Profecia do Inferno: O que esperar de uma temporada 2?

Capa da Publicação

Profecia do Inferno: O que esperar de uma temporada 2?

Por Junno Sena

Atenção: Alerta de Spoilers!

Enquanto Hellbound está no limbo das séries renovadas e canceladas ao mesmo tempo, como o famoso gato de Schrödinger, é impossível não pensar na cena final de sua primeira temporada. A série, que possui três pontos narrativos inicialmente, acompanha o surgimento de uma nova religião que prega por uma justiça divina em que demônios assustadores são responsáveis por enviar pessoas ao inferno.

O que inicialmente parece uma narrativa puramente religiosa, na verdade, esconde uma trama repleta de críticas à fake news, fanatismo religioso, corrupção e poder político. Após seis episódios e um ritmo agitado, Hellbound, ou Profecia do Inferno, finaliza a série deixando uma grande interrogação sobre diversos temas levantados. E com tantos questionamentos, para onde os produtores podem levar a série?

Poster da série

A temporada, que foi dividida em duas partes, se encerra com dois pontos centrais da trama ficando em aberto: (1) Jeong-ja, a primeira pessoa a ter a sua punição televisionada é trazida de volta para o mundo mortal sem motivo aparente; e (2) descobrimos que há uma forma de impedir que a alma da pessoa seja levada, uma vez que Bae Young-jae e Song So-hyun se sacrificaram para impedir que seu filho fosse levado pelos demônios.

À primeira vista, o fim da série coreana que, assim como Round 6 acumulou uma boa audiência pelo mundo, subindo para a lista de mais assistidos de 80 países diferentes dentro de 24 horas, não parece ter grandes motivos para um retorno. Mesmo com a sobrevivência do bebê que havia sido condenado ao inferno poucos dias depois de nascer, a história parecia ter dado o que havia se proposto: uma narrativa complexa, bem construída e que se fechava consigo mesmo.

Mas, Jeong-ja se tornou o coringa para a história. O surgimento da personagem, anos depois do seu julgamento, deixa diversas questões em aberto. Que vão além da origem misteriosa desses monstros e se encontram com o que será dessa nova sociedade, que acabou de se habituar com essa “nova ordem”. O criador pode não ter nada muito certo sobre a trama, mas a verdade é que as teorias já começaram a pipocar.

Como começou ou quase isso

O final de Min Hye-jin foi um dos pontos altos da season finale

Começando pelo início. Como foi visto na série, não temos ideia sobre um primeiro condenado. Pelo contrário, Jeon Jin-Soo, o líder da Nova Ordem, deixa claro que antes mesmo de dar início a seita religiosa, o mesmo já havia se encontrado com os demônios da série. Como um acidente, o personagem dá de cara com os monstros executando um dos condenados no meio do nada.

Não apenas isso, mas a mídia fictícia da série anuncia que existe um aumento de pessoas desaparecidas e que diversos corpos carbonizados têm sido encontrados em lugares remotos. Isso já sugere que desde há muito tempo, pessoas têm sido perseguidas por esses monstros, mas ninguém deu atenção. Além disso, por Hellbound já mostrar sua predileção por histórias separadas pelo tempo, poderia ser interessante abordar mais sobre o início dessa “pandemia”. Trabalhando, ao invés da mitologia criada em cima dos monstros, o medo de um homem que recebeu a profecia, mas que ninguém parece ter acreditado no mesmo.

Advocacia e religião

O julgamento televisionado de Jeong-ja

Por outro lado, se temos grandes perspectivas para trás, temos ainda mais para o futuro dessa sociedade. O retorno de Jeong-ja significa uma grande mudança para diversas pessoas. Desde seus filhos, que foram deixados no Canadá, até a religião pregada pela Nova Ordem e o mistério que ronda essas criaturas. Mesmo que a mãe solo não se lembre do ocorrido ou de onde esteve durante todos aqueles anos, a verdade é que apenas sua presença promete balançar todos os indivíduos da série. 

Um caminho claro seria abordar se houve algum retorno antes dela e também sobre todos os trambiques que seriam envolvidos pelo fato de uma mulher morta ter voltado a vida. O criador Yeon Sang-Ho já se mostrou interessado em todos os embates políticos e sociais que envolvem as condenações. Essa seria apenas mais uma desculpa para trazer a advogada Min Hye-jin de volta para uma segunda temporada.

Ainda partindo desse plot, o bebê também seria um grande foco para compreender como irão lidar com as pessoas que foram levadas. Mesmo que, à primeira vista, a condenação e a subsequente morte de seus pais possam ter ficado por debaixo dos panos, Min Hye-jin irá precisar encontrar uma forma de, ou adotar a criança, ou retorná-la para a família. E isso com acréscimo da possibilidade ou não dos pais dela retornarem do “inferno”.

A queda

A queda da Nova Ordem parece eminente em uma segunda temporada

E tudo isso permeado pela queda da Nova Ordem. Queira ou não, diversas pessoas presenciaram a morte dos pais do bebê como também fizeram vídeos. A seita religiosa pode tentar tratar o assunto como uma mentira ou montagem, mas como vimos, o ocorrido já balançou o poder político que a mesma possui sob as pessoas.

A queda da organização seria um bom ponto para ser explorado em uma possível segunda temporada, uma vez que, assim como todo mundo, ela também está às cegas e sem entender o que significam todos esses julgamentos divinos.

Além de todos esses motivos para desacreditar da palavra deles, também temos Jeong-ja, que pode ser utilizada para dar ainda mais razão à Nova Ordem. Mesmo ela se lembrando ou não dos anos que passou na outra dimensão, a personagem pode servir de exemplo, quase como um mártir. Como um indivíduo que passou pela punição e agora, livre de seus pecados, pode voltar a viver no mundo dos humanos.

Mais pessoas voltando?

Jeong Jin-soo, interpretado por Yoo Ah-In

O que nos leva a outro ponto que foi essencial para a primeira metade da temporada: Jeong Jin-soo. O personagem odiável, interpretado por Yoo Ah-In, foi levado pelos demônios logo após revelar que apenas criou a Nova Ordem porque queria que a humanidade sentisse o mesmo medo que ele sentiu por vinte anos. 

O retorno da mulher que Jin-soo ficou tão curioso sobre o porquê de sua punição também levanta a possibilidade dele retornar. E com a inserção do personagem na trama, a Nova Ordem passaria por mais um choque. Jin-soo é um orador nato, manipulador e em alguns sentidos, um ótimo publicitário. Seria fácil para ele mudar a popularidade da organização e passar a ser tratado como um messias.

O mundo de Yeon Sang-Ho

Mas, dentre tantas teorias, a única certeza seria uma: o caos. O universo que Yeon Sang-Ho criou é regido pelo caos, pelo medo do desconhecido. O retorno a essa liberdade que foi tirada pela Nova Ordem será regida por isso, uma vez que em diversos momentos somos constantemente bombardeados com o fato de que humanos não devem ter liberdade.

Ser livre, aqui, é ter a oportunidade de pecar, fazer o mal. Ou de, pelo menos, fazer sem ser descoberto. Ou fazer sob a “palavra de deus”. De qualquer forma, o retorno a esses princípios de liberdade levariam as pessoas à loucura. Assim como na nossa pandemia, não existe uma normalidade para qual voltar. É possível que, em uma nova temporada, encontremos uma grande polarização sobre o que acreditar e como agir perante o medo da punição.

De qualquer forma, o que podemos fazer é esperar, tanto por mais notícias da Netflix, mas também pelo resto do webtoon. Yeon Sang-Ho, em entrevista para a Variety, comentou que ainda não conversou com o streaming sobre uma segunda temporada, apesar de tanto ele quanto o serviço terem ficado muito satisfeitos com a série.

O diretor Yeon Sang-Ho no set de filmagens de Train to Busan

“Como você sabe, nós só lançamos a primeira temporada de Hellbound e ainda não tivemos como discutir o assunto com a Netflix. Então eu diria que é algo que ainda vamos conversar sobre”, explicou o criador da série.

Capa do webtoon que será lançado fisicamente nos EUA

E, com a produção do webtoon e de um terceiro filme para a franquia de Train to Busan, talvez não tenhamos uma confirmação por um tempo. Mas, o roteirista e diretor tem trabalhado no universo de Hellbound desde 2003, logo, é difícil acreditar que ele vai deixá-lo de lado.

“Por Hellbound ser baseado em um webtoon original, meu colega, Choi Kyu-Seok, e eu decidimos que a história seria publicada antes de transformá-la em outra série live action. Então ainda precisamos conversar mais sobre isso ”.

De qualquer forma, o drama ainda parece ter muito para contar e com o recente aumento no investimento de conteúdo sul-coreano pela Netflix, talvez possamos ser otimistas sobre Hellbound. Pelo menos sobre o aspecto renovação, porque sobre a história, parece que vai vir só mais tragédia.

Veja também:

Imagem de perfil
sobre o autor Junno Sena

Pós graduando em Antropologia com o raio problematizador ligado no 120. Assiste filme trash para relaxar e dorme cantarolando a trilha sonora de A Hora do Pesadelo. Blaxploitation na veia e cinema coreano no coração. Atualmente mora em Petrópolis, RJ.