Qual a história trágica por trás da rivalidade de Vampira e Capitã Marvel?

Capa da Publicação

Qual a história trágica por trás da rivalidade de Vampira e Capitã Marvel?

Por Gus Fiaux

Nos quadrinhos de super-heróis, é muito comum vermos rivalidades “amigáveis” entre heróis. Temos isso na DC com o Batman e o Superman, por exemplo, ou então na Marvel com o Ciclope e o Wolverine, ou o Capitão América e o Homem de Ferro. Contudo, nem todas as rivalidades são suaves desse jeito – algumas derivam do profundo ódio, desprezo e fúria. Esse é o caso da briga entre a Capitã Marvel e a Vampira.

Para os fãs mais recentes da editora, é até difícil imaginar por que duas personagens vindas de lugares tão distintos poderiam ter essa raiva tão forte uma pela outra, mas a história é bem longa e precisa ser explicada com cautela – basta saber que uma destruiu a vida da outra, e certos erros são difíceis de se esquecer. Aqui, você vai entender toda a briga entre Carol Danvers e a Vampira!

Origens do conflito

Para entender a grande batalha entre Carol Danvers e a Vampira, é importante saber que, de início, a mutante não fazia parte dos X-Men. Na verdade, ela foi criada para fazer parte da revista solo de Carol – que era Ms. Marvel na época – como a filha adotiva e aliada de Mística. A mutante metamorfa fazia parte do quadro regular de vilões da Ms. Marvel, sempre tentando sabotar a heroína e pôr as mãos em arquivos do governo norte-americano.

Tudo chegou a um ponto de ebulição quando Sina (a namorada de Mística, que também integrava sua Irmandade de Mutantes ao lado de Vampira) fez uma previsão de que Carol Danvers seria responsável por causar um grande estrago na vida de Vampira. Como Sina é uma precognitiva muito poderosa, Mística acreditou de cara nessa profecia e começou a fazer de tudo para salvar sua filha.

No entanto, certo dia, Vampira ouviu a conversa entre Sina e Mística sobre o futuro reservado para ela e decidiu dar cabo ao conflito antes mesmo que ele começasse. Em Ms. Marvel #18, sem nem mesmo ser atacada, a mutante dá tudo de si contra Carol Danvers e termina absorvendo seus poderes e sua identidade, deixando a heroína em coma e com a vida em frangalhos.

Essa história foi melhor explicada em Avengers Annual #10 Marvel Super Heroes #11, que ajudam a dar um contexto maior para o primeiro embate entre Carol e Vampira. O confronto fez com que Carol perdesse boa parte de suas memórias e acabasse com vários problemas psicológicos, como estresse pós-traumático. Enquanto isso, a Vampira absorveu boa parte da identidade de sua rival e adquiriu superforça e voo.

Mas é importante deixar claro que, apesar de ser uma vilã, a Vampira não é exatamente culpada por tudo que rolou, já que na época ela era apenas uma adolescente sem saber o que fazer e que era criada por duas supervilãs famosas. Sua vida era um caos, e a absorção de Carol acabou deixando tudo mais complicado, já que era como se ela tivesse “duas almas batalhando em um mesmo corpo”, o que fez com que ela buscasse ajuda do Professor X e dos X-Men.

Amargo reencontro

Antes de Vampira se juntar aos X-Men, quem fez parte da equipe – por incrível que pareça – foi a própria Carol Danvers, que precisava de ajuda para reencontrar suas memórias e sua identidade. Ela contou com o apoio do Professor X e se tornou muito querida pela equipe mutante, até que chegou a se transformar em Binária, em uma fase na qual seus poderes estavam ainda mais fortes.

O problema é que, pouco tempo depois, Vampira veio procurando ajuda para lidar com a personalidade de Carol. E isso não caiu bem para a equipe e nem para a Vingadora, por mais que Charles Xavier tenha aberto seus braços de boa. Em Uncanny X-Men #171, as duas se reencontraram e Carol não perdeu tempo, literalmente jogando a mutante para o espaço.

Vampira voltou e continuou a enfrentar sua rival, desferindo golpes poderosos e levando outros em troca. A briga foi bem destrutiva para a Mansão Xavier, mas as coisas se acalmaram o bastante – e foi aí que Carol descobriu que sua inimiga tinha sido perdoada pelo Professor X e era uma nova integrante dos X-Men. Magoada e traída, ela mandou Charles ir para o inferno e deixou o grupo.

Vale lembrar que nessa época, a Vampira não era muito digna de confiança não apenas por tudo que fez com Carol, mas também por atuar ao lado de Mística na Irmandade dos Mutantes, e por ser filha adotiva da vilã. As duas tinham causado muita dor de cabeça para os Filhos do Átomo, e boa parte dos membros dos X-Men recusou a entrada de Vampira – alguns chegaram a dizer que sairiam do grupo se a mutante entrasse.

Porém, Charles convenceu a todos de que a mulher estava perdida no mundo e precisava de um norte para se guiar, motivo pelo qual ele a recebeu sem preconceitos e desconfianças. Com o passar do tempo, ele a ajudou a controlar a personalidade “roubada” de Carol, e em troca ela se provou uma das maiores adições aos X-Men, se redimindo dos seus crimes do passado e lutando ferrenhamente ao lado do grupo.

Uma trégua?

Depois disso, Vampira Carol Danvers se reencontraram outras vezes, mas se continham para não começar o barraco novamente. A luta para acabar com todas as lutas veio em X-Men Legacy #269durante toda a batalha entre os Vingadores e os X-Men, quanto cinco mutantes haviam sido selecionados para integrar o Quinteto Fênix (Colossus, Magia, Emma Frost, Namor e Ciclope).

Durante a batalha, a Vampira ficou ao lado dos mutantes e acabou enfrentando Carol Danvers (que logo iria se aposentar do manto de Ms. Marvel). As duas tiveram uma grande batalha que culminou quando Vampira tentou absorver novamente os poderes de Carol, liberando de volta todas as memórias e traumas da heroína. A luta ficou ainda mais violenta, mas acabou quando a mutante derrotou Carol usando seus poderes e os do Homem de Gelo. 

Porém, Carol acabou sendo presa pela Magia – e ao descobrir isso, a Vampira percebeu o que havia de errado com o Quinteto Fênix e ajudou sua antiga inimiga a se libertar. Logo, as duas se ajudaram e Vampira foi uma das primeiras a pular para o barco dos Vingadores durante o confronto com os Filhos do Átomo – tanto é que depois foi chamada pelo próprio Capitão América para integrar uma equipe composta por heróis humanos e mutantes.

As duas então estabeleceram uma trégua silenciosa. Elas sabem que não são amigas e provavelmente nunca vão ser, mas não vão mais se enfrentar se tiverem a chance. Isso acaba sendo fundamental para a relação de respeito mútuo que as duas constroem depois que Carol se torna Capitã Marvel. Mas isso não significa necessariamente que as duas nunca mais lutaram…

Em 2019, nas páginas de Captain Marvel #4 5, ambas foram colocadas em uma prisão mental por um vilão. As duas tiveram um breve confronto, mas ao perceber o que estava acontecendo, Carol deixou que Vampira absorvesse seus poderes, de modo que as duas se voltaram contra o verdadeiro inimigo. Depois disso, elas se cumprimentaram e seguiram seus caminhos, indicando que não há mais um sentimento ruim e um trauma do passado.

Abaixo, conheça todos os poderes e habilidades da Capitã Marvel:

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux