Capa da Publicação

10 filmes ruins de bons diretores!

Por Lucas Rafael

Até os maiores heróis do cinema deslizam de vez em quando. Diretores com grandes catálogos e renome na indústria já tropeçaram e acabaram entregando filmes com qualidade abaixo do esperado, mas a gente perdoa, afinal, errar é humano.

Nesta lista, confira 10 filmes ruins de bons diretores!

Imagem de capa do item

Jack

O diretor: Francis Ford Coppola

Francis Ford Coppola entregou grandes clássicos do cinema, como a incrível trilogia do Poderoso Chefão, filmes que continuam a influenciar diretores até os dias de hoje.

Como prova de que até os mestres perdem a mão, Coppola dirigiu Jack, filme de 1996 com Robin Williams, sobre um garoto com uma rara síndrome de crescimento. Com um humor sem graça e momentos dramáticos que simplesmente não colam, a dramédia é certamente um ponto baixo na trajetória do diretor.

Imagem de capa do item

Mutação

O diretor: Guillermo Del Toro

Após A Forma da Água, o diretor Guillermo Del Toro voltou a estar em alta. O homem já cativou nossa imaginação com os filmes de Hellboy e o Labrinto do Fauno, tendo diversos projetos sinônimos de qualidade em seu currículo.

Em 97, Del Toro dirigiu Mutação, filme sobre insetos geneticamente modificados que simplesmente não se sobressai. Del Toro até tenta, e o resultado final, embora não seja ofensivamente ruim, é bem sem graça.

Imagem de capa do item

Fantasmas de Marte

O diretor: John Carpenter

John Carpenter é um dos diretores mais influentes dos anos 80, contando com um estilo bem próprio de direção, ele foi responsável por clássicos de horror e aventura altamente estilizados de um jeito que só o próprio Carpenter sabia fazer.

Infelizmente, sua glória só veio anos depois, após a maioria de seus filmes fracassarem em bilheteria (e alguns até mesmo em crítica na época, sendo clássicos incompreendidos e a frente de seu tempo). A falha comercial fez de Carpenter um diretor amargo dirigindo filmes apenas pelo cheque dos estúdios em modo automático. Um deles foi Fantasmas de Marte, um filme B genérico que não funciona nem como uma sombra do legado incrível que Carpenter deixa para o cinema.

Imagem de capa do item

Indiana Jones o Reino da Caveira de Cristal

O diretor: Steven Spielberg

Entre erros e acertos, podemos concordar que Spielberg é um diretor consistente, entregando entretenimento de qualidade para as audiências.

Não foi o caso com o quarto filme de Indiana Jones, que se rendeu a uma trama sem sentido, com roteiro supérfluo e soluções preguiçosas, sendo uma mancha no histórico de uma franquia grandiosa e de no currículo de um dos maiores diretores vivos. Errar é humano.

Imagem de capa do item

Homem-Aranha 3

O diretor: Sam Raimi

Sam Raimi construiu carreira em cima de filmes B de qualidade altíssima, sendo louvado desde cedo como um mestre no comando de um set de filmagens.

Suas habilidades ficaram ainda mais notórias após ele dirigir dois dos melhores filmes de super-heróis já feitos: Homem-Aranha 1 e 2.

Infelizmente, Raimi tropeçou no terceiro capítulo da franquia, oferecendo um filme com trama duvidosa, inchada de personagens mal trabalhados que comprometeram gravemente o legado de sua trilogia do Teioso.

Imagem de capa do item

Showgirls

O diretor: Paul Verhoeven

Paul Verhoeven entregou diversos clássicos que influenciam artistas até hoje, filmes como Robocop, Vingador do Futuro, Tropas Estelares e Instinto Selvagem levam a assinatura deste titã de Hollywood.

Recentemente, Verhoeven voltou a ativa com o excelente Elle, embora o filme Showgirls, de 1995, tenha recebido críticas tão pesadas que quase acabaram com a carreira do diretor.

Imagem de capa do item

Piranha 2 : Assassinas Voadoras

O diretor: James Cameron

Jamse Cameron pode ser um nome fortemente associado com o espetáculo do cinema moderno, tendo entregue longas como Titanic, Exterminador do Futuro 1 e 2 e Avatar, Cameron nem sempre foi a lenda Hollywoodiana que é hoje, e um dos sinais disso é a existência do filme Piranha 2: Assassinas Voadoras, de 1981.

Imagem de capa do item

Hulk

O diretor: Ang Lee

O primeiro Hulk, de 2003, é um filme estranho, mas mais do que isso, acabou envelhecendo incrivelmente mal. O filme também é uma anomalia no currículo de Ang Lee, diretor de filmes premiados como As Aventuras de PI, O Tigre e o Dragão e O Segredo de Brokeback Mountain.

Imagem de capa do item

Os Matadores de Velhinhas

O diretor: Irmãos Coen

Os irmãos Ethan e Joel Coen viraram ícones cult da cena de filmes com diversos filmes premiados, passando por Onde os Fracos Não Tem Vez até Fargo e O Grande Lewboski.

Um tropeço no currículo de ambos, no entanto, é o filme Matadores de Velhinhas, impregnado de um humor sem graça e que comete um pecado ainda maior: ser incrivelmente tedioso.

Imagem de capa do item

Alien: Covenant

O diretor: Ridley Scott

Ridley Scott têm tidos vários tropeços em sua carreira, mas seus acertos compensam: clássicos como Alien, Gladiador e Blade Runner colocam Scott em um patamar de influência e criatividade inigualáveis.

É uma pena que, embora o diretor continue com um senso estético apurado, ele seja responsável por filmes como Alien: Covenant, bagunçadas narrativas desfocadas que não acertam o espectador de maneira alguma, embora sejam muito bem filmadas.

Imagem de perfil
Lucas Rafael

Redator. Entusiasta de coisas demais