas, e Thea e Laurel são realmente os destaques.

Thea tem operado no lado politico da série e deixou de vez de ser apenas a irmã de Oliver Queen, isso sem mencionar suas cenas de ação incríveis. Laurel, por sua vez, mesmo que alheia ao resto da história, consegue se manter focada e disposta. A verdade é que, mesmo com alguns deslizes, Arrow soube desenvolver suas personagens femininas muito bem.

Imagem de capa do item

Karen Page

Qualquer um que conheça as histórias do Demolidor sabe a grande importância de Karen Page para o cânone. Na série, a personagem conseguiu ser ainda mais cativante e sua evolução foi realmente convincente, algo que praxe nas séries da Netflix, mas que não diminuiu a qualidade.

Imagem de capa do item

Peggy Carter

Peggy Carter pode ter sido introduzida como o interesse amoroso do Capitão América no primeiro filme do herói dentro do UCM, mas ela se destacou tanto que ganhou uma série solo no início deste ano.

Como uma agente do governo, Peggy é uma mulher dentro de um mundo de homens, onde ela tem poucas oportunidades para mostrar seu valor.

Com grandes chances de ser um fracasso, Agente Carter deu a volta por cima e foi contra as expectativas – inclusive dos espectadores –, tendo uma grande primeira temporada.

Imagem de capa do item

As mulheres de Agentes da SHIELD

Vamos começar com Jemma Simmons que com certeza mostrou-se muito maior na nova temporada, provando que consegue ser muito mais do que apenas uma garota inteligente. Ela consegue equilibrar seu lado emocional e se manter focada mesmo com todos os problemas ao seu redor.

Desde que Daisy “Skye” Johnson aceitou que ela pode ajudar os Inumanos e ser algo maior, ela se tornou uma das personagens mais cativantes de Agentes da SHIELD, e na segunda metade da segunda temporada foi muito mais protagonista do que o próprio Colson.

Bobby e Melinda May passaram por grandes traumas nesta temporada e a evolução delas em relação ao que tiveram que superar é realmente surpreendente. Não vou dar spoilers, mas vale a pena conferir.

Imagem de capa do item

Cat Grant

Além de diversos temas relacionados à representatividade feminina, Supergirl também lida com a maneira com a qual a mulher é vista dentro do ambiente profissional.

Cat age como uma espécie de mentora, sempre com os discursos certos que valem não só para Kara, mas para todas as mulheres.

E como não amar uma das melhores frases já proferidas em uma série de super-heróis que veio da personagem:

Você tem a inteligência de um comentário do Youtube!

Imagem de capa do item

Rey

Daisy Ridley não só conquistou o coração dos nerds do mundo todo como também se tornou uma das melhores protagonistas de Star Wars.

A gente ainda sabe muito pouco sobre sua origem, mas ela possui um background triste que deixa sua história ainda mais inspiradora. Ela não é a mocinha em perigo, na verdade, ela quer partir pra ação.

Rey não precisa de sustentação, ela é a força e representa a força dentro de todas as garotas.

Imagem de capa do item

Jessica Jones

Jessica Jones foi a primeira super-heroína da Marvel a assumir a frente em uma serie de televisão, algo que não aconteceria se não fosse a parceria entre a Marvel, ABC e Netflix, que já haviam trazido Demolidor em abril.

Considero Jessica Jones mais surpreendente e individualista nessa primeira temporada. Ela é uma garota traumatizada por uma experiência passada com o Kilgrave, e possui sérios problemas com estresse pós-traumático.

Ao longo dos treze episódios, Jessica passou por muitas provações e se tornou ainda mais forte ao fim da temporada.

Imagem de capa do item

Ilsa Faust

O gênero de espionagem não é conhecido por contar com mulheres em papeis importantes. A franquia Missão: Impossível certamente tem sua parcela de culpa, mas Nação Secreta destoa dos anteriores ao apresentar Isla Faust.

Ela é linda, inteligente e claramente dominante. Faust é essencialmente uma versão espelhada do nosso herói Ethan Hunt, mas definitivamente ela não é apenas um par.

Faust tem seus próprios problemas para cuidar e só se une a Hunt, porque seus objetivos coincidem. É raro ver um blockbuster onde a personagem feminina é muito mais complexa do que a estrela do filme.

No fim, os espectadores esperam mais de Faust do que de Hunt, uma nova abordagem que pode fazer escola quando se trata do papel das mulheres em filmes de ação.

Imagem de capa do item

Imperatriz Furiosa

Mad Max: A Estrada da Fúria foi sem dúvidas uma das grandes surpresas de 2015. O filme trouxe Tom Hardy no papel principal, mas quem roubou a cena foi a Imperatriz Furiosa de Charlize Theron.

A atriz teve uma grande performance como esta personagem que se perde na linha de heroína e vilã, mas seus objetivos trazem uma profundidade raramente explorada pelo cinema de ação.

Furiosa é uma pessoa cheia de mágoas que está disposta a tudo pela redenção, e a narrativa em torno dela só deixou a história mais rica e importante para o cenário atual.

--

Lembra de mais alguma mulher que chutou bundas na ficção este ano? Não se esqueça de comentar!

Imagem de perfil
Felipe de Lima

Pelo poder da verdade, eu, enquanto vivo, conquistei o universo. Me segue no twitter @tearsgodown