Capa da Publicação

10 filmes que são melhores que os livros!

Por Lucas Rafael

Alguns filmes baseados em livros simplesmente transcenderam seu material fonte. Nenhum livro é perfeito, nem nenhum filme, por isso, é notável que nestas adaptações existe um cuidado ímpar em extrair o que há de melhor da narrativa literária enquanto se trina aquilo é fútil.

Nesta lista, separamos 10 filmes inspirados em livros que são, simplesmente, melhores que o material-fonte.

Imagem de capa do item

Tubarão (1975)

O livro de Peter Benchley é bacana. Ainda assim, existem algumas subtramas que não fizeram falta no filme de Spielberg. Através da adaptação, o diretor preservou o clima de crítica social presente na literatura, enquanto conseguiu tornar o tubarão algo ainda mais assustador e ominoso.

Imagem de capa do item

Duro de Matar (1988)

Geralmente, as pessoas nem sabem que Duro de Matar adapta um livro, o que por si só já diz algo sobre o quão eclipsado foi o material fonte.

Parte disso se deve ao fato do livro de Roderick Thorp ser um thriller ao invés de ação, algo que o desvencilha da tônica do filme - considerado um dos maiores longas de ação de todos os tempos graças às cenas intensas e um roteiro intrincado.

Imagem de capa do item

Jurassic Park (1993)

Os livros de Michael Crichton são incríveis, sim. Mas ainda assim, existe uma magia imperando em cada pixel do primeiro Jurassic Park que nos lembra o motivo de amarmos tanto cinema. Da trilha-sonora aos dinossauros animatrônicos, é um filme tão aventureiro e mágico que fica difícil transmitir o mesmo senso através de palavras.

Imagem de capa do item

Tropas Estelares (1997)

Robert A. Heinlein é um dos grandes da ficção científica. Seus livros são constantemente debatidos pelas ideias que apresentam. É aí que entra o problema com Tropas Estelares.

O livro é analisado por muitos como algo pró-militarista, sendo que alguns taxam a narrativa até mesmo de fascista. O filme de Paul Verhoeven, no entanto, é um clássico dos anos 90, carregando uma forte mensagem anti-guerra regada de ironia.

Imagem de capa do item

A Princesa Prometida (1987)

Rob Reiner é um dos melhores diretores quanto se trata de adaptações de livro, justamente por sempre conseguir elevar o material com o qual trabalha. As melhores adaptações de Stephen King levam a assinatura de Reiner, por exemplo.

Ainda assim, um dos destaques presentes no currículo do diretor é A Princesa Prometida. O livro de William Goldman é divertido e leve, mas o longa de Reiner imbui toda a narrativa com uma personalidade muito mais vibrante, bem-humorada e aventureira.

Imagem de capa do item

O Silêncio dos Inocentes (1991)

O livro de Thomas Harris é okay, mas o roteiro adaptado por Ted Tally no filme de Jonathan Demme deu uma elevada respeitável ao material.

A atuação de Anthony Hopkins como Hannibal por si só já eleva o longa perante ao que é descrito no livro.

Imagem de capa do item

Filhos da Esperança (2006)

O livro de P.D. James é muito bom, e o filme respeita seu material-fonte mantendo intactas as ideias principais da trama. No entanto, as alterações feitas pelo diretor Alfonso Cuarón e sua equipe beneficiam o ritmo frenético do filme, repleto de planos sequência absurdos que hipnotizam qualquer espectador.

Imagem de capa do item

Clube da Luta (1999)

Chuck Palahniuk é um escritor de culto, e falar que o filme é melhor que o livro pode ser cutucar a onça com vara curta. Mas vamos lá. O filme é melhor que o livro.

Embora o estilo de Palahniuk seja bastante distinto e divertido de se ler, é quase como se o livro de Clube da Luta tivesse sido escrito para virar o filme de David Fincher.

Fincher trabalha de maneira primorosa a excentricidade da narrativa de Palahniuk, entregando um produto com muito mais vida e pinceladas mordazes do que os capítulos do livro.

Imagem de capa do item

O Poderoso Chefão (1972)

O livro de Mario Puzo é legal, mas perde muito de seu impacto se desviando por subtramas fracas e se aprofundando em detalhes medíocres que arrastam a leitura. O filme Francis Ford Coppola se trata de uma obra prima máxima do cinema justamente por eliminar tudo aquilo que é pífio no livro.

Imagem de capa do item

Psicose (1960)

Por mais intrigante que seja o livro de Joseph Stefano, ele não arranha a narrativa construída no filme Psicose.

O filme trabalha muito melhor o personagem psicopata Norman Bates, além de ser muito mais fluído e surpreendente em sua trama, matando a protagonista no meio do filme.

Imagem de perfil
Lucas Rafael

Redator. Entusiasta de coisas demais