Capa da Publicação

10 mudanças que a Marvel poderia fazer ao adaptar os X-Men para os cinemas!

Por Gus Fiaux

A cada dia que passa, estamos mais próximos de ver a venda da Fox para a Disney se concretizar. Com isso em mente, sabemos que figuras excepcionais, como os X-Men e o Quarteto Fantástico finalmente poderão ser integradas ao Universo Cinematográfico da Marvel. 

No entanto, após uma longa franquia de filmes, os Filhos do Átomo tiveram sua imagem um tanto quanto… desgastada nos cinemas. Por conta disso, analisamos aqui 10 mudanças que a Marvel Studios pode fazer ao adaptar os X-Men para os cinemas!

Créditos: Divulgação

Imagem de capa do item

Dinastia M reversa

Nos quadrinhos, os X-Men passaram por uma tragédia quase irrecuperável em Dinastia M. Na saga, a Feiticeira Escarlate, ensandecida com seu poder caótico - e farta das manipulações de Magneto e Mercúrio - acaba quase apagando o Gene X de existência, fazendo com que apenas uma pequena parcela de mutantes retenham seus poderes.

Nos cinemas, isso poderia servir de inspiração para a apresentação dos Filhos do Átomo. No entanto, em vez de apagar os mutantes, a heroína poderia despertá-los, usando seus poderes. Assim, ela "criaria" uma nova raça: os homo superior - e no fim, poderia inclusive ser revelado que ela mesma é uma mutante, cujos poderes foram só despertados pela Joia da Mente.

Imagem de capa do item

Alguns personagens devem ficar na geladeira

Embora a franquia principal dos X-Men da Fox já esteja indo para seu sétimo filme, os fãs ficaram extremamente saturados pela repetição dos personagens e das tramas em todos os filmes. Sempre vemos Wolverine em destaque, de alguma forma, e Magneto como o grande vilão ou como a figura redimida que acaba, por forças do destino, se tornando o antagonista.

Quando os personagens passarem pelo reboot nas mãos da Marvel Studios, algumas figuras poderiam ser deixadas na geladeira por um tempo, apenas para que o público se recupere da saturação de seus personagens. Bons exemplos disso são os já mencionados Magneto e Wolverine, mas também a Mística, a Jean Grey e o Fera.

Imagem de capa do item

Fênix Negra? Aqui não!

Por falar em Jean Grey, não podemos negar que a Saga da Fênix Negra é, sem a menor sombra de dúvidas, uma das melhores e mais populares já escritas sobre os Filhos do Átomo. No entanto, a Fox conseguiu a proeza de adaptá-la duas vezes nos cinemas, deixando os fãs um pouco cansados da trama - mesmo que um dos filmes nem tenha sido lançado ainda.

Quando os heróis passarem para o Universo Cinematográfico da Marvel, não seria uma boa ideia do estúdio investir em outra adaptação da história. Uma possibilidade seria deixá-la para o futuro, ou caso a Marvel já queria apresentar os heróis como existentes nesse universo, que já tenha acontecido mas que o mundo não se lembra por conta dos poderes do Professor X.

Imagem de capa do item

Vilões precisam ser vilões

Não é de hoje que os fãs estão extremamente exaustos com o que a Mística se tornou no universo dos X-Men da Fox. Desde que Jennifer Lawrence assumiu o papel da personagem, ela se tornou mais uma anti-heroína do que vilã - e por mais que isso inicialmente tenha resultado numa trama interessante, com o tempo só se desgastou.

Por conta disso, seria sábio da parte da Marvel Studios não investir nessas "redenções totais" de vilões, ao menos por enquanto. Por mais que isso seja frequente nos quadrinhos, seria legal ver vilões como a Irmandade dos Mutantes, os Purificadores e até mesmo Magneto e Mística dando trabalho para os Filhos do Átomo, inicialmente.

Imagem de capa do item

Heróis contemporâneos

Embora a trilogia original dos X-Men nos cinemas tenha se passado no tempo em que os filmes eram lançados, a nova franquia de filmes apostou em uma pegada mais nostálgica: cada filme se passa em uma década, com Fênix Negra sendo apresentado nos anos 90. No entanto, no Universo Cinematográfico da Marvel, isso é praticamente inviável.

Por conta disso, gostaríamos de ver os X-Men abraçando a modernidade, sendo apresentados no mesmo tempo em que heróis como o Pantera Negra e o Doutor Estranho tomam os holofotes. Uma alternativa seria dizer que a equipe está na ativa há um bom tempo, mas que atuam com sigilo e o mundo ainda não sabe sobre a existência em massa dos mutantes.

Imagem de capa do item

"O Professor Xavier é um babaca!"

Quem acompanha os quadrinhos dos mutantes há muito tempo sabe que, apesar de ser o fundador e grande líder dos X-Men, o Professor X não é lá a figura mais justa e perfeita do mundo. Na verdade, ele já fez com que seus alunos passassem por perigos evitáveis, além de tomar decisões moralmente questionáveis.

Os filmes - especialmente a trilogia original - apagaram um pouco desse lado mais tridimensional do personagem, e embora a nova leva de filmes ainda tente dar mais humanidade ao telepata, ele ainda sempre acaba sendo um grande herói. Quando ele for adaptado pela Marvel Studios, queremos ver um líder mais ambíguo, provando que Charles Xavier pode ser um babaca.

Imagem de capa do item

Ciclope na liderança

Se há uma coisa que todos os fãs concordam é que a franquia de filmes dos X-Men da Fox não fez ao Ciclope a justiça que ele merecia. Na trilogia original, o personagem é um mero coadjuvante, e embora uma nova versão sua tenha sido apresentada em X-Men: Apocalipse, ele ainda fica à deriva em um mar de vários personagens.

No Universo Cinematográfico da Marvel, esperamos ver o grande líder que sempre quisemos ver nos cinemas - inicialmente inseguro, mas que aos poucos vai se mostrando um dos grandes revolucionários da causa mutante. Quem sabe, os filmes podem inclusive adaptar a leva de histórias da Nova Marvel, onde o personagem é bem mais radical.

Imagem de capa do item

Equipes mais diversificadas

Os X-Men sempre foram o grande patamar dos quadrinhos para diversidade e inclusão - a prova disso é que a segunda formação da equipe era composta, em sua maioria, por heróis imigrantes e estrangeiros. Por outro lado, os cinemas falharam ao trazer isso com a devida importância, muitas vezes se atendo ao mesmo grupo fechado de personagens.

Já que a Marvel Studios tem investido ferrenhamente em diversidade, graças a filmes como Capitã Marvel e Pantera Negra, nós adoraríamos ver uma equipe mais plural, seja em etnias, gêneros, orientações sexuais e até mesmo culturas. Uma boa ideia seria apresentar Kitty Pryde ou Tempestade como "protagonistas" da nova franquia.

Imagem de capa do item

Sem medo de abraçar o exagero dos quadrinhos

Em 2000, quando o primeiro X-Men foi lançado nos cinemas, o mundo ainda não levava filmes de super-heróis a sério. Por isso, foi extremamente importante a abordagem mais realista e pé-no-chão que a Fox deu à trilogia original de filmes. No entanto, com o passar dos anos, isso acabou pesando demais, mesmo com a demanda por filmes mais fiéis ao material-fonte.

Em um universo em que já temos figuras estabelecidas como os Vingadores e os Guardiões da Galáxia, não faz sentido vermos a abordagem "realista" da Fox. Queremos ver vilões exagerados, aventuras espaciais e, principalmente, trajes coloridos e únicos, que externalizam a personalidade de cada um dos heróis.

Imagem de capa do item

Oprimidos e odiados, mas por um motivo!

Por último, fica uma ideia que inclusive é pouco trabalhada nos quadrinhos. Em um universo com diversos super-seres, muitos ainda odeiam e oprimem os X-Men sem motivos aparentes. Nos cinemas, isso até fez mais sentido, já que eles viviam em um mundo onde eram os únicos seres super-poderosos - mas isso não se repetirá no Universo Cinematográfico da Marvel.

A melhor opção aqui seria abordar ao máximo como a existência dos heróis é uma ameaça à hegemonia dos homo sapiens, já que os mutantes representam o novo estágio da evolução humana. Além disso, não faria mal colocá-los para confrontar outros heróis, como os Vingadores, o que faria com que eles atraíssem ainda mais inimizade dos civis.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux