Capa da Publicação

10 Momentos em que a Pixar nos emocionou!

Por Guilherme Souza

A Pixar revolucionou o mercado de animações, e desde o lançamento do primeiro filme da franquia Toy Story, o estúdio já mostrava que faria coisas grandiosas.

Com o passar dos anos, a Pixar lançou diversas franquias de sucesso, que nos apresentaram a personagens memoráveis, mas nada disso seria possível sem os roteiros impecáveis das animações, que fazem com que o espectador crie laços com os personagens e se emocione com as histórias. Pensando nisso, listamos alguns momentos mais emocionantes nas animações da Pixar, acredite, não foi fácil rever as cenas para escrever a lista sem que uma lágrima fosse derramada.

Imagem de capa do item

Sr. Fredericksen se despedindo de Ellie

A sequência de abertura de Up! Altas Aventuras nos mostra a linda história de amor entre Carl e Ellie, que se conheceram quando ainda eram crianças e transformaram uma amizade em casamento.

Infelizmente, os dois tiveram que se separar de forma trágica, e o momento em que Ellie se despede de Carl é de cortar o oração. Ainda bem que o final do longa se mostra promissor para o Sr. Fredericksen e podemos ficar com nossos corações em paz.

Imagem de capa do item

Wall-E se esquece de Eva

Wall-E é uma animação que carrega mensagens poderosas, e toda a história gira em torno do simpático robozinho da reciclagem. Ao longo do desenrolar da narrativa, vemos a luta de Wall-E para chamar a atenção da robô Eva, mas sem muito sucesso.

Ao fim da trama, Eva finalmente corresponde o “amor” de Wall-E, porém talvez tarde demais, já que o robozinho estava danificado e poderia não conseguir ser reparado. Eva consegue consertá-lo, mas ele volta sem suas memórias e isso é desesperador.

Felizmente, Wall-E consegue se lembrar de tudo, selando assim sua felicidade com Eva.

Imagem de capa do item

Alegria perde a esperança

Por mais que os filmes da Pixar sejam destinados às crianças, eles sempre são recheados de mensagens e momentos que só os adultos conseguirão entender, porém Divertidamente talvez seja o campeão nisso.

O momento em que Alegria e Bing Bong, o amigo imaginário, caem no abismo das memórias esquecidas é desesperador, principalmente para a Alegria, que se dá conta de que talvez não consiga salvar Rilley. Tudo fica ainda pior quando Bing Bong se sacrifica para tirar a Alegria do abismo.

Imagem de capa do item

Brinquedos no incinerador

Toy Story 3 é sem dúvidas o filme mais emocionante da franquia. Marcando o final da história entre os brinquedos e o garoto Andy, a história é cheia de momentos marcantes.

Um dos mais desesperadores, é quando os brinquedos que amamos ficam presos em um incinerador de lixo. Podemos ver, ali, o fim da linha e da esperança para os personagens que amamos, além do momento tocante em que eles resolvem dar as mãos para morrerem unidos.

Por sorte, a Pixar não foi sádica o bastante para realmente “matar” os brinquedos, e eles conseguiram mais uma chance para serem felizes.

Imagem de capa do item

Andy doando seus brinquedos

Ainda falando sobre Toy Story 3, temos a linda cena em que Andy brinca uma última vez com seus brinquedos, antes de doá-los para uma outra criança.

O momento é emocionante para todos aqueles que acompanharam a franquia desde o começo, já que, depois de tantos anos, acabamos sentindo como se os brinquedos também fossem nossos e não é fácil ver Andy dizendo adeus a eles.

Imagem de capa do item

A história de Jessie

No segundo filme da franquia Toy Story, somos apresentados a novos personagens que fazem parte do passado de Woody.

Dentre eles, está a entusiasmada vaqueira Jessie, que sonha em ser vendida para um museu, para que possa mais uma vez ter a atenção que merece. Com o desenrolar da trama, descobrimos que o desejo de Jessie é motivado pela desilusão que ela sofreu com sua antiga dona.

A canção de Jessie serve como um prelúdio para o que aconteceria com Woody e companhia no terceiro filme, mas felizmente, Andy era diferente da dona de Jessie.

Imagem de capa do item

Merida acha que sua mãe não irá mais voltar

Valente é o primeiro filme da Pixar a ser protagonizado por uma personagem feminina, e além disso, o primeiro a conter uma história inspirada por contos de fadas.

Na história, acompanhamos a jornada da princesa Merida para quebrar o feitiço que transformou sua mãe em um urso. O filme nos ensina valiosas lições, e o momento em que Merida se dá conta de que não conseguiria quebrar a maldição que estava em sua mãe, é de cortar o coração.

Imagem de capa do item

Sully se despedindo de Boo

É normal que as crianças sintam medo de monstros imaginários que se escondem embaixo de suas camas ou armários. Mas em Monstros S.A., descobrimos que esses monstros não são imaginários.

Em um mundo onde as crianças são consideradas perigosas e tóxicas, as vidas dos monstros Sully e Mike muda completamente, quando eles se encontram com a adorável garotinha Boo. Vemos, ao longo do filme, o elo que Sully cria com a garota, e o momento em que ele precisa se despedir definitivamente dela é muito tocante.

Imagem de capa do item

Miguel cantando para a vovó Coco

Recomendo que você não assista Viva: A Vida é uma Festa caso não esteja bem com seu lado emocional. O que parecia ser a jornada de um garotinho para retornar ao mundo dos vivos, acaba se tornando uma linda e emocionante história sobre se lembrar dos entes queridos.

Quando Miguel começa a cantar “Lembre de Mim” para a vovó Coco, com o intuito de fazer com que ela se lembre de seu pai, para que ele não desapareça de vez, é de cortar o coração. E a menos que você esteja morto por dentro, você com certeza irá chorar.

Imagem de capa do item

A despedida entre Arlo e Spot

O Bom Dinossauro pode não ter ficado tão famoso quanto outros filmes da Pixar, mas isso não significa que ele não seja bom ou que não contenha momentos marcantes.

A cena em que o dinossauro Arlo se despede do garoto Spot é de cortar o coração. Vemos que depois de tantos desencontros, os dois acabaram criando afeto um pelo outro, e a despedida entre eles não foi fácil.

Imagem de perfil
Guilherme Souza

Outra grande manchete: 'Água, molhada!'