Capa da Publicação

O Legado de Júpiter: Matt Lanter e Ben Daniels contam como a série se destaca no gênero

Por Cristiano Rantin

O Legado de Júpiter está chegando na Netflix neste mês! E em nome da Legião dos Heróis, participei de uma coletiva de imprensa com Matt Lanter e Ben Daniels, atores que dão vida, respectivamente, aos personagens Skyfox e Onda-Cerebral. Em uma conversa bem humorada, os dois revelaram o que mais gostaram da série, o que esperam de uma segunda temporada e as maiores dificuldades do projeto. 

Em O Legado de Júpiter acompanhamos a história da primeira geração de super-heróis do mundo. Agora, após um século protegendo a humanidade, eles precisam lidar com seus filhos seguindo seus passos. No entanto, muitas tensões surgem a partir disso, uma vez que a visão dos jovens não é a mesma dos seus pais e eles tem ideias bem diferentes sobre como um super-herói deveria agir para salvar o dia. 

No meio desse conflito temos Walter Sampson, mais conhecido como Onda-Cerebral, irmão de Sheldon, o poderoso Utópico. Um homem inseguro e frustrado que, após conquistar seus poderes, se tornou um grande estrategista e uma das peças fundamentais a União de heróis. Já George Hutchence, o Skyfox, era o melhor amigo de Sheldon. Presente durante as descobertas dos poderes, ele acaba se afastando do super-grupo, que agora o vê como uma ameaça. 

Dos quadrinhos para as telas

Onda-Cerebral, herói interpretado por Ben Daniels.

Começando a conversa falando sobre o preparo para encarnar seu personagem, Ben Daniels aponta que as HQs escritas por Mark Millar foram utilizadas como o principal material em seu preparo. Por esse motivo, a violência e os temas discutidos na adaptação da Netflix não chegaram a surpreendê-lo: Acho que os quadrinhos tem mais violência que a série, mas é parte daquele mundo e daquela história. É parte do nosso mundo também, infelizmente”. Para Matt Lanter esses aspectos mais sérios são elementos de extrema importância na narrativa: “Se não for gratuito, então é entendido e processado de uma forma muito melhor, se isso é nativo daquela história e avança aquela história, então se encaixa melhor. E nada disso parece gratuito ou exagerado na série, tudo parece encaixar bem,” afirma. 

Diferente do que vemos em algumas adaptações mais populares dos super-heróis, em O Legado de Júpiter a morte é um tema importante na narrativa, dando um peso maior em algumas tramas, bem como as batalhas mais intensas e sangrentas que vemos ao longo da primeira temporada. De acordo com Daniels, isso é algo que contribui para a produção de muitas maneiras. “Você vê esses personagens se machucando e sangrando, você vê a dor que eles passam. O que talvez não seja sempre o caso em coisas de heróis. Cada vez que eles acabam indo ao chão, você sente iso. E eu acho que eles foram bem cuidadosos para que vocês sentisse esse impacto no seriado,” declara.

Uma história de quase 100 anos 

Uma história em dois séculos

A história de O Legado de Júpiter se passa em dois períodos diferentes. O primeiro, em meados do século XX, mostra a jornada dos heróis originais da União até a conquista dos seus poderes, enquanto o segundo apresenta a nova geração de heróis nos dias atuais. Essa história, de quase 100 anos, se inicia no que ficou conhecido como “Quinta-Feira Negra”, quando a bolsa de Wall Street quebrou em 1929, seguindo até os dias de hoje.

Evoluir tanto tempo com os mesmos personagens foi algo que agradou Ben Daniels quando ele aceitou participar da série: Você vê eles antes de serem heróis, então você tem toda aquela incrível história de origem dos anos 30. E então você vê o impacto que esses poderes que eles receberam causaram em suas relações e suas famílias nos próximos 100 anos.” Para o ator, isso é algo raro de ser trabalhado em uma história. “Isso parece muito como uma longa saga, mas com a mesma família, o que é muito diferente pra mim. Eu não sou um expert em super-heróis, mas foi isso que eu amei mais quando eu li [o roteiro].” 

Lanter concorda, reconhecendo como a série se destaca entre outras produções de heróis da atualidade, justamente por focar mais no aspecto humano do que no lado heroico:

A série se diferencia por ser muito humana no seu cerne, com as suas relações e esse tipo de coisa. O aspecto de super-herói é meio que secundário. E eu digo isso de uma forma positiva. Eu acho que você precisa ter as relações dos personagens bem construídas e eu acho que nós temos isso, diferente de outros filmes de super heróis,” argumenta.

Quando o assunto é qual versão do seu personagem foi a mais divertida de interpretar, a dos anos 1930 ou da atualidade, Lanter se mostra frustrado por não ter conseguido explorar a versão mais recente de Skyfox. O personagem aparece pouco nos dias atuais, algo que deve ficar reservado para uma segunda temporada da série. Eu não tive muita oportunidade de interpretar o Skyfox mais velho,” dispara. “Então é… Isso é algo que eu estou muito ansioso para explorar. Eu amo a versão mais jovem de George, a propósito. Tudo é muito teatral com ele, vivendo sem nenhuma preocupação no mundo. Eu gostei de interpretar esse papel dele.”

Já Daniels teve chance de explorar os dois momentos do seu personagem, e não consegue escolher apenas uma versão dele:

“Eu amei os dois,” conta. “Ainda que tentasse fazer eles serem tão diferentes quanto fosse possível, eu sabia que eles eram muito conectados. Ambos tinham as mesmas inseguranças, algo que ele carregava de jovem para um homem bem mais velho. E isso era muito profundo, ver como essa insegurança o impactava de formas diferentes e como ele lidou com isso. Eu tenho muita empatia por ele, especialmente com ele mais jovem.”

Choque geracional 

Um dos aspectos mais presentes durante esse século de história é o choque geracional que surge entre os primeiros heróis e seus filhos. De acordo com Lanter essa é a principal trama da série: Acho que conforme a série avança, com todos os heróis originais tendo filhos, essa é a principal trama. Mesmo que os vilões tenham mudado ao longo dos anos, acho que o fio que conecta as coisas é o aspecto geracional.” 

E esse conflito constante que surge entre as gerações não apenas cria atrito na família Sampson, mas também afeta a sociedade como um todo, especialmente quando os jovens heróis passam a questionar as regras impostas pelos mais velhos. Trabalhar isso em O Legado de Júpiter foi algo que agradou muito os atores. “Isso é algo que ainda não foi explorado,” argumenta Lanter. “Eu acho que esse aspecto das relações seria real, caso tivessem heróis na vida real isso seria um elemento presente. Os filhos deles e suas expectativas, tudo isso seria muito real, mas é algo que nunca vimos ser explorado.”

Daniels concorda que esse drama familiar é uma parte muito interessante da série, justamente por ser um tema tão popular na nossa cultura. “As relações com os pais já são difíceis de qualquer forma,” brinca. “Eu acho que é algo delicioso de se ter em uma história, uma vez que dramas familiares são incríveis. Nós amamos isso e assistimos por anos. Então, juntar isso com os heróis é muito interessante.”  

 

Perspectiva juvenil 

A primeira geração de heróis do Legado de Júpiter

Intensificando as coisas neste drama geracional, está o peso da fama que os heróis da primeira geração conquistaram. Na visão de Ben Daniels, a vida dos jovens em O Legado de Júpiter seria equivalente ao que os filhos de famosos do mundo real passam. “Eles subitamente são famosos porque seus pais são famosos,” exemplifica.

Para piorar a situação, nenhum dos jovens pediu ou escolheu ter esses superpoderes, um componente que traz mais responsabilidades e desafios. “É uma coisa diferente de como a gente ganhou nossos poderes. Nossos filhos só herdaram isso,” continua Daniels. “Sabe, nós meio que escolhemos receber nossos poderes já que escolhemos ir nessa odisseia com Sheldon [o Utópico], nós participamos dessa descoberta do que recebemos. Aquelas crianças não tiveram essa escolha. E eu acho que isso é muito duro pra eles.” 

Lanter concorda com o exemplo do colega, apontando que falta perspectiva para os jovens poderosos deste universo:

“Se você nasce uma família rica você não sabe como não ser rico. Não sabe o que é ser incapaz de pagar uma conta ou ter sua luz desligada, essas coisas são conceitos bizarros para você,” explica. “Mas eu acho que a geração original tem essa perspectiva de não ter esses poderes heroicos. Agora elas tem esse dom e sabem o que podem fazer com isso, mas para os mais novos, eles só nasceram com isso. É meio que um tanto faz. É uma perspectiva totalmente diferente.”

Entre os temas abordados neste conflito ideológico e geracional, temos o questionamento sobre violência e brutalidade, bem como a discussão sobre matar os vilões. A maneira como esses assuntos são trabalhados ecoam alguns dos debates atuais, e ambos os atores concordam que O Legado de Júpiter trabalha essas questões de um jeito válido, ainda que escolha uma área cinzenta entre os dois pontos de vista.

“Todo mundo tem uma perspectiva diferente e uma forma diferente de lidar com uma situação,” discorre Lanter. “Com a crise geracional entre os heróis e seus filhos, eles veem o mundo, os problemas e as soluções de um jeito diferente. Eu acho que isso é executado de uma forma muito interessante.”

Daniels elogia a produção, ressaltando que “essa habilidade de discutir as áreas cinzentas que temos enquanto seres humanos,” só costuma ser trabalhada no drama. “Nós vivemos em um mundo tão preto e branco no momento, onde se você diz a coisa errada você está acabado,” comenta.  Para ele, a série trabalha os dois lados da discussão de uma maneira muito relevante, justamente por reconhecer que os todos os pontos de vista são pertinentes. “É muito bom se perder em uma história onde não existem vilões e heróis de verdade, onde tudo é meio cinza. Parece muito humano. E é muito bom mergulhar em uma história assim por um tempo.” 

Preparo para ser herói 

Mais do que apenas ler os quadrinhos e trabalhar o roteiro, os atores precisaram de muito esforço físico para conseguirem ter um bom desempenho em O Legado de Júpiter. A questão foi além da estética, visto que os trajes possuem enchimento para ressaltar os músculos, sendo necessário para que a equipe conseguisse aguentar as longas horas de filmagens intensas. Para a dupla, o uso dos trajes foi o maior desafio da produção.

“É um trabalho muito físico estar com os equipamentos e até mesmo usar o traje. Ficar com ele é inacreditavelmente exaustivo,” revela Daniels. “A sua pele não consegue respirar, já que eles possuem três camadas e são muito apertados. Então seu corpo está constantemente lutando contra isso, contra essa pressão. Você está sendo espremido o tempo todo. Você não consegue beber muito, comer muito ou ir no banheiro. Nada disso é fácil.”  

Expectativas para o futuro

Skyfox de Matt Lancer

Confiantes de que a primeira temporada vai agradar o público, os atores torcem para que uma segunda temporada seja anunciada logo.

“Seria incrível. Você pode só seguir com o que as pessoas amaram e você teria esse retorno dos fãs. E nós sabemos que os fãs de super heróis são muito apaixonados,” afirma Daniels. “Uma segunda temporada é sempre uma maravilha. Seria incrível trabalhar com todos esses atores de novo e com essa equipe fantástica. Tudo foi artisticamente incrível. Então ter mais disso seria ótimo.” 

Lanter, no entanto, tem motivos bem específicos para torcer por uma segunda temporada. Ele está ansioso para conseguir explorar a versão mais atual do seu personagem:

“Sendo egoísta, eu adoraria ver mais do George no futuro. A gente não conseguiu ver muito disso. Então seria como a descoberta de um personagem totalmente novo na segunda temporada e como esse cara está agora. Eles conseguiram interpretar dois personagens, mas além de uma cena, isso é algo vago. É, eu adoraria ver isso, visto que é essencialmente um novo personagem.” 

E ai, você está pronto para conhecer uma nova legião de heróis e entender o Legado deles?

A primeira temporada de O Legado de Júpiter chega na Netflix dia 7 de maio.

Confira também tudo sobre  a HQ que inspirou a série da Netflix:

Imagem de perfil
sobre o autor Cristiano Rantin

Jornalista • Editor • Mestrando em Comunicação pela UEL • Twitter e Instagram: @Chris_Rantin • "Eu sou o fogo e a vida encarnados. Agora e para sempre eu sou a Fênix!"