Capa da Publicação

WandaVision: Uma série magicamente estranha

Por Cristiano Rantin

Em nome da Legião dos Heróis, recebi os primeiros três episódios de WandaVision, série que chega amanhã, dia 15, no Disney +. Desde o primeiro trailer, já estava na cara que veríamos algo verdadeiramente incomum, mas após assistir o início do seriado não dá pra negar: WandaVision é provavelmente o projeto mais esquisito e incrível que a Marvel lançou nos últimos anos. 

Quem me acompanha nas redes sociais sabe que, ainda que goste muito do Universo Cinematográfico Marvel, fico ligeiramente incomodado com a conhecida Fórmula Marvel. WandaVision chega para quebrar esse molde, mostrando que o futuro do MCU será verdadeiramente inovador e sem medo de experimentar. 

Sem maiores explicações, a série já começa te colocando na fantasia de Wanda Maximoff e sua vida perfeita com o Visão. Levando em conta que a última vez que os vimos, o sintozóide estava morto (em Vingadores: Guerra Infinita) e a Feiticeira Escarlate havia retornado do estalar de dedos para surrar o Thanos (em Vingadores: Ultimato), encontrar os dois personagens nesta realidade, lutando para se encaixar no subúrbio durante os anos 50, é um tanto desconcertante. 

Isso contribui com a sensação de estranhamento presente no seriado. Tudo em WandaVision parece ter sido feito pra te confundir e ser ligeiramente incomodo, justamente porque não recebemos as respostas mastigadas. Nossos guias nessa narrativa parecem estar igualmente perdidos e então, assim como eles, você só decide se entregar à aventura e aproveitar a história que está sendo contada. 

Elizabeth Olsen e Paul Bettany estão incríveis!

Como estão Elizabeth Olsen e Paul Bettany?

Elizabeth Olsen e Paul Bettany estão excelentes como Wanda e Visão, extremamente confortáveis em mostrar outros aspectos dos Vingadores que amamos. É muito bom ver os atores explorarem esses personagens que eles interpretam há 5 anos, dessa vez mostrando os heróis sob uma luz completamente diferente. 

A leveza que Bettany coloca no Sintozóide é muito bem-vinda, garantindo risadas e momentos fofos ao lado de sua amada. Eu definitivamente não esperava que o Visão se tornaria o maior alívio cômico de WandaVision, mas é ele quem entrega as cenas mais divertidas neste começo. 

Já Olsen brilha ao trazer mais complexidade para a Feiticeira Escarlate, mostrando um lado da personagem que acabou sendo ignorado nos cinemas e apresentando uma heroína mais relaxada e humana. Na série conseguimos ver um outro aspecto de Wanda, como seus momentos de vulnerabilidade e o seu grande desejo de ser parte de uma comunidade e viver uma vida normal. O humor da protagonista também é bem trabalhado nas mãos da atriz, que dá um show de interpretação. 

Agnes e Monica Rambeau estão incríveis em seus respectivos papéis. Agnes rouba a cena em todos os momentos, sendo uma vizinha intrometida bastante divertida e uma companheira para Wanda. Já Monica é apresentada de uma forma um tanto diferente, adicionando humor e mistério na vizinhança. O trabalho de Kathryn Hahn e Teyonah Parris está ótimo e mal posso esperar para ver as duas aparecendo mais vezes no seriado.

A realidade nunca foi tão esquisita!

Fragmentando a realidade e a fórmula Marvel

WandaVision é verdadeiramente esquisita, e uso essa palavra como um grande elogio. Os personagens estão agindo de uma forma diferente, a história segue por caminhos inexplorados no MCU e a trama tranquila e divertida é constantemente interrompida por momentos bizarros e até um pouco sombrios, tudo para deixar claro que nada é o que parece. 

E isso é um passo muito ousado da Marvel Studios. Não que os filmes do MCU não pudessem surpreender, mas estávamos acostumados a ir para os cinemas já sabendo de boa parte da história. Os materiais promocionais, fotos dos set de filmagens ou as entrevistas sempre deixavam claro quais seriam os vilões daquela história, o principal objetivo dos heróis ou os temas que seriam abordados no longa. Com WandaVision isso não acontece. 

Se você estava preocupado com a quantidade de teasers e trailers que estavam sendo divulgados, saiba que eles não entregaram muitas pistas sobre a série. As cenas foram editadas de uma forma diferente e, às vezes, o que apareceu no material promocional mostra momentos rápidos e pouco relevantes para o seriado. Pelo menos até o momento.  

Tudo isso para confundir os fãs e aumentar essa sensação de estranhamento. Não dá pra saber o que a série nos reserva, e é bem difícil prever como essa história termina. E esse é um ponto extremamente satisfatório, como um um sopro de ar fresco para o Universo Cinematográfico Marvel.

Tenho repetido que os primeiros episódios série não te dá as respostas que você desejava, mas não entenda isso como algo negativo. O mistério criado em torno disso, que é alimentado através dos momentos incomuns que quebram a narrativa, te deixa vidrado e ansioso por mais. Confesso que revi o material que me foi enviado mais de uma vez, buscando por pistas ou algum detalhe que pudesse me ajudar a elaborar teorias. E eu acredito que os fãs farão o mesmo. 

WandaVision é uma grande homenagem para a história da TV.

Como são os episódios?

É bastante comum que algumas séries façam episódios especiais homenageando outros clássicos ou décadas passadas. WandaVision, no entanto, leva isso a outro nível, justamente por já começar a história dessa forma e não apresentar nenhum contexto. O caos também está presente na duração de cada episódio, que não segue os padrões que estamos acostumados. O primeiro tem 27 minutos, o segundo 34 e o terceiro 30. 

Os dois primeiros episódios são quase que inteiramente em preto e branco, abusando das piadas e dos efeitos especiais das séries antigas. O resultado é uma homenagem tão bem feita para projetos como Jeannie é um Gênio e A Feiticeira que você fica encantado. 

Começar a série desse jeito peculiar é apostar que os fãs irão acompanhar essa jornada e não rejeitar esses elementos mais incomuns. Entretanto, acredito que os dois primeiros episódios podem não agradar todo o público, justamente por se sustentarem em tantas referências e por serem realmente como uma série dos anos 50 ou 60 — incluindo suas tramas e efeitos especiais. 

O terceiro episódio, meu favorito, já é mais fácil de ser absorvido e apresenta uma trama que parece mais fluída e rápida. Se passando nos anos 70, o episódio mostra uma aventura em cores, estampas exageradas e um humor tão absurdo que te faz gargalhar do começo ao fim. 

WandaVision é bom mesmo?

Pra ser direto ao ponto: Sim. A série é divertida, inteligente e bem diferente do que estamos acostumados a ver. Os atores estão excelentes nos seus papéis e todos os detalhes foram bem trabalhados. WandaVision está simplesmente incrível.

Não há dúvidas que, assim como todo Universo Cinematográfico Marvel, WandaVision foi minuciosamente planejada. E se a série continuar mantendo esse nível de excelência (algo que eu acredito que vai acontecer) a história da Wanda definitivamente será um dos projetos mais únicos e fascinantes do MCU. 

Confira aqui como se preparar para a estreia de WandaVision:

WandaVision chega no Disney+ amanhã, dia 15 de janeiro.

Imagem de perfil
sobre o autor Cristiano Rantin

Jornalista • Editor • Mestrando em Comunicação Social pela UEL • Twitter e Instagram: @Chris_Rantin • "Eu sou o fogo e a vida encarnados. Agora e para sempre eu sou a Fênix!"