Capa da Publicação

10 coisas que O Espetacular Homem-Aranha faz melhor que a primeira trilogia!

Por Gus Fiaux
Imagem de capa do item

Movimentação

Qualquer um com um pouco de bom senso percebe isso. As cenas de ação e movimentação são bem melhores que as da trilogia de Raimi (não que seja demérito aqui), já que a computação gráfica e os efeitos visuais evoluíram de tal maneira que você consegue realmente sentir vertigem nas cenas onde o Aranha "voa" por NY auxiliado por suas teias.

Imagem de capa do item

Romance

Marc Webb é um cara que domina essa área. 500 Dias com Ela é um filme marcado justamente pelos traços de romance leve e divertido, algo que funciona muito melhor aqui em O Espetacular Homem-Aranha do que na trilogia. A química entre Peter e Gwen, auxiliada pelo fato de que os atores são um casal na vida real torna o romance leve e palpável.

Imagem de capa do item

O humor

O Homem-Aranha é assumidamente um dos personagens mais divertidos dos quadrinhos. É a mistura da melancolia de seus problemas com o seu positivismo e bom-humor que o torna um dos heróis mais complexos, emocionalmente falando. Porém, a trilogia parecia se apoiar unicamente no viés melancólico, esquecendo o lado piadista de Peter. Algo que não acontece com Espetacular, onde o humor é bem dosado.

Imagem de capa do item

Oscorp

A empresa do inescrupuloso Norman Osborn tem um papel bem maior nos dois filmes, ao contrário da trilogia, onde só vemos a empresa no primeiro e ouvimos pequenas menções nos dois seguintes...

Imagem de capa do item

Choro

Pouco temos a dizer sobre isso. Apenas que Andrew Garfield não chora o tempo todo. E quando chora, ao menos é algo "real".

Imagem de capa do item

Adolescência

O Peter de Tobey Maguire é um caso curioso. O cara acaba de sair do ensino médio, mas já é um homem formado e com todas as responsabilidades de um. Garfield, por outro lado, é o cara que começa a entender um pouco sobre poder e responsabilidade, sem deixar para trás uma das maiores características do Aranha na época de sua criação - a vivacidade de um adolescente. E isso não se estende ao Peter, mas todo o núcleo de Gwen, Flash e Harry.

Imagem de capa do item

Stan Lee

Tudo bem que as participações de Lee na trilogia foram muito boas. Especialmente no terceiro, com uma frase motivacional até interessante. Entretanto, a melhor participação de Stan Lee de todos os tempos fica por conta do primeiro Espetacular Homem-Aranha.

Imagem de capa do item

Sexteto Sinistro

O grupo de vilões é um dos mais marcantes da história do herói, e Webb tem feito certo em apresentar essa história aos poucos, em vez de sair matando todos os vilões que poderiam fazer parte da iniciativa para destruir Peter.

Imagem de capa do item

Lançadores de teia

A ideia de teias orgânicas não é ruim. O pretexto para usá-la é. Segundo alguns, Peter teria teias orgânicas porque era praticamente impossível que um adolescente construísse atiradores de teia sintética. E realmente, é praticamente impossível. Mas estamos falando de Peter Parker. O personagem não é um dos maiores gênios dos quadrinhos à toa. Ponto positivo para a nova franquia.

Imagem de capa do item

Gwen Stacy

Longe de mim dizer que a Mary Jane de Kirsten Dunst foi ruim, apesar das críticas dos fãs. Mas é inegável que a Gwen de Emma Stone é uma personagem muito mais relacionável. A loira consegue ser bonita e versátil, fugindo do estereótipo da mocinha em perigo ao qual estávamos acostumados na trilogia. Sem contar que a atuação de Stone a marca fácil com uma das melhores, senão a melhor personagem da nova franquia.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux