Capa da Publicação

Pokémon: Cantora revela quão pouco foi paga pela música clássica do anime

Por Junno Sena

“Mezase Pokémon Master” pode não ser tão conhecida no Brasil, mas a abertura do anime Pokémon percorreu o mundo, ganhando regravações e se instaurando na mente de jovens fãs do anime. A Yahoo! News Japan noticiou o quanto a cantora, Rica Matsumoto, recebeu em troca de performar a música tema do anime.

Sendo paga com apenas 100.000 yenes, o que equivale, hoje em dia, a cerca de R$3.910,00, a música de Rica se tornou um hit de sucesso no Japão, tendo vendido mais de dois milhões de cópias desde 1997. Além disso, a produção é utilizada para promover o anime até hoje, porém, Matsumoto não recebe nada pela reprodução de “Mezase Pokémon Master”.

Isso por que a artista assinou um contrato em que cedia os direitos da música. Vale lembrar que não era algo recorrente pensar em direitos de reprodução na época. Em 1977, por exemplo, quando George Lucas faturou milhões com o licenciamento de marca de Star Wars, debates ao redor de direitos autorais estava dando seus primeiros passos.

Mas, a atriz e cantora não parece incomodada com a situação, uma vez que também deu a voz a versão japonesa de Ash Ketchum, conhecido no país como Satoshi. Rica deu voz ao personagem pela primeira vez em 1977, no episódio piloto do anime e, desde então, tem contribuído com dubladora e com novas músicas para série.

Recentemente, ela performou duas músicas de abertura para as temporadas de Sun and Moon.

Imagem de Pokémon: Sun and Moon

A voz de Rica também pode ser encontrada no JAM Project, grupo popular de rock japonês que contribuiu com a trilha sonora de animes como One Punch Man, Garo e Sgt. Frog. Sem contar em seus trabalhos como atriz que reúnem Lupin e Paradise Kiss.

Pokémon promete estar próximo de seu fim. De acordo com anúncios recentes, o último arco do anime será o Campeonato Mundial e trará oito das gerações Pokémon lutando pelo título mundial.

Aproveite e leia também:

Imagem de perfil
sobre o autor Junno Sena

Pós graduando em Antropologia com o raio problematizador ligado no 120. Assiste filme trash para relaxar e dorme cantarolando a trilha sonora de A Hora do Pesadelo. Blaxploitation na veia e cinema coreano no coração. Atualmente mora em Petrópolis, RJ.