Capa da Publicação

10 grandes vilões do cinema que não passaram de capangas!

Por Gus Fiaux

Vilões são uma parte essencial de qualquer filme que traga um conflito explícito entre forças do bem e do mal. São figuras que determinam inclusive a qualidade do herói. E nesse sentido, o cinema está muito bem servido desse tipo de personagem, muito obrigado.

Contudo, há vilões marcantes e sensacionais que servem apenas como fachada para uma ameaça ainda maior – e ainda assim, não deixamos de gostar deles como se eles fossem os protagonistas em jogo!

Pensando nisso, aqui listamos os 10 maiores vilões do cinema que, na verdade, não passaram de capangas para inimigos ainda mais grandiosos!

Créditos: Divulgação

Imagem de capa do item

Bane (Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge)

Aqui temos um exemplo clássico, que muitos detestaram na época do lançamento. Interpretado por Tom Hardy, o Bane de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge acabou trazendo uma grande ameaça para o Cruzado Encapuzado... apenas para ter sido revelado, no final, como o "ajudante" de Talia al Ghul.

Inclusive, o filme brinca muito bem com a expectativa do público, ao falar de uma criança que conseguiu escalar um poço profundo. Enquanto passamos boa parte do filme achando que essa era a história de origem de Bane, descobrimos que tratava-se justamente de Talia, e sua história de vingança pela morte de seu pai.

Imagem de capa do item

O Homem do Chapéu-Coco (A Família do Futuro)

A Família do Futuro é uma das animações mais subestimadas da Disney. Apesar de ter sido feita em uma época turbulenta para o estúdio, o filme consegue criar uma história cheia de personagens cativantes, e um vilão ameaçador na figura do misterioso Homem do Chapéu-Coco, um inimigo que tem alguma relação obscura com o passado do protagonista Lewis.

Porém, o desenvolvimento da história do personagem é ainda melhor, já que descobrimos que ele era o colega de quarto do jovem inventor enquanto ele morava no orfanato. E, para piorar, ele é o capanga de Doris, um chapéu maligno criado pelo próprio menino há muitos anos. O legal aqui é ver como Michael Goob, o alter-ego do vilão, foi basicamente manipulado pela máquina maléfica, e como, na verdade, ele só estava a um dia ruim de ser um inimigo incontrolável.

Imagem de capa do item

Luv (Blade Runner 2049)

Uma sequência digníssima de manter o legado do primeiro filme, Blade Runner 2049 apresenta uma série de personagens novos e profundos. O vilão central é Niander Wallace, o criador de androides interpretado por Jared Leto. E, apesar da fama do ator, ele aparece pouquíssimo aqui. Em vez disso, a ação fica por conta de sua serva, a replicante Luv.

Interpretada por Sylvia Hoeks, a personagem se prova a altura do herói, K (Ryan Gosling). Ela pode ser só uma empregada, mas não deixa de botar bastante medo e ser igualmente ameaçadora no conflito físico. Curiosamente, Wallace é quem permanece vivo ao fim do filme, mas preferíamos que fosse Luv.

Imagem de capa do item

Zep Hindle (Jogos Mortais)

Tendo o conhecimento da franquia que temos hoje, sabemos quem é Jigsaw e qual foi seu plano do início ao fim. Porém, durante o lançamento do primeiro Jogos Mortais, fomos levados a crer que a identidade do assassino era Zep Hindle, o estranho e desconfiável funcionário de um hospital.

O filme nos guia pela narrativa de que ele é o grande vilão por trás de todo o jogo sádico que interfere na vida dos personagens, até que ele é finalmente morto... e só assim descobrimos que Hindle também era uma vítima de Jigsaw, lutando contra um veneno inserido pelo vilão em sua corrente sanguínea. Uma reviravolta que logo mostrou o poder descontrolado do serial killer.

Imagem de capa do item

Kaijus (Círculo de Fogo)

Por mais que Círculo de Fogo não tenha lá "vilões" no sentido mais literal da palavra, ainda assim temos as forças da natureza colossais conhecidas como Kaijus - monstros extra-terrestres que vêm ao planeta devido a uma falha nas placas tectônicas sob o Oceano Pacífico. Foi por causa deles que os humanos tiveram que construir e usar os Jaegers, robôs lutadores gigantescos.

E, ao fim do filme, descobrimos que eles são apenas a bucha de canhão usada por uma outra raça alienígena como estratégia de devastação da Terra, para que depois eles pudessem repovoá-la com seu próprio povo. A continuação do filme, A Revolta tenta abordar isso, mas não faz muito bem. Resta saber se algum longa no futuro fará jus aos planos dessa raça misteriosa.

Imagem de capa do item

Le Chiffre (007: Cassino Royale)

Como de costume, em 007: Cassino Royale, tivemos a apresentação de outro ator no papel de James Bond. Dessa vez, o sortudo foi Daniel Craig, que já de início teve que enfrentar um inimigo glorioso e sádico como Le Chiffre, interpretado por Mads Mikkelsen - um rival à altura do espião britânico.

O auge de sua participação impactante está na cena em que ele tortura Bond, despindo-o não apenas de sua roupa, como também de suas armas e toda sua defesa. Porém, nos quarenta minutos do segundo tempo, ele é impedido pelo Sr. White, e só assim vemos que talvez ele não seja o grande vilão independente que todos esperávamos...

Imagem de capa do item

Dr. No (007 Contra o Satânico Dr. No)

Por falar em inimigos de James Bond, não podíamos esquecer do clássico Dr. Julius No, que foi apresentado pela primeira vez em 007 Contra o Satânico Dr. No, como o próprio título sugere. Aqui, ele se mostra um adversário muito inteligente e imponente, que consegue atacar Bond de várias formas além da física.

E, no fim das contas, ele era um membro da Spectre, uma gigantesca organização criminosa que afetava várias instituições secretas, e que se tornou uma marca registrada dentro do rol de inimigos do Agente 007. E, embora No seja apenas um subalterno de Ernst Blofeld, o verdadeiro líder da sociedade secreta, ele não é, em nenhum momento, menos intimidador ou capaz de enfrentar Bond.

Imagem de capa do item

Mandarim (Homem de Ferro 3)

O Mandarim de Homem de Ferro 3 é o exemplo mais revoltante de toda a lista, e deixou muitos fãs indignados após a sessão do terceiro filme do Vingador Dourado. O personagem seria interpretado por Ben Kingsley que, pelos trailers, parecia intimidador e poderoso... e no fim, o ator interpretava apenas um ator (Trevor Slattery) que era a "fachada" para Aldrich Killian cometer seus atos de terrorismo.

Claro que a Marvel acabou voltando atrás na decisão, e no curta Todos Saúdam o Rei, inseriram a ideia de que existe um "verdadeiro Mandarim" à solta, inconformado com a desonra do plano de Killian e Slattery. Mas, ainda assim, muitos ficaram descontentes em ver o maior vilão de Tony Stark sendo resumido a um capanga fajuto.

Imagem de capa do item

Loki (Os Vingadores)

Loki pode ser um dos vilões mais adorados da história do cinema, principalmente pelo carisma proporcionado pelo astro Tom Hiddleston. E embora o vilão tenha seu arco muito claro e bem definido na trilogia do Thor, é importante dizer que em Os Vingadores, ele não passa de um baita lacaio de Thanos.

Isso já era sabido desde o lançamento do filme, mas foi reconhecido com muito mais propriedade agora, graças a Guerra Infinita. E embora isso tenha feito o vilão "perder seu teor de ameaça", não diminui nem um pouco sua importância, já que ele foi o inimigo necessário para fazer com que os Heróis Mais Poderosos da Terra se unissem.

Imagem de capa do item

Darth Vader (Star Wars)

Finalizamos essa lista com o vilão mais conhecido da história do cinema, e que apesar de ter uma trama pessoal muito importante e trágica, não passava de um capanga menor de outro personagem. É evidente que estou falando de Darth Vader, o aprendiz do Imperador Palpatine, e o maior nêmese já criado no universo de Star Wars.

Ele veio justamente para mostrar que lacaios podem ser muito bem trabalhados, já que continua sendo protagonista de sua própria história. Posteriormente ao lançamento da Trilogia Original, ainda tivemos mais três filmes que contaram toda a origem de Anakin Skywalker, e embora os dois primeiros não sejam bons, A Vingança dos Sith serve para formar de vez a psiquê do personagem.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux