Exclusivo: Diretora de Viúva Negra fala sobre importância do filme para garotas ao redor do mundo

Capa da Publicação

Exclusivo: Diretora de Viúva Negra fala sobre importância do filme para garotas ao redor do mundo

Por Camila Sousa

Não é segredo para os fãs de cinema que não é fácil ser uma diretora em Hollywood. Em pleno 2021, apenas sete mulheres foram indicadas para a categoria de Direção no Oscar e as oportunidades são ainda menores quando falamos de filmes de super-heróis. Felizmente, este cenário está mudando, com nomes como Patty Jenkins no comando de Mulher-Maravilha, a vencedora do Oscar Chloé Zhao em Os Eternos e Cate Shortland em Viúva Negra, longa muito aguardado pelos fãs, que mostra mais sobre a origem de Natasha Romanoff (Scalett Johansson).

Em entrevista exclusiva enviada à Legião dos Heróis, Shortland falou sobre a importância de contar a história da vingadora antes de entrar na equipe conhecida no MCU.

“Natasha é uma personagem fascinante e acho que os fãs queriam saber mais sobre ela. Eles queriam saber quem ela era antes de ser uma vingadora. Ela também sempre foi muito fechada, e não confiava nas pessoas, e queríamos saber de onde isso veio (…) Aprendemos em Viúva Negra que Natasha fazia parte de uma família de espiões. Ela estava na Rússia e foi levada para os EUA para interpretar um papel. Então essa personagem sempre precisou fingir. E em Viúva Negra nós desconstruimos isso e vemos quem é Natasha quando não está fingindo e está vulnerável”.

Natasha e Yelena: o coração de Viúva Negra

Já lançado nos cinemas e no Disney+, o filme solo da heroína apresenta diversos personagens que ainda podem voltar no MCU, incluindo Yelena Belova, interpretada por Florence Pugh. A dinâmica entre as duas personagens é o ponto alto da produção e Shortland ressalta como isso foi importante para o filme:

“Natasha e Yelena se reencontram no filme e descobrimos que elas não se viam desde a infância. Há uma emoção e muita dor, porque elas se separaram no passado. Então as duas têm problemas de confiança e a jornada do filme é realmente sobre esse relacionamento e sobre essas duas jovens unindo forças e se tornando essa equipe poderosa”.

Famílias imperfeitas

Além de Yelena, o longa apresenta Melina e Alexei/Guardião Vermelho, interpretados respectivamente por Rachel Weisz e David Harbour, que completam o núcleo familiar fora do comum de Natasha. E já nas primeiras cenas do filme, é mostrado como eles fazem parte de um sistema maior, algo que a diretora afirma ser um ponto importante na relação com Natasha e Yelena.

“Alexei e Melina estão quebrados, os dois fizeram coisas terríveis, mas também são vulneráveis, pessoas que querem ser amadas. São pessoas que fazem parte de um sistema do qual eles não se orgulham, e precisam responder às suas filhas: por que eles se envolveram nesse sistema corrupto? Acho que muitas pessoas vão se identificar com isso”.

A família imperfeita de Natasha

Como não poderia ser diferente, o longa também toca no assunto da partida de Natasha, mostrada em Vingadores: Ultimato (2019). Como o filme solo da personagem é situado logo após Capitão América: Guerra Civil (2016), ele serve praticamente como uma homenagem à personagem, e Shortland revela que pensou em como seria possível mostrar aos fãs que Natasha pode ser eterna, de alguma forma.

“Quem assistiu Vingadores: Ultimato sabe como a personagem se sacrificou, e eu queria mostrar que ela pode ser eterna. Então usei vagalumes no começo do filme, que ela vê quando criança, e os uso novamente no final do filme, trazendo essa ideia de que mesmo quando não estamos mais aqui, nós nos unimos ao universo. Isso era algo bem importante para mim”.

Cate Shortland no set de Viúva Negra

Assim como outras produções estreladas por heroínas, Viúva Negra cumpre um papel importante ao trazer representatividade para as meninas, que por muito tempo não tiveram referências em destaque no universo de heróis. Para a diretora, foi importante dirigir o filme para falar com todas as garotas ao redor do mundo e também com sua própria filha:

“Tenho uma filha de 12 anos e queria um filme para falar com ela pessoalmente, assim como com todas as outras jovens garotas no mundo, para dizer: vocês são incríveis, vocês são fortes, divertidas, inteligentes, e vocês podem fazer muito mais do que o mundo diz que vocês podem. Espero que garotas de vários países ao redor do mundo vejam o filme e sintam que há um pouco da Viúva Negra nelas também”.

Viúva Negra está disponível no Disney+ pelo Premier Access e também está em cartaz nos cinemas.

Antes de ir, fique com:

Imagem de perfil
sobre o autor Camila Sousa

Jornalista por formação e nerd por natureza. Fã de diversos mundos fantásticos por aí e criadora do podcast Podcakes | @cakes_sousa no Twitter e Instagram