Capa da Publicação

Monster Hunter: Tudo que você precisa saber sobre a franquia

Por Cristiano Rantin

Monster Hunter está fazendo sucesso entre os gamers desde 2004, conquistando uma legião de fãs nas suas várias versões que teve para os mais diferentes consoles e plataformas. Dos PlayStations aos consoles da Nintendo, dos mangás e animes até o filme em live-action, falar da franquia Monster Hunter é falar sobre um universo extremamente rico e que nunca para de se reinventar e explorar sua história de monstros gigantes e grandes caçadores.

No último mês, tivemos o lançamento de Monster Hunter Rise, game para o Nintendo Switch, que já vendeu mais de 5 milhões de cópias em apenas uma semana. Levando em conta o sucesso do game, preparamos um artigo com tudo que você precisa saber sobre a franquia Monster Hunter.

Criação

Monster Hunter para PS2

Criada Kaname Fujioka em 2004 para o PlayStation 2, a franquia Monster Hunter conquistou uma legião de fãs e se espalhou por várias plataformas, ganhando vida nas mais diversas mídias. Desenvolvida e publicada pela Capcom, os jogos costumam ser do gênero de RPG de ação, com o jogador se encontrando na pele de um poderoso caçador, tendo que enfrentar e matar diversos monstros. 

O primeiro game da saga foi criado com a intenção de explorar os recursos do PS2, como seu processador mais robusto e o modo online, algo muito importante no desenvolvimento do jogo. Ryozo Tsujimoto, produtor da franquia, afirmou que Monster Hunter foi feito para jogar de forma cooperativa, para que todo mundo — independente da habilidade e experiência — conseguisse conquistar os objetivos do jogo. E o público gostou disso. O primeiro game vendeu mais de um milhão de cópias, uma grande marca para a época. 

Enredo

Protagonista do jogo Monster Hunter Rise

Nos principais jogos da franquia Monster Hunter, o jogador assume o papel de um caçador vivendo em um mundo fantástico repleto de espécies humanóides. Neste universo, há pouco avanço tecnológico, com a sociedade sendo repleta de elementos que lembram o Japão Feudal. Enquanto a humanidade se reúne em pequenas vilas ou bases, monstros colossais espalham o caos nas paisagens de tirar o fôlego do game. 

Cabe ao jogador, sendo um caçador, proteger o povo dos monstros e se aventurar em perigosas caçadas. Com o objetivo de coletar informações, aprisionar ou executar as criaturas, o jogador precisa repetir suas incursões diversas vezes, contando com seu Amicão e seu Amigato como ajudantes desta aventura. 

Estilo e jogabilidade 

Combater monstros gigantes: Quanto maior o desafio, maior a recompensa

Ainda que seja um RPG, os jogos de Monster Hunter costumam ser focados na repetição. O jogador evolui ao conquistar novas armas e equipamentos após concluir suas caçadas, ao invés de ir “subindo de nível” como os outros jogos desse estilo. 

Ao longo da franquia, fomos apresentados para até 14 classes, que são definidas pelas armas utilizadas pelo caçador. Arcos, espadas, martelos, machados e até mesmo armas de fogo estão disponíveis para os jogadores, que conquistam aprimoramentos com o passar o tempo. Mas para melhorar, é preciso repetir a mesma missão diversas vezes, fazendo o famoso grind até adquirir a recompensa que necessita. 

Outra característica interessante da franquia é que, diferente de outros jogos do gênero, é preciso finalizar uma animação antes de tomar outra ação. Isso significa que seu personagem ficará vulnerável nas pausas para tomar poções e que não será possível atacar com sua arma enquanto utiliza outro item. 

Com diversos monstros e inúmeros níveis de dificuldades diferentes, Monster Hunter quase possui um “chefão” por desafio, levando em conta o tempo que é necessário para derrotar o monstro e as várias estratégias que precisam ser utilizadas. 

Jogos da franquia

Monster Hunter World: Iceborne, expansão também foi vendida como jogo separado

Desde o lançamento de Monster Hunter (2004) para Ps2, que também ganhou uma versão melhorada para PlayStation Portable (o PSP), com o nome Monster Hunter Freedon, a franquia principal recebeu mais cinco jogos, variando de plataforma ao longo dos anos. 

Monster Hunter 2 (2006), também feito para PlayStation 2, teve uma versão melhorada para o PSP sob o nome de Monster Hunter Freedom 2, e uma versão para iOS com o nome Monster Hunter Freedom Unite; Feito para o Nintendo Wii, Monster Hunter Tri (2009), ganhou versões melhoradas pra o Nintendo 3DS e Wii U, com o nome Monster Hunter 3: Ultimate; Para o Nintendo 3DS, foi lançado Monster Hunter 4 (2013), também chamado de Monster Hunter 3: Ultimate nas versões atualizadas. 

Mais recentemente a franquia ganhou o game Monster Hunter: World (2018), feito para o PlayStation 4 e Xbox One, ganhando uma versão para PC no mesmo ano. A expansão Monster Hunter World: Iceborne foi lançada em 2020, também sendo vendida separadamente como um jogo próprio. 

Em março deste ano, Monster Hunter Rise chegou para o Nintendo Switch, enquanto uma versão para PC tem o lançamento programado para 2022. 

Spin-offs

Monster Hunter Diary: Poka Poka Airou Village trazia uma proposta e estilo bem diferente

Mas uma franquia tão grande quanto Monster Hunter não ficaria contida apenas na sua série principal. Jogos derivados foram lançados ao longo dos anos, mesclando estilos e plataformas e explorando o universo dos monstros gigantes e caçadores. 

Chegando em 2007 para PC Monster Hunter Frontier Online, também conhecido como Monster Hunter Frontier Z foi o primeiro MMORPG da saga. O game ganhou uma versão para Xbox 360 e teve os servidores ativos até dezembro de 2019, quando o jogo foi oficialmente descontinuado. 

Em 2010, Monster Hunter Diary: Poka Poka Airou Village foi lançado para PSP, chegando ao Nintendo 3DS em 2015. O jogo era todo focado nos Amigatos, as criaturinhas adoráveis deste universo. Monster Hunter Dynamic Hunting, lançado em 2011 para o iOS, é um jogo focado em luta e não em RPG. Monster Hunter: Frontier G, outro MMORPG, foi lançado em 2013 para Xbox 360, PlayStation 3 e Wii U, ganhando uma versão atualizada para esses consoles e chegando para o PlayStation 4 e PSP em 2016. 

O terceiro MMORPG da franquia, Monster Hunter Online também foi lançado em 2013, sendo encerrado em dezembro de 2019. Monster Hunter Spirits, chegou em 2015 para os arcades, enquanto Monster Hunter Explore, de 2015, foi um game mobile para iOS e Android. 

Monster Hunter Online

Monster Hunter Generations, lançado em 2015 para Nintendo 3DS e chegando para o Nintendo Switch em 2017,era mais focado na ação do que na lore; Já Monster Hunter Stories, como o nome sugere, foi o game do Nintendo 3DS lançado em 2016 que priorizava o RPG e tinha um sistema de combate por turnos. Monster Hunter Riders segue esse mesmo estilo, priorizando a história aos combates, chegando em 2020 para iOS e Android. 

E por fim, o próximo spin-off da franquia será Monster Hunter Stories 2: Wings of Ruin, feito para PC e Nintendo Switch, com o lançamento programado para julho deste ano. O game será compatível com Monster Hunter Rise, podendo trazer ainda mais aventuras para os jogadores. 

Sucesso absoluto 

Amigatos são um dos destaques da franquia

No final de 2020, a franquia Monster Hunter acumulou mais de 66 milhões de unidades vendidas em todo mundo. Isso faz com que ela seja considerada a segunda maior série da Capcom, ficando atrás apenas da imparável saga Resident Evil. 

Ainda que os primeiros jogos fizessem sucesso quase que exclusivamente no mercado asiático, o terceiro game da franquia popularizou o título em todo o mundo, se tornando um queridinho dos fãs especialmente por sua capacidade multiplayer. 

Apesar de bem avaliado pelos críticos, muitos concordam que é preciso ter atenção e paciência para aprender a jogar Monster Hunter, e por esse motivo a Capcom tem tentado deixar o jogo mais amigável para os novatos, como é o caso de Monster Hunter Rise, considerado pelos fãs o título da franquia mais tranquilo para iniciantes. 

Anime 

Em Monster Hunter: Ride On os humanos eram amigos dos monstros

Indo além dos games, a franquia também brilhou em outras mídias. O anime Monster Hunter: Ride On, que foi ao ar entre 2016 e 2018, adaptava o universo do game ao mostrar um grupo de crianças escolhidas para serem cavaleiros de “dragões”, criando vínculos com os monstros gigantes e montando neles para combater e viajar. 

Diferente do que vemos nos jogos, a trama do anime era focada na luta dos protagonistas para tentar impedir os ataques violentos dos monstro, protegendo a população, mas sem matar as criaturas. Por conta disso, eles eram vistos como um tabu e a tradição dos cavaleiros acabava sendo mantida em segredo para o resto da sociedade. 

MonHun Nikki Girigiri Airou Mura: Airou Kiki Ippatsu, focado nos amigatos do universo Monster Hunter, foi uma série de curtas animados lançados em 2010, ganhando um anime oficial com a mesma premissa em 2016. 

HQs e Mangas  

Monster Hunter Orage, o Mangá da franquia

A franquia também chegou a mídia impressa! Em 2008, Kodansha e a Capcom publicaram um mangá chamado Monster Hunter Orage, assinado por Hiro Mashima e que teve quatro volumes. 

Na história exploramos o universo dos caçadores de monstros, focado em Shiki aprendiz da arte da caça, recebendo o treinamento de Greylee desde a infância. O mangá mostra Shinki entrando para uma guilda após a morte do seu mestre, entrando em novas aventuras com Ailee, uma jovem garota que era filha de Greylee. Juntos eles tentam encontrar Myo Galuna, a grande ambição do mestre caçador e uma criatura extremamente poderosa. 

Além disso, Monster Hunter foi uma das franquias de games a participar do crossover Worlds Unite da Archie Comics (sim, o universo que inspirou O Mundo Sombrio de Sabrina e Riverdale), com Sonic e Mega Man e de outros personagens das franquias Capcom e Sega. 

Crossovers 

Crossover com Resident Evil em Monster Hunter World: Iceborne

Falando em crossovers, Monster Hunter constantemente aparece em outras franquias da Capcom, em pequenas referências ou armas especiais. Além disso, em Monster Hunter World, eventos especiais traziam elementos das sagas Resident Evil, Mega Man, Assassin’s Creed e The Witcher

Em Marvel vs Capcom: Infinite, uma caçadora de Monster Hunter apareceu em Valkanda, mistura de Wakanda com Val Habar, local importante da franquia. Em Metal Gear Solid: Peace Walker, Rathalos e Tigrex, dois monstros da franquia, podem ser vistos no game. Rathalos, inclusive, foi o destaque de um evento especial de Final Fantasy XIV, sendo um personagem invocável em Super Smash Bros. Ultimate. A criatura também apareceu em Dragalia Lost, durante um evento do game mobile. 

Filme 

Live-action de Monster Hunter dividiu o público

Por fim, mas não menos relevante na história da franquia, Monster Hunter também teve um filme live-action. 

Produzido, escrito e dirigido por Paul W. S. Anderson, o longa foi protagonizado por Milla Jovovich, repetindo a parceria da franquia de filmes Resident Evil. O conceito do filme estava em desenvolvimento desde 2012, mas só foi oficialmente anunciado pela Capcom em 2018 (mesmo ano em que ele foi filmado). 

Apesar de todo esse tempo em que a ideia esteve em processamento, o filme foi considerado um grande fracasso, lucrando apenas 33 milhões de dólares no mundo todo — contra os mais de 60 milhões de orçamento. Entre polêmicas envolvendo piadas racistas com chineses, o filme recebeu críticas mistas: Enquanto a ação e os efeitos foram elogiados, todo o resto foi extremamente criticado. 

Para os fãs dos jogos, o filme falhou em alguns aspectos, principalmente por misturar o exército americano na trama. Mesmo assim, alguns elementos importantes dos games, como os amigatos e alguns dos monstros mais famosos, estiveram presentes no longa. 

Monster Hunter: Rise já está disponível para o Nintendo Switch.

Não deixe de conferir:

 

Imagem de perfil
sobre o autor Cristiano Rantin

Jornalista • Editor • Mestrando em Comunicação pela UEL • Twitter e Instagram: @Chris_Rantin • "Eu sou o fogo e a vida encarnados. Agora e para sempre eu sou a Fênix!"