Capa da Publicação

10 coisas que Batman: Arkham Knight deve aprender com o Origins!

Por Felipe de Lima
Imagem de capa do item

A maneira de se contar a história.

Se tem uma coisa que Arkham Origins fez certo foi a maneira com a qual a história foi contada.

O roteiro ficou nas mão dos escritores veteranos Corey May, Dooma Wendshuch e Ryan Galletta, e foi o mais bem elaborado de toda a série.

Veja bem, o roteiro dos outros jogos foram ótimos, porém os diálogos entregavam tudo para o jogador, de ante mão.

Em Origins, as falas dos personagens secundários eram melhores elaboras e mais coerentes, instigando nosso senso investigativo.

Imagem de capa do item

Explorar o lado detetive do Batman.

Um dos pontos mais altos de Batman: Arkham Origins foi a introdução das missões de detetive, explorando esse lado tão notável do Cavaleiro das Trevas.

O modo detetive que começou em Asylum não havia sido usado em seu pleno potencial com a RockSteady. Isso não foi um problema para a WB Montréal, que desenvolveu essa habilidade ao máximo.

Imagem de capa do item

Fast Travel é uma boa ideia.

Com uma área gigantesca para se explorar, a WB Montréal introduziu o conceito de viagem rápida nos jogos do Homem Morcego para que os jogadores não se entediassem ao locomover-se pelo mapa.

O mapa de Arkham Knight será CINCO vezes maior que o de Arkham City, fazendo com que a viagem rápida possa ser utilizada.

Obviamente, a introdução do Batmóvel será extremamente divertida, mas poder ir de um lugar a outro em segundos é uma ideia que agrada os jogadores que querem ir direto à ação.

Imagem de capa do item

Não exagerar nas DLCs

O jogo ainda nem foi lançado, e nós já temos SETE DLCs disponíveis somente para a pré-venda.

Beirando a escrotice, elas incluem: Mapas de desafios, skins de personagens, skins para o Batmóvel(????), personagens jogáveis, Graphic Novels e livros dos segredos.

Uma boa dublagem.

Não vou falar do áudio original, que quando se trata de Batman é sempre perfeito. Vou falar da versão brasileira do game.

Um dos grandes trunfos de Batman: Arkham Origins foi a dublagem brasileira, que na maioria das vozes ficou impecável, como por exemplo o Comissário Gordon, Harvey Bullock, Bárbara, Alfred, Bane e principalmente a voz do Coringa, todas elas feitas com maestria pelos dubladores.

Porém a única voz que desapontou os jogadores foi a do Batman, esperamos que haja uma troca, quem sabe Márcio Seixas possa voltar para o capitulo final da saga!

Imagem de capa do item

Não ignore os personagens de apoio.

Um dos elementos chave de Arkham Origins foi mostrar como Batman forjou suas alianças.

O jogo retratou a ligação emocional entre Bruce e Alfred, sua relação com o Departamento de Polícia de Gotham City, o inicio das atividades da Oráculo, enfim, esse tipo de coisa não deveria se perder com o novo capitulo.

Imagem de capa do item

Não fazer cortes notáveis.

Um dos grandes erros que Origins cometeu foi se apressar para o lançamento, o que acabou gerando o corte de VÁRIAS missões.

A Lady Shiva teria uma missão muito maior no jogo, por exemplo. Em Arkham City alguns cortes também foram perceptíveis, como a relação de Talia e Bruce, que originalmente seria melhor explorada.

Como Arkham Knight já foi adiado três vezes, é de se esperar que os produtores queiram nos trazer um jogo completinho, mas para ter certeza, nos resta esperar.

Imagem de capa do item

Chefões!

As batalhas contra os chefões não foram muito bem exploradas nos dois primeiros jogos da franquia, com exceção da luta contra o Sr. Frio, que é genuinamente excepcional.

Batman Akham Origins se inspirou nessa luta contra o Sr. Frio para as batalhas contra os chefões e o resultado foi o melhor possível.

Imagem de capa do item

Não ter muitos troféus do Charada.

Arkham Asylum e City tiveram uma quantidade absurda de troféus do Charada para se coletar, e o fato é que eles não são divertidos.

Eu mesmo levei semanas pra conseguir atingir o 100% no City devido à quantidade desnecessária de colecionáveis.

Imagem de capa do item

Incorporar o Universo DC.

Uma das coisas mais expansivas de Arkham Orgins foi a ligação com o Universo DC.

Tivemos Easter-Eggs como a Queen Industries (do Arqueiro Verde), a presença do Exterminador (Vilão dos Jovens Titãs) e outra inúmeras referencias, que tornam ele o jogo mais expansivo da franquia.

Você acha que Origins pode ensinar algo para Arkham Knight? Ou acha que a RockSteady deve simplesmente ignorar o game? Não esqueça de comentar!

Imagem de perfil
Felipe de Lima

Pelo poder da verdade, eu, enquanto vivo, conquistei o universo. Me segue no twitter @tearsgodown