Capa da Publicação

10 filmes sobre sonhos ou pesadelos que você precisa assistir!

Por Gus Fiaux

Sonhos são a maior forma de expressão do nosso subconsciente, criando paisagens e cenários impossíveis quando dormimos – ou em alguns casos, até mesmo quando estamos acordados. Os cinemas sempre aproveitaram perfeitamente a natureza caótica e bela dos mais destemidos sonhos e pesadelos.

Aproveitando essa vibe onírica, resolvemos separar dez filmes que lidam muito bem com os sonhos mais selvagens e os pesadelos mais tenebrosos, e que tornam isso o ponto central de suas narrativas. Estamos considerando filmes que realmente falam de sonhos ou cuja própria história pode ser interpretada como um sonho natural.

Créditos: Divulgação

Imagem de capa do item

O Mágico de Oz (The Wizard of Oz, 1939)

Um dos longas mais amados de todos os tempos, O Mágico de Oz adapta o famoso livro fantástico de L. Frank Baum, onde a jovem Dorothy Gale é jogada no maravilhoso mundo de Oz através de um furacão furioso no Kansas. Lá, ela conhece amigos incríveis, como o Leão Covarde, o Espantalho e o Homem de Lata.

Porém, em vez de ser apenas uma jornada em busca do mago que dá nome ao longa, ou uma luta contra a perigosa Bruxa Má do Oeste, o filme muda um traço bem peculiar do livro, e ao final, descobrimos que tudo não passou de um sonho da própria Dorothy. Claro que isso é aberto às diversas interpretações, mas a fantasia não deixa de ser um delírio onírico.

Imagem de capa do item

Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland, 1951)

Outra obra literária, que inclusive passou muitos anos servindo de comparativo para O Mágico de Oz, a fantástica jornada de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, chegou a ser adaptada para os cinemas graças à Walt Disney, que compôs um dos filmes mais estranhos e amados de seu repertório.

A jornada também é similar à de Dorothy. A diferença está na causa dos eventos. Aqui, vemos Alice caindo por uma toca de coelho, e indo parar em um universo bizarro e completamente non-sense. Porém, o filme - assim como o próprio conto - finaliza com a protagonista despertando de seu sonho... embora o final dele não tenha sido tão bom para a menina...

Imagem de capa do item

O Labirinto do Fauno (El Laberinto del Fauno, 2006)

Aproveitando a sucessão para falar de um "conto de fadas" mais adulto, O Labirinto do Fauno, do visionário cineasta mexicano Guillermo del Toro, também é um filme que testa os limites oníricos do que é realidade e do que é fantasia. E, assim como as histórias anteriores, o filme é protagonizado por uma jovem e doce menina: dessa vez, a criativa Ofelia.

Contudo, o longa é muito mais aberto para interpretações do que os anteriores desta lista. Considerando que a menina acredita fielmente naquilo que está vivendo, o público nunca tem certeza se é algo real diante dos nossos olhos, ou se toda a jornada envolvendo o Fauno, o Homem Pálido e o reino secreto do submundo não passa de uma alucinação.

Imagem de capa do item

Paprika (Papurika, 2006)

Saindo um pouco do ocidente, vemos como países mais distantes encaram o desafio de retratar uma realidade irreal como a dos sonhos e pesadelos. A suma disso pode ser vista em Paprika. Aqui, acompanhamos um mundo onde os sonhos das pessoas podem ser analisados por terapeutas através de um equipamento, chamado DC Mini.

O longa então embarca em uma jornada bem distinta de tudo - e que ainda assim, influenciou um dos filmes que você verá posteriormente nesta lista. A trama mescla as viagens oníricas com um toque de ficção científica que discute a ética das realidades virtuais. Além disso, se prepare para ver várias reviravoltas que só aconteceriam em um sonho incontrolável.

Imagem de capa do item

Brazil: O Filme (Brazil, 1985)

Apesar do título, Brazil tem pouco a ver com nosso país. Em vez disso, o bizarro e peculiar longa de Terry Gilliam viaja entre as espirais da loucura e da alucinação ao trazer uma história de ficção científica que parece ter saído de uma mente absolutamente esquizofrênica. Curiosamente, o papel dos sonhos no filme é relativamente pequeno.

O filme brinca com distopias e regimes totalitários, onde seguimos um protagonista, chamado Sam, tendo diversos sonhos curiosos - alguns envolvendo uma mulher chamada Jill, que posteriormente aparece no mundo material, e assim, temos um filme que parece 1984, de George Orwell, mas recriado em um vívido sonho estranho - ou num pico de LSD.

Imagem de capa do item

Cidade dos Sonhos (Mulholland Drive, 2001)

Já tentou mergulhar de vez na mente de David Lynch? O cineasta já produziu filmes e séries que só seriam concebíveis em um ambiente onírico, e a prova disso está em Twin Peaks, Eraserhead e Veludo Azul. Mas ainda assim, nenhum longa de sua carreira aborda tão bem o mundo fantástico dos sonhos quanto Cidade dos Sonhos.

O filme é uma obra-prima que abre espaço para incontáveis interpretações e análises, mas cuja estrutura funciona - implícita e explicitamente - ao incorporar a natureza etérea e constantemente mutável dos sonhos. É uma jornada própria do subconsciente, e que não oferece todas as respostas - e nem todas as recompensas - que você acha que irá conseguir.

Imagem de capa do item

O Gabinete do Dr. Caligari (Des Cabinet des Dr. Caligari, 1920)

Já ouviu falar no expressionismo alemão? Trata-se de um movimento cinematográfico muito popular no início do século XX, que incorporou elementos de horror e fantasia às suas produções, com um toque latente de surrealismo. E um dos filmes mais influentes do período é O Gabinete do Dr. Caligari, considerado o primeiro filme com um plot twist.

Não darei muitos detalhes da história para não estragar a experiência, mas para muitos, o filme é um grande delírio noturno, com aspecto de pesadelo. E tudo só é mais evidente ao analisarmos a geometria insana dos cenários e a caracterização dos personagens, bem comum da corrente cinematográfica germânica da época.

Imagem de capa do item

Sonhos (Yume, 1990)

Outro grande mestre do cinema que precisa ser mais apreciado é Akira Kurosawa, um dos diretores e roteiristas mais famosos do Japão. Sua obra foi muito extensa, e no início da década de 90, ele lançou Sonhos, um filme que mescla fantasia e realidade na hora de retratar um pouco da história de sua nação ou a própria natureza humana.

O mais curioso disso tudo é que o filme foi inspirado pelos próprios sonhos de Kurosawa. Aqui, vemos uma história de amadurecimento contada através de capítulos, onde cada novo episódio dá início a uma trama banhada em, como o título sugere, sonhos. Destaque para a fotografia e a estética, que realmente faz jus ao significado simbólico do longa.

Imagem de capa do item

A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street, 1984)

Wes Craven é um mestre do horror, e com seu catálogo de filmes, não há como negar. Ele criou franquias tenebrosas, como Pânico e Quadrilha de Sádicos, mas nenhuma criação sua ficou tão marcada na cultura pop quanto Freddy Krueger, o icônico assassino com sua luva de facas, e que habita o mundo dos sonhos.

A ideia de A Hora do Pesadelo é sensacional, ainda mais considerando que ela brinca com com o próprio medo do público - afinal de contas, o que você faria se começasse a sonhar com Freddy? -, além de explorar a linha que separa o mundo dos sonhos do mundo real. E é uma linha muito tênue, com certeza absoluta!

Imagem de capa do item

A Origem (Inception, 2010)

Encerrando, temos um filme que todo mundo se lembra muito bem, e que é considerado um dos marcos na carreira de Christopher Nolan. Protagonizado por ninguém menos que Leonardo DiCaprio, A Origem desce em uma espiral insana ao retratar a vida de um grupo de pessoas que realiza assaltos de ideias a partir de sonhos.

O filme traz uma narrativa complexa e absurda como qualquer bom sonho, e inova em retratar visualmente esses mundos totalmente impossíveis. Destaque para as sequências onde vemos um sonho acontecendo dentro de outro sonho, que é algo totalmente empolgante e, ao mesmo tempo, assustador. Aqui, passamos de um sonho para um pesadelo em milésimos de segundos.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux