Hulk cinza? Saiba por que o herói da Marvel teve sua cor alterada para verde

Capa da Publicação

Hulk cinza? Saiba por que o herói da Marvel teve sua cor alterada para verde

Por Gus Fiaux

Um dos personagens mais clássicos da Marvel Comics, o Incrível Hulk é um anti-herói extremamente poderoso. Na trama original, Bruce Banner sofre os efeitos da explosão de uma bomba gama e acaba ganhando a capacidade de se transformar em um monstro com superforça e outros atributos especiais. Porém, muito antes de ter se firmado como o Golias Esmeralda, ele tinha uma cor bem diferente.

Essa história sempre ficou meio nebulosa entre os fãs, já que muitos acreditavam que a mudança teria sido feita por alguma decisão criativa de Stan Lee Jack Kirby. Na verdade, o herói acabou ficando verde por conta de um erro na impressão de suas primeiras revistas – e aqui, explicaremos um pouco mais sobre como essa criatura surgiu e por que ele mudou de cor nas HQs!

O Hulk Original

De acordo com o Goethe, quando o Hulk foi criado, Stan Lee disse ter se inspirado em uma miríade de monstros e figuras clássicas para compor o personagem. Embora a inspiração mais evidente seja O Médico e o Monstro, livro clássico de Robert Louis Stevenson, ele também teria puxado algumas ideias do mito clássico do Golem (das lendas judaicas) e também o Frankenstein eternizado por Boris Karloff nos cinemas.

Essa última inspiração, em particular, foi o que fez com que Lee quisesse que o anti-herói tivesse a pele acinzentada – em parte porque ele não queria representar nenhuma etnia específica, mas também porque ele queria que o Hulk tivesse um visual mais grotesco e assustador. Assim, Jack Kirby fez os desenhos e a colorização ficou por conta de Stan Goldberg, mas houve um problema na impressão das revistas.

Só em sua primeira edição, o Hulk virou uma criatura multicolorida. Em tiragens diferentes – e às vezes, até mesmo dentro das mesmas revistas -, víamos um Hulk cinza da cor de carvão, outro com um tom metálico e, em casos bem famosos, o personagem com uma tonalidade esverdeada na pele. Isso se deve ao fato de que as gráficas possuíam um excesso de ciano e amarelo e uma escassez de pigmentos magenta.

Começava aí a primeira mudança (de muitas) que consagraria o Hulk como um dos maiores ícones da Marvel e das histórias de super-heróis.

A cor que mudou tudo

Ao perceber esses problemas na gráfica, Stan Lee repaginou a ideia do herói e pediu que Stan Goldberg passasse a colori-lo como verde. Já na segunda revista do herói, The Incredible Hulk #2, o personagem já saía nas gráficas como uma figura esverdeada e que logo seria conhecido pela alcunha de Golias Esmeralda. Isso ajudou a transformá-lo em uma figura ainda mais inumana.

Mas essa não foi a única mudança proposta. Originalmente, o personagem se transformava apenas à noite, como um lobisomem. Depois disso, ele passou a se transformar toda vez que sentia intensos surtos de raiva – e logo, o que era uma fraqueza para Bruce Banner logo virava uma força para o Hulk, já que quanto mais irado ele ficava, mais sua força era aumentada.

Mas a cor em si adicionava camadas bem interessantes ao personagem, especialmente porque o verde geralmente era usado para simbolizar vilões – e temos vários exemplos que derivam desse mesmo período, como o Duende Verde, o Abutre, Loki e vários outros. Isso ajudava a acrescentar ambiguidade e complexidade à trágica história de Bruce Banner, de modo que ele deixava de ser só mais um herói para se tornar uma figura nas linhas tênues da lei.

De volta ao cinza

Porém, a mudança também acabou sendo positiva porque, posteriormente, o Hulk passou a ganhar diversas cores para representar diferentes aspectos de sua própria personalidade. Embora o Verdão tenha sido o mais popular de todos desde sempre, logo foram criados algumas versões alternativas que simbolizavam mudanças estruturais nas vivências e nas próprias histórias do personagem.

Na década de 80, os roteiristas da Marvel começaram a flertar com essa ideia. Em 1986, tivemos o retorno do Hulk Cinza – dessa vez como uma personalidade à parte, um pouco menos forte que sua contraparte verde, mas perigosa. Dois anos depois, esse conceito evoluiu para se tornar Joe Fixit, uma versão mais inteligente que se torna mafioso e não liga mais para conflitos heroicos.

Eventualmente, outras cores começam a surgir. Temos o Hulk Azul (uma fusão do Hulk com Capitão Universo), o Hulk Laranja (que vem do universo de A Era do Apocalipse), o Hulk Vermelho (que é, na verdade, a persona do General Thunderbolt Ross, um dos antigos inimigos de Bruce Banner) e incontáveis outros, todos culminando na forma mais recente do anti-herói, o Imortal Hulk – que é verde, mas possui traços de todas as versões anteriores.

E curiosamente, quando a Marvel decidiu criar um novo universo que fosse mais acessível para leitores mais novos, foi dado início ao selo Ultimate Marvel. Nessas histórias, o Hulk era cinza também, honrando as ideias originais de Stan Lee, Jack Kirby e Stan Goldberg. Mas é curioso pensar que, se não fosse por um pequeno erro de impressão – que poderia ser facilmente corrigido – o Hulk talvez não fosse tão popular quanto é hoje…

Abaixo, veja também:

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux